O Blog do Ney Lima recebeu, nesta quarta-feira (16), nota da assessoria jurídica do prefeito Edson Vieira sobre a reportagem publica neste mesmo dia, relacionada ao processo de cassação de diploma de Edson Vieira, Dida de Nan e Joab do Oscarzão. Segue a nota na íntegra:

 

 

“Com relação a matéria veiculada, reiteramos a nossa confiança no resultado final deste processo, pois em momento algum se comprovou qualquer ato ilícito por parte dos integrantes da coligação. Pelo contrário, nos autos, fica evidenciado que as testemunhas da parte da acusação não relataram em momento algum qualquer fato que viesse direta ou indiretamente apontar compra de votos, ou qualquer tipo de favorecimento. Ainda reiteramos que as referidas testemunhas relataram que o vereador Ernesto Maia, notório opositor e integrante da ala partidária derrotada nas urnas, viabilizou transporte, advogado e apoio logístico para este processo.

 

Também constam nos depoimentos que algumas testemunhas de acusação afirmaram não ter havido nenhum tipo de ação que pudesse se remeter a promessa de vantagens ou compra de votos, conforme trecho da matéria “DE ACORDO COM A DEFESA, NOS DEPOIMENTOS, TODAS AS TESTEMUNHAS AFIRMARAM QUE NÃO RECEBERAM E NEM CONHECEM NINGUÉM QUE TENHA RECEBIDO TERRENO E QUE “NÃO VIRAM NENHUM DOS RÉUS PROMETEREM DOAR TERRENOS, TAMPOUCO COM O FIM DE OBTER O VOTO”.

 

Reafirmamos que nosso compromisso é sempre focado em buscar os avanços que a cidade necessita, tanto é que nossos candidatos conseguiram através da legítima vontade popular a sua vitória. Portanto, Edson Vieira, Dida de Nan e o vereador Joabh estão confiantes de que a justiça será realizada em um momento próximo, e aqueles que ainda não se conformaram com o resultado nas urnas, vão ter que aceitar a decisão da Justiça Eleitoral”

 

 

Assessoria Jurídica de Edson Vieira

 

 

MPE entende que as provas são suficientes para a condenação

 

 

A justiça deve decidir nos próximos dias se condena ou não o prefeito Edson Vieira (PSDB), o vice Dida de Nan (PSB) e o vereador Joab do Oscarzão (PSD) a cassação de diploma e consequente perda dos mandatos de prefeito, vice-prefeito e vereador, respectivamente, em Santa Cruz do Capibaribe.

O Blog do Ney Lima teve acesso ao conteúdo do processo que tramita na justiça desde dezembro de 2016. A denúncia do Ministério Público Eleitoral aponta que, em 24 de setembro de 2016 (uma semana antes da eleição), os três candidatos estiveram presentes em um evento organizado pelo Movimento dos Trabalhadores sem Teto (MTST), na casa de recepções Glamour.

Conforme a denúncia, o público havia sido convocado expressamente para tratar de questões relativas a casas a serem construídas em terreno disponibilizado pela prefeitura.

Nas audiências durante o processo, testemunhas afirmaram que, ao chegarem ao local, observaram que apesar do evento ocorrer ambiente fechado e particular, o ato configurava como uma atividade de campanha. As testemunhas sustentaram que os candidatos estiveram presentes com equipe de militância, tendo inclusive discursado.

 

Discursos podem confirmar tentativa de obtenção de votos mediante promessa por casas populares, aponta MPE

 

O processo que pede a cassação do prefeito Edson Vieira, do vice Dida de Nan e do vereador Joab, reúne fotos e vídeos que confirmam a presença dos candidatos no evento. De acordo com o que aponta o Ministério Público Eleitoral (MPE), o conjunto das falas revelaria claramente a intenção de obtenção de votos mediante a promessa de conquista de casas populares em áreas públicas. Confira trechos de falas presentes na denúncia:

 

“[…] Então, esse é o conjunto (inaudível) então o compromisso que agora foi 400, a gente pode fazer mais 500, mais 1.000 casas, aqui para o povo de Santa Cruz do Capibaribe, (inaudível) trabalhador. Obrigado a todos vocês, contem comigo, podem ter certeza, vocês confiem no reverendo, vocês confiem em Joab, confiem em Vanessa, confiem na gente. Tenham certeza, contem comigo eu conto com vocês, como Joab disse, o número dele é 55456, e o meu é 45, Edson Vieira (inaudível), obrigado, obrigado a cada um”, disse Edson Vieira durante o discurso no evento, conforme as gravações.

“[…] e quero dizer agora, que pode contar com o prefeito Edson Vieira, que nós vamos, se Deus quiser, no próximo mandato, a gente vai aumentar essa luta aqui (inaudível), que a gente consiga áreas públicas, que a gente consiga aqui, que eu tenho certeza, que eu, o reverendo, Joab apresentando um projeto ao Ministro Bruno Araújo, ele não vai nos faltar, ele não vai negar a nós, porque ele já se comprometeu comigo, e quero que ele se comprometa com o movimento, com o reverendo, com Joab, com o povo valente. […]”, conforme as gravações.

O reverendo citado, é o Marcos Cosmo, líder nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), aliado do vereador Joab.

 

Evento ocorreu uma semana antes da eleição

 

Nas alegações finais, o Ministério Público afirma que durante os depoimentos prestados a justiça, todas as testemunhas confirmaram que o evento no Glamour Recepções foi organizado com a convocação de pessoas que estavam previamente inscritas junto ao MTST para obtenção de moradias populares.

