18
setembro

Jânio Arruda, emissora de rádio e locutor são condenados a pagar multa eleitoral de R$ 5 mil cada, em Taquaritinga

Imagem: Reprodução/Facebook..

O Partido Socialista Brasileiro (PSB) no município de Taquaritinga do Norte, entrou com uma representação eleitoral contra a Rádio Comunitária Taquaritinga FM, o candidato a prefeito homologado em convenção Jânio Arruda e o locutor Aldenor Custódio Maia, acusados pela prática de propaganda eleitoral antecipada.

Na representação, o PSB afirma que “a emissora transmite semanalmente um programa para debater a política de Taquaritinga, porém, o mesmo teria se transformado em um verdadeiro palanque político em benefício da pré-candidatura de Jânio Arruda, em julho deste ano”. Ainda de acordo com a representação, Jânio Arruda teria citado o número da coligação por diversas vezes.

Em sua defesa, a emissora alegou que “não concedeu tratamento privilegiado a Jânio Arruda e que está sempre aberta a entrevistar qualquer cidadão”, já quanto a citação do pretenso número do candidato, a defesa sustentou “que a mera menção ao número de determinado partido político não configura em propaganda antecipada”.

As defesas de Jânio e Aldenor alegaram que “não houve a existência de propaganda eleitoral antecipada no conteúdo das entrevistas, pois estavam se tratando de uma mera menção à pretensa candidatura, e que seria permitido segundo a lei eleitoral”. Já em relação à falta de isonomia na concessão de entrevistas, a defesa argumentou que “Jânio Arruda não influência nas escolhas”.

Por fim, o Juiz Eleitoral Hildeberto Júnior da Rocha Silvestre, condenou Jânio Arruda, a Rádio Taquaritinga FM e o locutor Aldenor Custódio, a pagar uma multa no valor de R$ 5 mil cada.

14
setembro

“Tenho direito também de disputar esse espaço” – diz Tallys Maia sobre sua pré-candidatura a vereador

Na noite desta segunda-feira (14), o Programa Independente recebeu a presença do pré-candidato a vereador Tallys Maia (PRB), que falou sobre os bastidores que culminaram na definição da chapa Taboquinha, que contém Fábio Aragão (PP) como pré-candidato a prefeito, e Helinho Aragão (PSB) como pré-candidato a vice; além de sua possível mundança de grupo político na disputa para vereador nas eleições deste ano.

“Fiquei um pouco triste como a forma que tudo ocorreu, estavámos com a pré-campanha de Helinho Aragão, e de última hora houve uma sequência de fatos, teve a morte de Fernando (Aragão) e então houve um momento de indefinição, acreditávamos que Helinho seria o escolhido, mas depois veio uma sequência de fatos com a questão do vice, e meu nome pouco foi lembrado” – disse.

Sobre o apoio do PSB ao projeto do PP, Tallys ratificou que só soube da informação através da imprensa, mas completou que ‘o processo não foi muito bem conduzido’. Ele falou em relação às informações de bastidores entorno de uma possível mudança de grupo político.

“Não houve nenhum fechamento, nenhum acordo e nada desse tipo, houveram convites, dialoguei tanto com o pessoal da terceira via quanto da situação, mas no final pesou o pedido de Zé Augusto e essa situação seria totalmente desconfortável para ele, mas eu tive que ouvir muitas pessoas pra gente chegar a esta decisão, que foi de permancer no grupo” – frisou.

Tallys Maia falou sobre a disputa interna entre ele e o seu irmão Augusto Maia, com relação a campanha eleitoral.

“Sempre tive uma ótima relação com ele e acho que agora não vai ser diferente, cada um tem o seu perfil, ele tem todo direito de ir pra reeleição, mas eu precisei me sacrificar politicamente e tenho direito também de disputar esse espaço dentro da política” – concluiu.

13
setembro

Desembargador derruba decisão que determinava remoção de divulgação de realizações de governo nas redes sociais de Edson e Dida

O desembargador Ruy Trezena Patu Júnior anulou a decisão do juiz eleitoral de Santa Cruz do Capaibaribe, que determinava a retirada das supostas propagandas institucionais, as quais foram publicadas nas redes sociais (Instagram) do prefeito Edson Vieira (PSDB), do vice-prefeito e atual pré-candidato a prefeito, Dida de Nan (PSDB), após um recurso impetrado pelos políticos acusados.

