23
maio

“Há alguns meses atrás, ele estava tentando levar compradores nossos para Toritama” – afirma Edson Vieira sobre aparição de José Augusto Maia em protesto na PE-160


Edson VieiraEm entrevista concedida no programa Falando de Política, da Santa Cruz FM, o prefeito de Santa Cruz do Capibaribe, Edson Vieira (PSDB), falou sobre os protestos realizados no último domingo (22).

O município foi alvo de um protesto realizado na PE-160, que foi coordenado por compradores e chefes de guias de excursões como, segundo eles, uma resposta as ações de apreensão de mercadorias sem nota fiscal por parte da Secretaria da Fazenda do Estado (Sefaz-PE). O protesto também foi motivado contra comerciantes do município que, segundo eles, não disponibilizam a nota.

Sobre os protestos, o prefeito relatou que está preocupado com a situação, disse que a prefeitura estaria disposta contribuir, mas citou que algumas coisas precisam ser vistas.

“Temos que saber separar todas essas questões: de quem realmente está preocupado em resolver essa questão e quem está querendo aparecer para criar algum fato político para desgastar a imagem, seja do poder municipal ou do Governo Federal” – disse.

O prefeito citou que também irá comparecer a uma reunião marcada para que o Governador nesta segunda-feira (23), junto com representantes da Sefaz, possam receber também representantes de compradores e de guias de excursões e entidades de classe, objetivando nova tentativa em busca de soluções.

Já sobre a aparição do ex-deputado José Augusto Maia (PTN) no protesto, o prefeito foi enfático:

“Não podemos deixar de registrar e de falar que algumas pessoas tentam fazer um tumulto para tentar ir para lá (a reunião) quando, todo mundo se lembra, essa pessoa a quem me refiro, há alguns meses atrás, ele estava tentando levar compradores nossos para Toritama, para fazer parte do Uai Shopping, ao qual ele tem participação” – disse.

Questionado sobre a recorrência de fiscalizações, especialmente em períodos de aumento de vendas, ele respondeu:

“Isso volta porque, infelizmente, tem colocações que não podemos ir a frente porque faltou mais uma integração. Se soluciona na hora pontual e depois esfria. Isso já temos mostrado tanto ao governo, como as entidades de classes, que se busque uma solução. Isso não é só uma responsabilidade do Governo ou da prefeitura, mas uma responsabilidade de todas as partes, seja dos vendedores, compradores, entidades de classe… Para que não se aconteça tais situações como aconteceram e alguns tentem tirar proveito político de uma situação como essa” – disse.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias Anteriores