Conforme o conteúdo dos depoimentos de testemunhas, durante o evento as pessoas receberam informações sobre o processo de recebimento de casas com requisitos para o contrato da Caixa Econômica Federal. Além disso, os organizadores justificaram que iriam tratar também sobre “a importância das eleições”, denotando os assuntos para as questões políticas, com grande destaque para a chegada dos candidatos a prefeito e a vice-prefeito.

Em suas alegações finais, o Ministério Público pede a aplicação de multa e a cassação dos diplomas “tendo em vista a ocorrência de captação ilícita de votos”, conforme o teor.

 

“Resta, portanto, devidamente provados os fatos e caracterizados como graves o suficiente para ensejar a aplicação de sansão de cassação de diplomas que lhe foram conferidos, posto que obtidos mediante a utilização de práticas políticas que desvirtuaram o processo eleitoral. Registre-se ainda, que a eleição disputada resultou em pleito decidido de forma bastante próxima, com diferença de votos de pouco mais que 2% entre o primeiro e o segundo colocado, o que reforça a gravidade da conduta que ora se pôde aferir”, afirma o promotor de justiça Fabiano de Melo Pessoa no processo.

O que diz a defesa

 

Nas alegações finais, a defesa de Edson Viera, Dida de Nan e Joab do Oscarzão sustentam que o evento no Glamour Recepção não foi organizado ou patrocinado pelos candidatos e que as próprias testemunhas apontadas pelo Ministério Público admitem terem sido convidadas pelo pessoal do MTST.

De acordo com a defesa, nos depoimentos, todas as testemunhas afirmaram que não receberam e nem conhecem ninguém que tenha recebido terreno e que “não viram nenhum dos réus prometerem doar terrenos, tampouco com o fim de obter o voto”, diz a defesa.

 

Testemunhas teriam sido instruídas por adversários, afirma defesa

 

No processo, a defesa de Edson, Dida e Joab afirmam que as testemunhas indicadas pelo Ministério Público receberam instruções de adversários políticos derrotados na eleição de 2016.

“Denota tal fato, o relato da informante Cíntia Juliana Cavalcanti que informou ter sido orientada por advogado ligado aos adversários de Edson de Souza Vieira a procurar o Ministério Público Eleitoral para formular a denúncia. No mesmo sentido, a testemunha José Gleydson Agostinho da Silva afirmou que foi orientado pelo vereador Ernesto, ferrenho adversário político do Sr. Edson de Souza Vieira, a procurar o MPE para apresentar a denúncia, tendo o referido vereador, disponibilizado veículo e advogado à testemunha”, relata a defesa de Edson Vieira no processo.

 

A defesa procurou justificar também que a Lei Municipal aprovada em 2015, que autorizou a sessão de uso de terreno público para edificação de casas populares, não autoriza a doação de terrenos a qualquer cidadão, “cabendo a Associação de Apoio aos Sem Teto do Estado de Pernambuco divulgar/orientar seus filiados acerca dos procedimentos para outorga de sessão”.

“No caso ora analisado, não se tem qualquer notícia de que os réus, pessoalmente ou por pessoa interposta, tenha doado, oferecido, ou entregado a eleitor, com o fim de obter-lhe o voto, bem ou vantagem pessoal de qualquer natureza, devendo, portanto, ser julgada improcedente a pretensão autoral”, finaliza o texto do advogado Raphael Parente Oliveira, que responde pela defesa de Edson Vieira, Dida de Nan e Joab do Oscarzão.

 

 

 

O ex-vice-prefeito de Santa Cruz do Capibaribe, Dimas Dantas (PP), assumiu recentemente um cargo no LAFEPE (Laboratório Farmacêutico de Pernambuco). O órgão é controlado pelo Governo do Estado de Pernambuco e atualmente é presidido por Flávio Gouveia, nomeado por indicação do deputado federal Eduardo da Fonte (PP).

O ex-vice-prefeito foi nomeado para o cargo em julho deste ano e até então não deu nenhuma declaração pública sobre tal atividade, nem fez qualquer anúncio sobre sua indicação para o cargo.

Na noite desta quinta-feira (10) o Blog do Ney Lima questionou o ex-prefeito sobre sua função no LAFEPE. Dimas admitiu ter sido contratado pelo órgão, mas não soube relatar o valor do salário, afirmando que informaria os números nesta sexta-feira (11).

Posteriormente ao contato, o Blog do Ney Lima teve acesso a primeira folha de pagamento de Dimas Dantas no LAFEPE. No primeiro mês de trabalho o salário somando as gratificações acumula o valor de R$ 5.261,18 em valor bruto.

Questionado sobre a função para a qual foi contratado, Dimas afirmou que ocupa o cargo de coordenador de suprimentos e explicou que a função que comanda atua na contratação da aquisição de produtos para a fábrica de medicamentos.

O ex-vice-prefeito disse que posteriormente dará maiores esclarecimentos sobre suas atividades no órgão.

Dimas Dantas é advogado. Foi vereador em Santa Cruz do Capibaribe por quatro mandatos, sendo eleito em 2012 para o cargo de vice-prefeito, na chapa com Edson Vieira (PSDB). No segundo ano do governo Dimas anunciou o rompimento com o prefeito. Foi candidato a deputado estadual em 2014, não obtendo êxito. Nos últimos anos manteve-se aliado do deputado federal Eduardo da Fonte, sendo seu representante em cidades do Agreste.

 

 

Na manhã deste domingo (30), o vereador de Santa Cruz do Capibaribe, Júnior Gomes (PSB), publicou em sua página pessoal no Facebook uma pequena nota em que solicita postagem neste Blog. A publicação se deu minutos após a divulgação de artigo editorial em que o parlamentar foi citado. Segue publicação conforme solicitado:

 

 

EDITORIAL

 

Em uma sociedade decente, muitos poderiam encarar como sendo ridícula a decisão de parlamentares criarem um subsídio para a própria alimentação, não obstante o já recebimento de remuneração salarial superior a oito salários mínimos.