Em sua defesa, a assessoria jurídica de Edson e Dida alegou que ‘o magistrado equivocou-se ao entender que as publicações nas redes sociais pessoais dos gestores públicos equiparavam-se à propaganda institucional’; ressaltando que ‘as propagandas institucionais são sempre realizadas com dinheiro público e disponibilizadas nas páginas oficiais’; e completou que ‘em momento algum a representação eleitoral traz elementos probatórios da existência de publicidade institucional das páginas oficiais do município e nem tampouco a comprovação de uso de recursos públicos nas publicações’.

Na decisão, o desembargador destacou que ‘a publicidade institucional é aquela autorizada por agente público e custeada por recursos dos entes da administração direta e indireta. Este tipo de propaganda normalmente não tem caráter eleitoral. O fato de ter sido publicada na rede social do atual prefeito é irrelevante, pois o que a caracteriza é o dispêndio de recursos públicos’; e conclui que ‘na petição inicial, o representante não comprovou que as propagandas veiculadas foram custeadas pelos cofres públicos’.

11
setembro

Juiz eleitoral determina a remoção de publicidades institucionais em redes sociais de Edson Vieira e Dida de Nan

Ação foi movida pelo Partido Progressista

O Partido Progressista entrou com representação judicial de uma suposta propaganda institucional em período vedado, contra o prefeito de Santa Cruz, Edson Vieira (PSDB), e o vice-prefeito Dida de Nan (PSDB). Nesta quinta-feira (10), o juiz eleitoral Moacir Ribeiro determinou, através de decisão liminar, a retirada das publicações do Instagram que contenham publicidade institucional a partir do dia 15/08/2020, dia em que foi vedado esse tipo de publicação.

Imagem anexada na ação

Na decisão, o juiz afirmou que a documentação que o setor jurídico do PP apresentou mostra “claramente a realização de propaganda institucional” pelo prefeito e vice-prefeito no período vedado.

“DETERMINAR A REMOÇÃO pelos representados de toda e qualquer publicação que contenha propaganda institucional, veiculadas a partir do dia 15/08/2020 (início da vedação da propaganda institucional), no prazo de 24 (vinte e quatro horas), sob pena multa de R$ 20.000,00 (vinte mil reais), devendo o mesmo comprovar no referido prazo que atendeu a determinação judicial”, cita trecho da decisão.

O juiz eleitoral determinou ainda que o prefeito e vice-prefeito de Santa Cruz do Capibaribe se abstenham de promover publicação de conteúdo similar nas redes sociais ou em outros meios de comunicação, sob pena de multa diária de R$ 5 mil por publicação. A decisão ainda cabe recurso.

10
setembro

“O silêncio foi importante para o diálogo acontecer” – disse Helinho Aragão sobre a definição para vice

Na noite desta quinta-feira (10) o pré-candidato a vice-prefeito na chapa de Fábio Aragão (PP), Helinho Aragão (PSB) concedeu entrevista ao Programa Independente, veíuculado diariamente pela fanpage do Santa Cruz Online. Helinho Aragão falou sobre os momentos em que esteve como pré-candidato a prefeito.

“A pré-campanha de prefeito foi muito válida, apesar do êxito que não tivemos, levei ideias para todos os bairros da cidade e discutimos a política pública para ajudar a nossa cidade” – disse.

Ele citou os momentos difíceis até a aceitação de ser confirmado como pré-candidato a vice do grupo.

“Voltando para o momento em que estamos hoje, foi uma discussão dentro do próprio grupo e eu não estava pensando nessa pré-candidatura a vice, pois eu tinha outro foco depois que o PSB confirmou o apoio ao PP, e então preferir o silêncio que foi importante para o diálogo acontecer” – falou.

Na época da pré-campanha quando disputava com Fernando Aragão (in memorian), dentro do grupo Taboquinha haviam discussões para que houvesse uma pesquisa política para decidir quem seria o principal nome do grupo para a disputa. Helinho pontuou que após a morte de Fernando, teve que refletir.

