01
fevereiro

Zika vírus se torna preocupação mundial


OMS cobra esforço internacional de enfrentamento ao Zika Vírus

 

Doença transmitida pelo Aedes aegypti se tornou preocupaçao mundial - Imagem meramente ilustrativa

Doença transmitida pelo Aedes aegypti se tornou preocupação mundial – Imagem meramente ilustrativa

Nesta segunda-feira (01) a provável ligação do Zika Vírus (que é transmitido através do mosquito Aedes aegypti) com o grande aumento de casos de microcefalia passou a ser tratada como assunto de esforço mundial.

 

Foi isso que declarou Margaret Chan, diretora-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS). Em coletiva realizada na manhã hoje em Genebra, na Suíça, ela cobrou para que vários países mobilizem esforços em conjunto para o enfrentamento a doença, que só no continente americano já atingiu 22 países.

 

Segundo um relatório da própria OMS, os casos de Zika Vírus já foram registrados em vários países europeus, porém em pessoas que viajaram para outros países com casos já confirmados da doença em sua própria população.

 

Até o momento, o Brasil é o mais afetado, seguido de Colômbia, que no último sábado (30) fez o anúncio de mais de 20.000 casos suspeitos, 2.000 deles em mulheres grávidas.

 

No Brasil, a maioria dos casos suspeitos de pessoas com Zika Vírus é em Pernambuco, que também possui o maior contingente de crianças com microcefalia (doença que causa sintomas neurológicos graves e permanentes, sendo um deles o menor tamanho do cérebro em bebês).

Mapa com país afetados - Arte: Portal G1

Mapa com país afetados – Arte: Portal G1

No país, no ano de 2015, foram confirmados 270 casos e mais de 3400 sob suspeitas.

 

Ainda segundo a OMS, a falta de testes de detecção mais precisos e baratos, aliados a falta de uma vacina para a doença, fazem com que esse esforço conjunto seja providenciado o mais rapidamente possível.

 

Papel da população e do Poder Público

 

Cabe a esses dois agentes o trabalho em conjunto para debelar os focos do mosquito transmissor que, em sua maioria, tem seus focos de procriação dentro de domicílios habitados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Notícias Anteriores


 




error: Copiando nosso texto?