Em uma sociedade decente, a maioria poderia questionar ao compreender que o tal novo subsídio já se soma a outros existentes, como o auxílio combustível, os salários de assessores e eventuais diárias.

Em uma sociedade decente, muitos refletiriam um pouco melhor quando soubessem que o subsídio de alimentação para vereadores existe em outros municípios, mas custa R$ 350,00 em Caruaru – que possui mais do que o dobro dos habitantes da Santa Cruz do Capibaribe, onde o auxílio foi aprovado no valor de R$ 1.200,00.

Em uma sociedade decente, alguém poderia protestar no momento em que entende que o auxílio alimentação tenta compensar uma recente tentativa de aumento salarial dos parlamentares que foi barrada pela Justiça.

Em uma sociedade decente, quase todos ficariam estarrecidos ao ver na rede social de um vereador, em resposta à atitude de um cidadão que idealizou um protesto, termos como: “PANTIM DE CORNO” e “HOMI VAI CUIDAR DA TUA VIDA PAPANGÚ..”.

Em uma sociedade decente, os líderes do grupo político desse parlamentar cobrariam urgentemente uma retratação pública ou anunciariam o rompimento do parlamentar dos seus quadros, sob pena de comungarem com o mesmo posicionamento ridículo.

Em uma sociedade decente, políticos como Júnior Gomes estariam banidos da política.

 

Por Ney Lima

www.blogdoneylima.com.br

 

 

 

 

 

 

EXCLUSIVO

 

Um dos processos que pedem a cassação de diploma do prefeito de Santa Cruz do Capibaribe, Edson Vieira (PSDB), teve a tramitação suspensa no início deste mês por decisão monocrática da desembargadora Fernanda Caldas Menezes de Moraes, do Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco (TRE-PE).

O pedido de suspensão foi feito pela defesa do prefeito Edson Vieira, tendo sido motivado pelo fato de que, em uma audiência ocorrida em 12 de junho deste ano, os réus foram ouvidos sem que todas as testemunhas tivessem sido interrogadas, alegando que essa ordem poderia prejudicar a sua defesa.

Os advogados pedem ainda que os depoimentos dos acusados, prestados em 12 de junho, sejam anulados do processo.

Na decisão liminar, a desembargadora mandou suspender a realização de uma audiência que ocorreria em 12 de julho para ouvida de testemunhas. Fernanda Caldas pediu que o juiz Flávio Krok Franco, que está julgando a ação, preste informações sobre o processo.

De acordo com a decisão, uma nova audiência só deverá ser marcada após julgamento do mérito, quando será decidido pelo Tribunal Regional Eleitoral se os depoimentos já prestados pelos acusados serão anulados do processo.

Edson Vieira e o vice-prefeito Dida de Nan (PSB) respondem a duas ações eleitorais com pedido de cassação de diploma. De acordo com informações apuradas pelo Blog, o segundo processo segue com a ouvida de testemunhas e envolve também o vereador eleito Joab do Oscarzão.

Neste segundo processo, são investigadas supostas promessas de doação de terrenos em troca de votos.

 

Relembre a denúncia sobre abuso de poder econômico

O Ministério Público de Pernambuco acusa o prefeito Edson Vieira de abuso de poder político e econômico. Os fatos envolvem atos que teriam ocorrido durante o São João Moda 2016, na celebração de um convênio com a empresa Viana & Moura para eletrificação de vias públicas e durante a realização de uma corrida de motocross, realizada durante o período eleitoral.

De acordo com o MP, Edson Vieira teria se aproveitado dos eventos para enaltecer seu nome e até mesmo o número de campanha, especialmente durante a corrida, onde os dois principais competidores utilizaram o número “45”, sendo instantemente repetido pelos locutores a frase “o 45 está na frente”.

De acordo com o depoimento de testemunhas, entre elas o ex-vereador Aguinaldo Xavier (que é cunhado do prefeito), tanto Edson como Dida estavam presentes no evento.

Outros supostos fatos apontados pelo Ministério Público indicam que servidores municipais teriam sido “obrigados” a participarem movimentos eleitorais em favor do candidato Edson Vieira, inclusive dentro do horário de expediente, citando uma passeata ocorrida após uma das entrevistas realizadas pela rádio Polo FM.

A denúncia apresenta áudios de grupos de WhatsApp que tiveram a autenticidade confirmada pelos próprios autores durante os depoimentos, embora eles tenham negado a finalidade apontada na denúncia.

O que diz a defesa de Edson Vieira

No processo, a defesa do prefeito afirma que, na denúncia, o Ministério Público “faz meras suposições e, apesar citar áudios e vídeos, não consegue mostrar através das mínimas provas a existência de abuso de poder, já que tais provas estão parcas, indisponíveis ou inexistentes”, diz a defesa.

A defesa aponta também que testemunhas apresentadas pelo Ministério Público, citando como exemplo o presidente do Sindicato dos Servidores Públicos, Luiz Carlos, trabalhariam para o candidato adversário a época, Fernando Aragão (PTB).

Sobre as denúncias de propaganda irregular (que supostamente aconteceu em uma corrida de motocross), a defesa argumenta que o evento não contou com o patrocínio da prefeitura e que a “pista de moto” não é municipal, como teria sido argumentado por testemunhas.

Os advogados apresentaram imagens de corredores usando também o número “14”, o mesmo do candidato adversário Fernando Aragão (PTB).

 

 

A vereadora Jéssyca Cavalcanti (PTC) e o síndico do Moda Center, Allan Carneiro, protagonizaram uma discursão em publicações nas redes sociais, quando comentavam sobre a operação tapa buracos na PE-160.

