10
abril

Na busca de uma solução


Professores não aceitam proposta da Prefeitura e possibilidade de greve não está descartada

 

Professores lotaram as dependências da Câmara de vereadores. Fotos: Elivaldo Araújo.

Aconteceu na tarde desta quinta-feira (10) na Câmara de vereadores, a assembleia do Sindicatos dos Professores para definir as propostas em relação ao piso salarial e principalmente ao retroativo referente aos meses de janeiro, fevereiro, março e abril.

 

Em uma assembleia muito conturbada, os ânimos de alguns professores e filiados se exaltaram em relação as propostas. Aconteceram também discussões entre a presidente do Sindicato Luciene Cordeiro e o professor Israel Carvalho.

 

Ânimos acirrados entre Luciene Cordeiro e Israel Carvalho.

Retroativo não é pago por causa de excesso de professores contratados, afirma representante do Sinduprom

 

Alguns temas foram abordados e, de acordo com um dos representantes do sindicato, o professor Chiquinho, os professores contratados pela prefeitura  estão acima da média, tirando então o direito dos concursados receberem o retroativo.

 

O mesmo ainda concluiu que existem duas novas professoras contratadas na Escola Ivone Gonçalves (antigo Cenecista) aguardando formações de turmas para iniciar os trabalhos e que esse fato também acarretaria na falta de recursos que o gestor do município alega.

 

Explicações do professor Virgínio.

Segundo a presidente do Sindicato Luciene Cordeiro, a divisão do retroativo que o prefeito Edson Vieira (PSDB) propõe, que seria em oito parcelas, dificultaria a renda familiar dos professores.

 

“Essa história de dividir em oito vezes, eu não acho que seria uma boa ideia, por que é ruim dividir pedacinho por pedacinho, afinal o que é que iremos fazer com pouco”, frisou.

 

O professor Virgínio também concordou com Luciene e afirmou que muitos professores ainda aguardam duas parcelas de um acordo feito com o prefeito Edson Vieira, em relação aos salários atrasados de dezembro de 2012, que na época foram divididos em 12 parcelas. Relembre o caso clicando AQUI.

 

Votação das propostas

Retroativo em quatro vezes, proposta aceita pela maioria.

Ao final da reunião, quatro propostas foram colocadas em votação, entre elas a da prefeitura que obteve apenas 5 votos a favor, porém a proposta vencedora, com um percentual de 70% dos professores, é a que mantém o aumento salarial da categoria de 8,32% e o retroativo seja pago em quatro parcelas seguidas, a partir do mês de maio.

 

A contraproposta será colocada em ofício para que seja marcada uma reunião com o prefeito nos próximos dias, e caso não seja aceita, a possibilidade de greve não está descartada.

Um Comentário

  1. edésio disse:

    CONHEÇO BEM O PROFESSOR ISRAEL CARVALHO, E SEI QUE O MESMO NÃO DISCUTIRIA ESSE ASSUNTO SE NÃO TIVESSE CERTEZA E CONVICÇÃO DO QUE ESTAVA COLOCANDO EM DISCUSSÃO, POR ISSO NÃO ENTENDO O PORQUÊ DA ALTERAÇÃO DOS ÂNIMOS DA AMIGA E TAMBÉM PROFESSORA LUCIENE CORDEIRO, PROFISSIONAL E AMIGA QUE TAMBÉM SEMPRE ADMIREI, FAÇO VOTOS DE QUE A QUESTÃO EM PAUTA CAUSADORA DE TÃO ACIRRADA DISCUSSÃO ENTRE OS DOIS COLEGAS, SEJA RESOLVIDA, E QUE A ANIÃO DA IMPORTANTE CLASSE “EDUCADORA” VOLTE E PERMANEÇA, PARA O BEM DA CAUSA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Notícias Anteriores


 




error: Copiando nosso texto?