08
abril

‘Polo de confecções do Agreste produzirá máscaras para combater o coronavírus’, afirma Paulo Câmara


A estimativa inicial é que o polo produza cerca de 1 milhão de unidades de máscaras

 

Foto: Yacy Ribeiro.

O governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), lançou na tarde desta quarta-feira (08) durante pronunciamento, três medidas para o Polo de Confecções do Agreste, que é formado por Santa Cruz do Capibaribe, Toritama e Caruaru, para a produção de máscaras, com o objetivo de combater o coronavírus.

Segundo o governador, haverá o fornecimento de manuais para produção e de selo de certificação para atestar a qualidade dos novos produtos; linha de crédito especial no valor de R$ 6 milhões, garantindo a aquisição de matéria-prima para mais de 120 empresas; e consultoria comercial, com o objetivo de facilitar a interlocução com os diversos mercados consumidores.

A estimativa inicial é que o polo produza cerca de 1 milhão de unidades de máscaras para abastecer a população de Pernambuco em pontos de venda físicos, como supermercados e farmácias, e também por meio de plataformas de e-commerce.

O Governo do Estado afirma que encomendou 200 mil unidades dos protetores faciais para abastecer os servidores públicos que continuam trabalhando em contato com o público.

Os recursos da linha de crédito deverão ser utilizados exclusivamente para a compra da matéria-prima necessária à confecção de itens para o combate e proteção à Covid-19.

Paulo Câmara destacou que serão cartas de crédito com empréstimos individuais de até R$ 50 mil, totalizando R$ 6 milhões e taxas de juros de 0,31% ao mês. Mais de 100 empresas devem ser beneficiadas.

“Nosso polo de confecções mais uma vez vai dar uma importante contribuição, desta vez na luta contra a COVID-19” –disse o governador.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Notícias Anteriores


 

error: Copiando nosso texto?