Tudo começou quando o síndico do Moda Center agradeceu as pessoas que repercutiram uma de suas postagens no Facebook, cobrando providências para a rodovia que dá acesso ao parque, dando a entender que a operação, iniciada nesta terça-feira (25), teria sido resultado das cobranças.

 

“Agradeço aos que compartilharam a postagem de ontem, a conversa chegou no palácio, serviço sendo reiniciado, muita calma nessa hora, o que vai resolver é a obra, já pagamos por ela, agora queremos pronta, menos mímimi e desculpas”, afirmou Allan.

 

Na mesma publicação a vereadora Jéssyca Cavalcanti comentou que a operação tapa buracos foi originalizada a partir de uma solicitação do prefeito Edson Vieira (PSDB), conforme foi noticiado na segunda-feira (24) no Programa Patrulha do Agreste.

“Na realidade Alan o que chegou ao Palácio foi a solicitação do nosso Prefeito que inclusive no programa de rádio informou ao povo que hoje na terça-feira estaria sendo feito o tapa buracos. Na realidade conversas em Facebook não resolvem absolutamente nada”, comentou a vereadora.

 

O síndico do Moda Center rebateu o comentário: “Não se preocupe com conversas de Facebook vereadora, se não resolve não ligue com elas, pelo menos para o cidadão comum o que não resolve são ofícios, mandamos inúmeros, se a solicitação foi feita por parte do prefeito, parabéns pra ele, o que as pessoas e eu não podemos é nos calar perante uma situação como essa.”

 

Em grupos de Whatsapp a vereadora Jéssyca chegou a taxar o síndico do Moda Center como “superoportunista”, afirmando que “todo cidadão tem o direito de expor nas redes sociais o que pensa, críticas ou elogios, é diferente de quando você quer pegar carona na resolução”.

Mais tarde Allan Carneiro publicou uma nota onde sustentou as críticas e afirmou estar sofrendo retaliações de perfis falsos no Facebook.

 

A Resolução de 2012 teria atos improcedentes e salários dos parlamentares podem cair de R$ 8 mil para R$ 6 mil, caso o pedido seja acatado pela justiça

 

 

EXCLUSIVO

 

Os vereadores de Santa Cruz do Capibaribe podem ter seus salários reduzidos de R$ 8 mil para R$ 6 mil, caso o juiz Moacir Ribeiro da Silva Júnior, da Vara da Fazenda Pública, atenda ao que pede uma ação civil pública, protocolada nesta quinta-feira (20) no fórum da cidade.

A ação é de autoria do advogado André Tadeu da Mota Florêncio, que recentemente conseguiu através de outras duas ações populares, anular aumentos de salários de veadores, secretários de governo, do prefeito e vice-prefeito da cidade. Na ação anterior, a justiça impediu um aumento salarial de R$ 8 mil para R$ 9,8 mil reais dos parlamentares.

A nova ação popular tem como base uma resolução aprovada pelos vereadores no ano de 2012. De acordo com André Tadeu, os parlamentares a época, não atenderam aos dispositivos da Lei de Responsabilidades Fiscal e aprovaram o aumento fora do tempo permitido por lei. O argumento é o mesmo utilizado para conter o aumento aprovado em 2016, que fundamentaria os salários da legislatura atual, sendo impedido pela justiça.

Em contato com o Blog, o advogado sustentou ter convicção de que a justiça atenderá ao pedido da nova ação popular que pede a redução dos salários, por ter os mesmos fundamentos da ação que impediu o aumento.

André confirmou que seu novo procedimento foi motivado também pelo ato “imoral dos vereadores” que encontraram uma forma de “compensar” a anulação do aumento de salário recentemente impedido pela justiça.

Câmara tem 72 horas para apresentar defesa

Ao receber a ação popular, o juiz Moacir Ribeiro da Silva Júnior concedeu a Câmara de Vereadores de Santa Cruz do Capibaribe um prazo de 72 horas para se pronunciar sobre o pedido de urgência.

O Blog tentou contato por celular com o presidente da Câmara, Zé Minhoca, mas não obteve êxito.

 

 

O empresário Valmir Ribeiro afirmou, nesta terça-feira (18), em uma rede social que pretende levar alimentos não perecíveis para os vereadores na próxima sessão da Câmara, em protesto contra a aprovação do auxílio alimentação no valor de R$ 1.200,00 para parlamentes e servidores da Casa de Lei. Questionado pelo Blog o empresário sustentou a ideia.

“Vamos nos mobilizar para que esse auxílio seja revogado. Isso é um absurdo todos sabem que é uma forma de aumento dos salários ou ganhos dos vereadores. O que se tem de retorno do que é pago com relação às ações que condizem como o cargo de vereador? O pior é que muitos justificam essa despesa como ações sociais”, afirmou Valmir ao Blog.

 

ENTENDA: O benefício do auxílio alimentação foi aprovado por unanimidade em duas votações, em 23 de maio deste ano, sem que nenhum vereador ampliasse a discussão sobre o tema no plenário.

O benefício poderá se estender também aos servidores da Casa, com o valor máximo de R$ 1.200,00. No diário oficial, o aviso de licitação para contratação da empresa que vai operar o benefício prevê uma despesa de até R$ 381 mil durante o contrato.

O assunto tem causado polêmica na cidade, sendo visto como uma espécie de compensação pelo não aumento de salário dos vereadores, barrado recentemente pela Justiça através de medida liminar.

Neste mês de julho a Câmara de Vereadores está em recesso para as sessões ordinárias, devendo voltar aos trabalhos na primeira semana do mês de agosto.

