20
setembro

“Não podemos repetir erros do passado”, diz Augusto Maia em relação às próximas eleições


Fotos: Thonny Hill.

Na manhã desta quarta-feira (20), o vereador Augusto Maia (PTN) foi sabatinado no programa ‘Rádio Debate’ da Polo FM. O vereador respondeu questões relacionadas ao seu trabalho legislativo, ao grupo de oposição e às eleições de 2018.

Augusto é vereador de 1° mandato e afirma que pretende fazer um ‘trabalho diferente’ na Câmara, tendo como prioridade os projetos na Casa José Vieira de Araújo. Ele reclama que a grande maioria dos projetos aprovados, não são colocados em prática pelo poder executivo. Até por isso, solicitou em requerimento a formação de uma nova comissão para acompanhar, junto à prefeitura, a efetivação desses casos.

Questionado por qual motivo, mesmo supostamente pautando o mandato em projetos, não teria apresentado algum na Câmara, ele afirma que, nesses primeiros meses estava ‘se adaptando à política’ dentro da casa de leis. Augusto acrescenta que tem discutido diversos projetos pertinentes tanto no plenário quanto nas comissões. Atualmente ele integra a comissão de Legislação e Justiça, por onde perpassam todos os projetos.

Pai e filho

Filho do ex-prefeito e deputado federal José Augusto Maia, o vereador assegura que não se furtará em o defender quando necessário, mas não pautará sua agenda política, durante os quatro anos, em torno simplesmente disso.

Teobaldo e vereadores

Augusto nega que o deputado federal tenha dispensado os apoios dos vereadores de oposição. Afirma que o deputado busca um entendimento para contribuição de todo o grupo em 2018, mas ‘Teobaldo não tem como obrigar que isso ocorra’, diz.

Alguns vereadores já se colocaram contrários ao apoio ao deputado federal, em 2018.

Aprender com erros

O vereador tem discurso semelhante ao pai, quando a questão diz respeito ao próximo pleito eleitoral. Augusto argumenta que o ‘grupo taboquinha não pode repetir erros do passado, caso pretenda retornar à prefeitura em 2020’. Ele repete a tão propalada ‘união’ e diz que o ideal é o grupo sair com apenas um candidato a deputado estadual e outro para a Câmara Federal.

Em 2014 houve racha no grupo, ao dividir candidaturas para as duas casas legislativas. Ao fim, não conseguiu eleger nenhum dos dois para Alepe (Ernesto Maia e Toinho do Pará). Além disso, Luciano Bivar, apoiado pelos vereadores, teve votação inexpressiva, enquanto Ricardo Teobaldo foi eleito com o apoio de Zé Augusto.

A entrevista, na integra, você confere AQUI. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Notícias Anteriores


 


Meses Anteriores

error: Copiando nosso texto?