11
outubro

“Todo mundo tem suas conta a pagar”, critica Luciene Cordeiro, após atraso da prefeitura de Santa Cruz


Fotos: Thonny Hill.

Em participação no Programa Rádio Debate, desta quarta-feira (11), a professora Luciene Cordeiro, representante do sindicato da categoria, falou sobre o impasse com a prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe, em relação ao atraso salarial, do mês passado.

Em virtude do atraso de parte dos profissionais, os serviços foram oferecidos de forma parcial, em algumas unidades, na terça-feira (10). A promessa para que tudo fosse regularizado até o fim do dia de ontem, também não foi respeitada e, nesta manhã, alguns profissionais ainda não teriam recebido.

De acordo com Luciene, já durante a manhã desta quarta, integrantes da gestão municipal, entre eles o secretário Joselito Pedro, garantiram que seria resolvido esta manhã. Após a participação no programa, os professores se dirigiram até à prefeitura para confirmar os comandos, que cerificam a liberação do dinheiro.

“Todo mundo tem suas contas a pagar, trabalham para sobreviver”, diz Luciene, considerando um desrespeito e uma tentativa de dividir a categoria, pagando parte dos profissionais.

De acordo com ela, esse atraso é algo que se repete, durante os últimos anos, quando se aproxima o mês de outubro.

Ainda segundo Luciene, não tem faltado diálogo com a gestão, mas em relação a pagamentos existem dificuldades que podem resolvidas, com explicações para classe.

Por fim, ela ainda disse que, caso o problema persista nos próximos meses, os professores cruzarão os braços até uma solução.

A prefeitura tem até 5 dias úteis do mês subsequente para realizar os pagamentos. O prazo venceu dia 9. Ontem, cerca de 40% dos professores não tinham recebido seus salários, de acordo com a gestão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Notícias Anteriores


 


error: Copiando nosso texto?