 

 

O vereador Klémerson Pipoca (PSDB) está sendo investigado pelo Ministério Público de Pernambuco e deverá ser denunciado à justiça nos próximos dias. Esta semana, o promotor Fabiano de Melo Pessoa publicou uma portaria no Diário Oficial, onde converte um procedimento preparatório em inquérito civil para aprofundar diligências e apurar responsabilidades.

De acordo com a publicação, a investigação diz respeito a uma “suposta apropriação ilegal de grande parte do salário da assessora parlamentar Mayane Alves da Silva pelo vereador Klemerson Ferreira, vulgo Pipoca”, conforme diz o teor.

Em novembro de 2016, Klemerson Pipoca foi denunciado pelo vereador Ernesto Maia (PT) na tribuna da Câmara. O oposicionista narrou que o esquema funcionava quando ao receber o cheque no valor de quase R$ 2 mil a assessora ficaria com apenas R$ 200,00, dando o restante ao vereador Pipoca. Uma gravação foi apresentada onde a assessora, sem saber que estava sendo gravada, confessava o repasse. A época dos fatos o vereador Pipoca negou todas as acusações.

 

Confira a gravação:

 

Está em vigor a lei que concede o auxílio alimentação a vereadores em Santa Cruz do Capibaribe. A informação foi divulgada nesta segunda-feira (11) pelo Blog Sulanca News. O benefício foi aprovado por unanimidade em duas votações, em 23 de maio deste ano, sem que nenhum vereador ampliasse a discussão sobre o tema no plenário.

O benefício poderá se estender também aos servidores da Casa, com o valor máximo de R$ 1.200,00. No diário oficial, o aviso de licitação para contratação da empresa que vai operar o benefício prevê uma despesa de até R$ 381 mil durante o contrato.

O assunto tem causado polêmica na cidade, sendo visto como uma espécie de compensação pelo não aumento de salário dos vereadores, barrado recentemente pela Justiça através de medida liminar.

Procurada pelo Blog, a assessoria de imprensa da Câmara afirmou que o presidente Zé Minhoca estava em viagem, sem condições de se pronunciar.

A Barragem de Machados apresenta um volume significativo de água. As imagens foram captadas pelo Blog do Ney Lima, na tarde deste sábado (01), após intensas chuvas na região. O manancial é situado na zona rural de Brejo da Madre de Deus, sendo um dos principais reservatórios dentre os que abastecem Santa Cruz do Capibaribe e o distrito de São Domingos.

Machados tem capacidade para armazenar 5,8 milhões de litros de água. A Compesa ainda não divulgou dados sobre o volume atual de água no manancial, embora a população local comemore o acréscimo visível, considerando que nos últimos anos a Barragem de Machados enfrenta a escarces total.

 

 

 

.

 

 

Foto: Divulgação

Um detalhe tem chamado atenção nos festejos juninos de Santa Cruz do Capibaribe. Trata-se da área de Front Stage, que tem sido costumeiramente destinada para acomodar agentes públicos, correligionários e familiares de políticos ligados ao prefeito Edson Vieira (PSDB), enquanto a população se espreme um pouco mais atrás, após a separação por grades.

O espaço fica em frente ao palco principal do São João da Moda e, na prática, vem sendo utilizado com critérios desconhecidos nos últimos anos. Um signatário do Blog conversou com algumas pessoas que ocuparam o local e estas confirmaram que não há cobrança pela entrada.

O Front Stage não está incluído nos espaços planejados para captar recursos complementares para o São João, a exemplo do que acontece com os espaços destinados a camarotes. A área frontal dispõe de maior segurança, espaço cômodo e visão privilegiada do evento. Até mesmo mesas com bebidas vêm sendo consumidas no local.

Questionada pelo Blog, a assessoria da prefeitura informou que “a área frontal do palco é direcionada para serviços como fotografia e cinegrafia, bem como o espaço é aproveitado para alocar convidados dos artistas que se apresentam no São João da Moda”.

No entanto, as imagens do local demonstram claramente que o espaço se tornou uma área “Vip” para personalidades locais.

EXCLUSIVO

 

Fotos: Ney Lima (Drone)

A Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe já acumula mais de R$ 230 mil em multas por ter transformado em lixão um aterro sanitário. A informação foi revelada ao Blog do Ney Lima pela assessoria de impressa da Agência Estadual de Meio Ambiente. As imagens aéreas registradas pelo Blog retratam o descaso e o acúmulo indevido de lixo no local. De acordo com a CPRH, o aterro sanitário de Santa Cruz do Capibaribe não está regularizado.

“O mesmo funciona sem a licença de operações da CPRH e nos últimos anos a CPRH atuou o município quatro vezes, entre 2011 e 2016, por falta de cuidados na gestão de resíduos do município”, informou a assessoria de imprensa da CPRH em nota ao Blog.

 

.

Com lixão, sem dinheiro

 

Ainda de acordo com a CPRH, nos últimos anos o município de Santa Cruz do Capibaribe deixou de receber as parcelas do Imposto sobre Circulação de Mercadorias (ICMS) Socioambiental, que teria direito em caso de destinação adequada do lixo.

A parcela do ICMS recolhido pelo Estado destinada por lei aos municípios é de 25%. Desse valor, 2% são rateados entre os municípios que destinam seu lixo a aterros sanitários licenciados pela CPRH e 1% aos que possuem unidades de conservação.

.

Aterro sanitário completaria dez anos de existência nesta quinta-feira

 

O aterro sanitário de Santa Cruz do Capibaribe foi inaugurado em 22 de junho de 2007. A unidade foi implantada numa área de 21,5 hectares, no acesso da PE-160 para a Vila Cacimba de Baixo, distante seis quilômetros do Centro do município. O local, projetado para evitar a contaminação do solo e de rios, custou R$ 800 mil, sendo R$ 500 mil dos cofres federais e R$ 300 mil oriundos da prefeitura.

