31
outubro

Vereador detalha momentos de terror após ser vítima de assalto em Toritama


Criminoso ameaçou atirar, caso a filha do parlamentar chorasse

.

Foto: Evandro Lins.

O vereador toritamense, Deoclecio Raimundo (Dió do São João), do PTC, detalhou nesta terça-feira (31) os momentos de terror que passou no último domingo (29), quando foi vítima de um assalto. Ele falou sobre o ocorrido com nosso correspondente, durante entrevista na Rádio Toritama FM.

De acordo com o parlamentar, o criminoso lhe abordou de surpresa quando o mesmo estava parado com sua motocicleta. Dió afirmou que estaria no bairro Deus é Fiel para visitar sua filha de 10 anos de idade.

“Eu só escutei o ‘estalo’, quando ele chegou já engatilhando a pistola. Ele não disse nem que era um assalto, só disse que se eu me mexesse ele atiraria e encostou a arma na minha cabeça por trás. Foi ai que percebi que era um assalto e tentei tranquilizá-lo, dizendo que iria entregar tudo que ele quisesse” – confessou.

Momento mais difícil

O vereador afirmou que sua filha ficou nervosa ao perceber a situação, em seguida, o elemento ameaçou atirar, caso a menina chorasse. Ao final da ação criminosa, o vereador foi obrigado a deitar no chão, momento em que achou que poderia morrer.

“A minha filha ficou muito nervosa, querendo chorar, daí ele disse, se ela chorar eu atiro em você, ou seja, se chamasse a atenção. Então eu falei para ela, não chore minha filha, fique calada que não vai acontecer nada. Ele xingava bastante, pegou meu relógio, carteira e celular e o tempo todo ameaçava atirar. Mandou que eu descesse e colocasse a moto no tripé para ele pegar. Foi então que ele pediu que a gente deitasse no chão. Eu confesso a você, ali eu pensei que ele fosse atirar” – afirmou.

Ainda durante a entrevista, o vereador se mostrou indignado após a ação, por não conseguir nenhum suporte das policias civil e militar no município. De acordo com ele, o mesmo procurou o batalhão do BEPI, que fica situado no mesmo bairro, onde teria recebido a resposta de que não havia viaturas no batalhão naquele momento. Com a negativa, Dió procurou o Posto da Policia Militar que também teria dito não dispor de policiais para realizar uma diligência.

Por último, o vereador foi até a delegacia, onde encontrou o local fechado, já que o município não conta com delegado de plantão nos finais de semana.

.

Com informações de Evandro Lins, correspondente do blog em Toritama

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Notícias Anteriores