“Infelizmente depois da morte de Fernando, tivemos que repensar e parar com aquelas arestas, até porque o cenário mudou totalmente, e nos unimos e vimos o que é era melhor para o grupo, e se chegou ao nome de Fábio, e quando o convite (para vice) surgiu, fui conversar com a família e amigos. Não adiantava mais a questão da pesquisa, até porque já tínhamos o candidato” – frisou.

Helinho foi questionado sobre a possibilidade de Tallys Maia, aderir ao projeto do pré-candidato a prefeito de situação, Dida de Nan (PSDB).

“Essa questão que ele vai para outro grupo, eu não acredito”

02
setembro

“Estou muito feliz como pré-candidato a vice de Dida de Nan” – diz Joselito Pedro

Fotos: Elivaldo Araújo.

A edição do Programa Independente desta quarta-feira (02) recebeu a presença de Joselito Pedro, pré-candidato a vice-prefeito pela chapa encabeçada por Dida de Nan (PSDB), do grupo de Situação de Santa Cruz do Capibaribe.

Ele falou sobre a decisão tomada em aceitar a pré-candidatura como vice na chapa, e também se mostrou satisfeito em estar ao lado de Dida. Joselito fez um breve resumo em frente a Secretaria de Educação Municipal, e deu detalhes sobre alguns momentos em que ele teve que abrir mão em prol do partido.

“”Estou muito feliz como pré-candidato a vice de Dida de Nan (…) Houve momentos em que tive que desistir, pois um grupo que cultiva arestas, fica deficiente para cuidar das pessoas” – falou.

Ele foi questionado sobre os motivos que levaram a ele desistir de sua pré-candidatura a prefeito no pleito deste ano.

“Eu recuei muito por questões familiar (…), conversei com a minha esposa, minhas filhas, mas depois elas sentiram em mim de certa forma um pouco de vazio” – argumentou.

Joselito foi questionado sobre a forma diferente de fazer a campanha eleitoral no pleito deste ano, devido a pandmeia da Covid-19.

“Será uma campanha diferente e estamos aprendendo a fazer política neste tempo de pandemia. Estamos com umas ideias inovadoras, com uma estrutura legal e teremos surpresas que todos vão gostar muito do que estamos planejando” – citou.

Ao final da entrevista, Joselito Pedro se emocionou ao falar sobre a morte do seu pai, Jordão Pedro, que faleceu vítima da Covid-19.

“Meu pai é muito importante no meu recuou e na decisão de voltar” – concluiu.

31
agosto

Exclusivo – Diogo Moraes e Eduardo da Fonte selam a paz e se encontram para articular indicações para composição com Fábio Aragão

 

 

O deputado estadual Diogo Moraes (PSB) e o deputado federal Eduardo da Fonte (PP) estiveram juntos na Capital Pernambucana na noite desta segunda-feira (31). Fontes ligadas ao Palácio do Campo das Princesas, ouvidas pelo Blog do Ney Lima, narraram que o encontro foi para selar a paz entre os parlamentares após meses de acirrados confrontos políticos que fulminaram a possibilidade de candidatura socialista em Santa Cruz do Capibaribe.

A conversa entre os deputados ocorreu na sede do Partido Progressista. Nesta ocasião a conjuntura política foi tratada e os nomes para composição da chapa encabeçada por Fábio Aragão foram discutidos.

O convite para ocupar a vaga de pré-candidato a vice-prefeito ficará entre quatro nomes: Flávio Pontes, Deomedes Brito, Helinho Aragão ou Augusto Maia. A definição se dará num consenso entre Fábio e Diogo Moraes sem a interferência de Eduardo da Fonte. O vereador Carlinho da Cohab teria aberto mão da indicação em prol da união do grupo.

31
agosto

EDITORIAL – Os 20 dias de silêncio e a autodestruição da carreira política de Helinho Aragão

 

 

 

“Na primeira noite, eles se aproximam e roubam uma flor do nosso jardim. E não dizemos nada. Na segunda noite, já não se escondem: pisam as flores, matam nosso cão, e não dizemos nada. Até que um dia, o mais frágil deles entra sozinho e nossa casa, rouba-nos a luz e, conhecendo nosso medo, arranca-nos a voz da garganta. E já não podemos dizer nada”.