O aterro possuía três células que podem comportar mais de um milhão de toneladas de resíduos. A unidade conta com um sistema de drenagem pluvial para evitar que o chorume (líquido resultante da decomposição do lixo orgânico) contamine mananciais de água.

Prefeitura não se pronuncia

Por e-mail, o Blog do Ney Lima questionou a Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe sobre a situação atual do aterro sanitário. Entre outros pontos, perguntamos de que forma o governo pretende resolver o problema. Nenhuma resposta foi enviada.

Síndrome da perseguição?

 

Em seu programa diário na Rádio São Domingos FM, o ex-deputado José Augusto Maia novamente pontuou sua indignação contra o deputado estadual Diogo Moraes (PSB) e o prefeito de Santa Cruz, Edson Vieira (PSDB).

Só que desta vez o assunto ficou distante das esferas administrativas e políticas. José Augusto atribuiu aos dois adversários a responsabilidade por sua exclusão do grupo musical Filhos da Santa, que lançou recentemente um novo CD sem a participação do político. O desabafo foi feito no programa da última quarta-feira (14), após a veiculação de uma música gravada em edições passadas.

O ex-deputado ainda frisou que a tal perseguição se assemelha a supostos atos cometidos pelos adversários contra realizações como a usina asfáltica, entre outros.

 

 

José Carlos assunção nega interferência política e afirma: ”O que ele gosta é de ser o penoso”

 

Foto: Arquivo de edição anterior

 

Procurado pelo Blog para comentar as declarações de José Augusto Maia, o músico José Carlos Assunção, responsável pelo projeto musical Filhos da Santa, negou que houvesse qualquer interferência política no desligamento do ex-deputado.

José Carlos explicou que José Augusto vinha alegando falta de condições financeiras e o lançamento do novo trabalho foi adiado por dois anos. Além disso, a participação do ex-deputado vinha causando desconforto em integrantes do grupo já que, segundo eles, o político usava o grupo com o principal intuito de aparecer.

“No final eu mesmo decidi pela saída dele, embora que muitos já falavam que ele usava sua participação para aparecer (…). No momento em que mais precisamos não pudemos contar com ele”, explicou José Carlos detalhando sobre as necessidades financeiras para o projeto.

Ainda quanto às afirmações de José Augusto sobre uma suposta interferência política, José Carlos desabafou: ”O que ele gosta é de ser o “penoso”, ele gosta que as pessoas tenham dó dele. Ele adora ver o povo sofrer por ele”.

Fotos: Fernando Lagosta

O condutor de uma moto morreu e o passageiro ficou gravemente ferido após se chocarem contra um ônibus que passava pela BR-104, na noite deste sábado (17). O acidente aconteceu no trecho próximo ao sítio Varginha, entre o distrito de Pão de Açúcar e o trevão de Taquaritinga do Norte.

Nossa equipe de reportagem esteve no local e obteve informações de testemunhas que antes do acidente os dois homens estariam em um bar, que fica as margens da rodovia e costumeiramente realiza festas.

De acordo com as testemunhas, eles saíram do bar e entraram bruscamente na rodovia no momento em que foram atingidos pelo ônibus. Há relatos que o condutor da moto estaria embriagado.

Com a chegada da Polícia Rodoviária Federal a vítima fatal foi identificada como sendo José Anchieta de Moura. Ele tinha 28 anos de idade.

A segunda vítima foi Lázaro Soares de Moura, que foi socorrido com vida para a UPA de Santa Cruz do Capibaribe.

O ônibus envolvido no acidente tinha saído da cidade de Aracajú (SE) e seguia com destino a Natal (RN). Nenhum dos ocupantes do ônibus ficou ferido.

“Sobre a matéria publicada no Blog do Ney Lima intitulada “Bastidores: O Ministro da Teoria”

Fiquei um tanto quanto surpreso ao saber que estava sendo rotulado como “Ministro da Teoria”.

Porém, o que alguns chamam de “teorias” prefiro chamar de “ideias” e, portanto, ser conhecido como um homem de ideias.

Aliás, na política as ideias são importantes porque resultam em práticas inovadoras para o desenvolvimento da sociedade, e consequentemente a ausência delas empobrece a política e a torna em um simples jogo de interesses e paixões.

Portanto, prefiro fazer política com as reflexões que possam contribuir com o bom debate político para melhorar a vida das pessoas.

No mais, não entrarei nesse debate que rotula as pessoas por entender que ele apequena as discussões importantes.”

Por Luciano Bezerra

 

O ex- vereador Luciano Bezerra (REDE) que outrora foi rotulado de “Primeiro Ministro do governo” por políticos da oposição, agora ganhou um novo apelido: “Ministro da Teoria”. A diferença é que a nova nomenclatura está sendo dedicada por políticos também do grupo de situação em Santa Cruz do Capibaribe.

Comenta-se que na época em que estava no governo Luciano teria idealizado uma série de “teorias” que iam desde modelos organizacionais da máquina pública a até conjunturas que não tiveram o resultado previsto.

Atualmente ausente do governo e misteriosamente distante do prefeito Edson Vieira (PSDB), Luciano já é visto sem temor. Uma possibilidade de rompimento parece não assustar e, mantida na base do governo, a Rede não aparenta ser ameaça. Assim o “ex-primeiro ministro” passou a ser lembrado apenas pelas teorias do passado e pelas novas teorias do presente.

 

 

A prefeitura de Toritama divulgou nesta semana um convite para “solenidade de ordem de serviço para a construção do muro da creche municipal”. O convite foi destinado a autoridades, imprensa e a todos os toritamenses.

Na comunicação o governo ainda tratou como “histórica realização de governo municipal”.

Entenda..

