12
outubro

Artigo – Por Clécio Dias


Na década de 1980, num Beco do Centro de Santa Cruz do Capibaribe, havia um banco de feiras onde vendiam cordéis.

Eu pequeno, apaixonado pela literatura de cordel, fiquei mexendo nos cordéis, aprendera a ler há pouco tempo e ficava louco para ler aqueles versos naqueles livretos.

O dono daquele banco simples, naquele beco, cheio de cordéis pendurados em cordões, percebeu meu gosto pela poesia e escolheu dois cordéis para me dar de presente!

Meus olhos brilharam agarrados aqueles dois folhetos, cheios de poesia…

O beco era o Beco de João Pereira; os cordéis eram “Camões” e “João Grilo”; e o dono do banco era o poeta Zé Luiz…

Nasceu em São José da Laje, Alagoas, mas desde pequeno veio morar em Santa Cruz. 07 de outubro de 1935 foi o dia que o poeta nasceu…

Por muitos anos, seu banco na feira, cheio de poesia, era meu lugar preferido na feira livre desta cidade, era o banco dos cordéis…

Os dois primeiros cordéis que o poeta Zé Luiz me deu foram meus “romances” prediletos, foram um dos mais belos contatos que eu tive com a arte, com a linda arte dos cordelistas nordestinos…

O velho poeta Zé Luiz, parceiro do velho Amaro Dias nas cantorias há mais de 50 anos, em meados da década de 1980 me ofertou um dos maiores presentes que recebi na minha vida: o contato direto com a literatura de cordel…

Hoje o velho poeta completa 86 anos de idade e não tenho nenhum presente tão valioso para lhe dar como aqueles dois belos cordéis que ele me entregou com carinho e estima há mais de 30 anos…

Ah, se o tempo voltasse e me trouxesse o velho banco de madeira cheio de cordéis no Beco de João Pereira, mas o Beco de João Pereira agora está vazio…

Às vezes, quando passo por ali, tenho a impressão que ouço as folhas finas dos folhetos de cordel pendurados estalando no vento, como acontecia naquelas tardes tranquilas da minha infância…

Hoje, o vento que percorre o Beco de João Pereira, mesmo depois de tantos anos, ainda se contamina de literatura de cordel, de poesia…

Parabéns, poeta Zé Luiz!

Parabéns pelos seus 86 anos de idade!

Muito obrigado pelos cordéis! Eles foram levados pelo tempo, mas estão intactos na minha lembrança, tão novinhos como se ainda balançassem nos cordões, na feira!

2 Comentários

  1. Jairon Nunes disse:

    Que coisa linda. Parabéns ao sr. Zé Luiz pelos seus 86 anos e ao amigo clécio Dias pela homenagem e pela gratidão.

    1. Clecio Dias disse:

      Muito obrigado, amigo Jairo!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Notícias Anteriores


 


error: Copiando nosso texto?