 

 

O texto, de autoria de Eduardo Alves da Costa, serve de reflexão quanto ao silêncio destrutivo. Assim como em toda a vida, na política a falta de reação pode resultar em consequências incorrigíveis. Está sendo assim com a carreira política de Helinho Aragão.

Vereador por dois mandatos, Helinho se encontrou pela segunda vez com a face mais perversa do poder: a traição. Na política, as pessoas são usadas. São como peças de um xadrez, composto por personagens que vão desde o rei aos peões.

Em 2018, Helinho contrariou a maior parte dos vereadores de seu grupo e seguiu junto a José Augusto Maia, caminhando com seu filho Tallys Maia em uma campanha sem viabilidade eleitoral. No mesmo ano, foi articulado para ser presidente da Câmara, mas foi feito de bobo da corte minutos antes da eleição.

Agora, em 2020, uma jogada parecida aconteceu. Diogo Moraes, junto ao “mesmo Zé”, conduziram Helinho por meses rumo a uma pré-candidatura fictícia. Imprensa e observadores sinalizaram por meses o desfecho que se confirmou com o cheque mate dos seus planos políticos.

Passaram-se 20 dias e Helinho silenciou. Junto ao silêncio, a exposta mutilação da sua carreira política parece gritar aos quatro cantos da cidade de Santa Cruz do Capibaribe. Nem uma nota os seus pretensos eleitores receberam sobre o que teria acontecido com o pré-candidato do PSB.

Na política, não dá pra culpar adversários pelas derrotas, muito menos culpar os aliados, especialmente quando não se sabe jogar. No tabuleiro, faz-se necessário o domínio dos fatos, liderança e reação.

O que faltou a Helinho? Faltou deixar de ser vítima das circunstâncias para ser senhor do seu próprio destino.

 

 Por Ney Lima

29
agosto

TRE proíbe aglomeração em atos políticos, em Pernambuco

Imagem ilustrativa

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE-PE) decidiu em sessão extraordinária que, em Pernambuco, os atos políticos não poderão promover aglomerações e deverão respeitar as determinações sanitárias, de distanciamento social e o uso de máscaras. Realizada nesta sexta-feira (28), na reunião ficou decidido que os atos públicos deverão seguir as normas sanitárias estaduais e federais que têm objetivo de combater a pandemia da covid-19.

A consulta foi feita pelo Ministério Público Eleitoral (MPE/PE). O MPE argumentou que o TRE necessitava posicionar-se, pois, de acordo com o MP Eleitoral, existia um conflito entre a legislação eleitoral, que autoriza atividades que podem reunir grande número de pessoas, e as normas sanitárias editadas em função da pandemia. Como exemplos foram usados o Decreto Estadual 49.055, de 31 de maio, do Governo do Estado de Pernambuco que proíbe aglomeração de mais de dez pessoas em todos os espaços abertos ao público, e a Portaria 1.565/2020 do Ministério da Saúde, que aponta a estrita necessidade de serem mantidas medidas de distanciamento social.

Com a decisão do TRE, agora, os eventos de pré-campanha, como convenções partidárias, ou da própria campanha, como passeatas, carreatas e reuniões, não poderão provocar aglomerações. Como o estado de Calamidade Pública foi aprovado pelo congresso até o final de 2020, nenhum ato poderá reunir mais de dez pessoas no mesmo ambiente. Além disso, todos os participantes devem usar máscaras, respeitar o distanciamento e ter álcool em gel à disposição também é uma das condições.

Quem desobedecer à determinação estará sujeito a sanções sanitárias e a ser processado pelo crime de infringir determinação do poder público destinada a impedir introdução ou propagação de doença contagiosa (previsto no artigo 268 do código penal). A pena vai de detenção de um mês a um ano, e multa. O valor não foi especificado.

Informações: JC Interior

Notícias Anteriores


 




error: Copiando nosso texto?