O muro a que a Prefeitura se refere vai cercar uma creche que teve a construção iniciada em 2009, na gestão a época do prefeito Flávio Lima. A obra teve várias paralisações e deverá ser concluída durante o governo do atual prefeito Edilson Tavares. Daí a exaltação para assinatura da ordem de serviço do “muro”.

O ato (e o excesso de marketing) está marcado para as 9 horas da manhã desta quinta-feira (08), no local onde será edificado o tal muro.

.

Hildo Teixeira é o novo profissional a fazer parte do quadro de debatores políticos da Rádio Polo FM. O radialista estará estreando na próxima quinta-feira (01/06) substituindo o editor deste Blog, Ney Lima, que se despede do programa após quatro anos de atuação.

Hildo dispõe de profundo conhecimento da política local, estadual e nacional. A nova contratação vai acirrar ainda mais o debate político na emissora, enriquecendo principalmente as informações dos bastidores do poder.

Empresa afirma que apenas mudou de endereço e ainda não comunicou a JUCEPE

Secretário de saúde sustenta que contrato foi regular

 

Vereadores da bancada de oposição em Santa Cruz do Capibaribe estão denunciando a prefeitura da cidade por ter realizado contrato e feito pagamentos a uma empresa que supostamente estaria registrada em um endereço de fachada. Além disso, os vereadores argumentam que projetos de arquitetura contratados por valores superiores a R$ 219 mil, entre 2016 e 2017, poderiam ser disponibilizados gratuitamente pelo Ministério da Saúde.

O objetivo dos contratos seria a encomenda de projetos para construção de Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) e Unidades Básicas de Saúde (UBS).

As denúncias foram feitas inicialmente pelo vereador Marlos da Cohab (PTN) na tribuna da Câmara, na tarde desta quinta-feira (25), onde a contratação do projeto foi questionada.

Nesta sexta-feira (26), Marlos ,Ernesto Maia (PT) e Carlinhos da Cohab (PTB) seguiram para a cidade de Panelas – PE, onde procuraram na Av. Presidente Vargas, 09, endereço cadastrado no CNPJ da empresa, e  teriam descoberto que no local existe uma residência e que os moradores não sabem da existência no negócio no local. O suposto flagrante foi registrado em um vídeo.

Ao Blog do Ney Lima, o vereador Carlinhos da Cohab afirmou que na próxima segunda-feira (29) o grupo estará ingressando com pedido de investigação no Ministério Público de Pernambuco.

Empresa afirma que apenas mudou de endereço e ainda não comunicou a JUCEPE

Após a divulgação do vídeo feito pelos vereadores, o Blog do Ney Lima entrou em contato com a empresa Silva e Lima Engenharia Ltda – ME, que teve o funcionamento questionado pelos parlamentares.

Por telefone, o engenheiro Emerson José da Silva, sócio da empresa, afirmou que o endereço de funcionamento do estabelecimento mudou para a cidade de Caruaru há pouco tempo e que a alteração ainda não foi feita pelo contador na Junta Comercial de Pernambuco.

O Blog enviou outros questionamentos por e-mail, o empresário afirmou que estará respondendo nos próximos dias.

Secretário de saúde diz que contrato foi regular

O Blog do Ney Lima ouviu também o secretário de Saúde de Santa Cruz do Capibaribe, Breno Feitosa, que sustentou a regularidade do contrato firmado com a empresa Silva e Lima Engenharia Ltda – ME.

Sobre o argumento de que o Ministério da Saúde disponibilizaria os projetos de engenharia para construção das unidades gratuitamente, Breno disse que os projetos gratuitos são padrões e podem causar uma despensa maior durante a construção.

Breno procurou justificar que a prefeitura opta por encomendar os projetos de engenharia para que a construção seja adequada à área e a realidade do município e disse que os valores pagos pelos projetos tem origem federal, fazendo parte dos mesmos recursos que contemplam a obra.

Sobre o endereço de funcionamento da empresa, o secretário disse que a Prefeitura de Santa Cruz tem posse de toda a documentação regular da empresa contratada, incluindo o alvará de funcionamento.

 

Confira o vídeo divulgado pela Oposição:

 

Com informações do Blog de Jamildo

Em meio às especulações dos possíveis nomes para suceder o presidente Michel Temer (PMDB), caso ocorra uma eventual eleição indireta, o senador pernambucano Armando Monteiro (PTB) tem sido citado, nos bastidores, para fazer o “equilíbrio” no Congresso.

De acordo com o jornal Valor Econômico, a galeria de candidatos seria mais reduzida se a plataforma de campanha estivesse sujeito a Lava Jato e reformas. É o poder que o substituto de Temer terá na formatação de sucessão presidencial de 2018 que dificulta a formação de consensos.

O que se discute no Planalto é que “se a eleição fosse hoje” o candidato com mais chance de ser eleito seria o atual presidente da Câmara do Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Mas como a normatização da eleição indireta está em aberto, o Planalto aposta na demora para se votar uma lei complementar com as regras de elegibilidade.

Armando Monteiro tem reduto eleitoral no Agreste de Pernambuco, embora tenha se distanciado da região nos últimos anos.

 

Há tempos que a oposição em Santa Cruz do Capibaribe não exibe suas famosas novelas repletas de conspirações, alianças que se chocam e rompimentos (inclusive os familiares). No entanto, a calmaria parece que não vai se estender por muito tempo. O território muito previamente demarcado por Fernando Aragão para as eleições de 2020 já começa, também muito previamente, a ser desconstruído nos bastidores.

O Blog ouviu alguns atores políticos nos últimos meses. Questionados se a chapa Fernando e Cleiton seria mantida para uma próxima conjuntura municipal as repostas foram variadas, sendo: “sim”, “talvez”, “não sei dizer” e “muito provavelmente não” os termos mais utilizados. A resposta mais contundente saiu de um vereador que afirmou: “Será outra eleição. O candidato a prefeito será Fernando, mas o vice certamente não será Cleiton Barboza, já tem outros postulantes para o cargo”.

O fato é que com chances mais claras de chegar ao poder os ventos poderão soprar para rumos muito diferentes dos que foram traçados pós 2016.

 

Cadela desaparecida no Bairro Maria Vieira II,   Santa Cruz do Capibaribe. Informações ligar para 99194-7096 ou 993074515. O animal sofre de ataques epiléticos. Oferece-se gratificação.

 

 

Uma medida cautelar expedida pela conselheira Teresa Duere, do Tribunal de Contas do Estado, de forma monocrática, suspendeu um dos primeiros procedimentos de contratação que seria feito pelo CONIAPE (Consórcio Público Intermunicipal do Agreste Pernambucano e Fronteiras) na gestão de Edson Vieira (PSDB).

A conselheira entendeu que o ato Inexigibilidade n.º 001/2017, através do Chamamento Público n.º 001/2017, seria uma tentativa de “contratar serviços médicos por meio de terceirização”.

Através do edital, o CONIAPE pretendia credenciar empresas para prestação de “serviços especializados na área de saúde, sendo consultas médicas e plantões médicos, para atendimento da demanda dos Municípios integrantes do Consórcio”. A ideia seria contratar através de licitação médicos para realização de 9.630 consultas e 35 plantões mensais. No ano, o número de consultas poderia chegar a 115.560, enquanto o de plantões chegaria a 420, conforme o edital.

Ao justificar a medida cautelar, Teresa explicou que a terceirização somente se mostra admissível na administração pública quando se tratar de atividade meio.

“Não há qualquer dúvida que os serviços médicos objeto da pretensa contratação sejam definidos como atividades fim e de natureza essencial e que se enquadram na categoria de serviços sociais do Estado (lato sensu) não passível de delegação/terceirização”, sustentou a conselheira no texto da decisão.

Em entrevista ao Programa Rádio Debate, na manhã desta quarta-feira (03), a conselheira comentou de forma direta o assunto e mandou o recado: “O tribunal de contas tá de olho. Consórcio é um negócio bom, mas querem fazer uma coisa ruim. Não adianta porque o tribunal aceita, mas se for como deve ser. Consórcio é para ajudar município e não para se aproveitar dele. Essa é a grande verdade”.

O CONIAPE reúne 18 municípios. O prefeito de Santa Cruz do Capibaribe, Edson Vieira, foi eleito para a presidência do consórcio em 07 de fevereiro deste ano.

 

O que diz o CONIAPE

O Blog do Ney Lima conversou com a Secretária Executiva do CONIAPE, Priscilla Ferreira. Por telefone, Priscilla afirmou que houve equívoco na interpretação do edital e que pretende se reunir com a conselheira Teresa Duere, nesta quinta-feira (04), para esclarecer o assunto.

A secretária explicou que o objetivo da contratação dos serviços médicos pelo CONIAPE não seria terceirizar a “atividade fim”, mas sim de auxiliar na demanda de especialidades médicas, o que segundo ela seria “atividade meio”.

Priscilla afirmou também que estará disponível para maiores esclarecimentos após a reunião que ocorrerá no Tribunal de Contas.

Fotos: Fernando Lagosta e Luiz Carlos

 

Um incêndio de grandes proporções destruiu o interior de um prédio de dois andares no Bairro Palestina, em Santa Cruz do Capibaribe. As chamas foram percebidas por volta das 21h e 40m. Ninguém saiu ferido.

O prédio é residencial e fica situado entre as ruas São Geraldo e Santa Luzia.

De acordo com informações obtidas no local, o incêndio iniciou no andar de cima. Populares relataram que o fogo teria começado em um aparelho de ar condicionado

O Corpo de Bombeiros permaneceu no local para controlar as chamas.

 

 

 

 

 

 

O Tribunal de Contas realizou, no início deste ano, uma análise de Procedimento Licitatório no Fundo Municipal de Saúde (FMS) do município de Santa Cruz do Capibaribe, relativa ao exercício de 2017. Sob a relatoria da conselheira Teresa Duere, a auditoria teve por objetivo examinar o edital da licitação 008/2016 (Pregão Presencial n° 008/2016), publicado no Diário Oficial no mês de janeiro. As informações são da Assessoria de Comunicação do TCE.

O edital previa a aquisição de material médico hospitalar e de medicamentos para alta e média complexidade para atender à farmácia básica do município. Como resultado, o trabalho da Gerência de Auditoria de Procedimentos Licitatórios do TCE gerou uma economia de R$ 3.416.346,47 aos cofres do município, pela redução no preço máximo anteriormente proposto no orçamento básico, que era de R$ 16.528.937,40.

A auditoria identificou que vários dos itens destinados à compra apresentavam estimativas de preços muito superiores às praticadas pelo mercado. Além disso, observou que o FMS não adotava em sua rotina para formação de preços para licitação o Sistema de Registro de Preços (SRP), que é mais adequado para estes tipos de aquisições.

Com base no relatório de auditoria, ainda em janeiro, a prefeitura suspendeu a licitação de modo a corrigir as falhas apontadas pelo Tribunal de Contas. Com a republicação do edital, ocorrido no último dia 6 de abril, além da adoção do SRP,o Fundo promoveu a adequação dos preços estimados para os itens da contratação, reduzindo o orçamento para R$ 13.112.590,93, o que deu causa ao benefício.

A Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe foi procurada pela equipe do G1/Caruaru, mas ainda não se pronunciou sobre o assunto.

Página 1 de 11123...10...Última »

Notícias Anteriores