21
junho

As Curtinhas do Romenyck Stiffen

Duelo dos PRÉ das PRÉ

 

Dois duelos: Está muito claro nas redes sociais e nos programas políticos (dos Políticos) que existe dois duelos específicos entre as quatro pré-candidaturas postas em Santa Cruz do Capibaribe.

Fernando x Helinho: A novela Taboquinha ganhou novos contornos após o presidente estadual do PSB de Pernambuco, Sileno Guedes, em entrevista ao comunicador Alberes Xavier, afirmar que a executiva estadual do partido irá definir a situação da sigla em Santa Cruz do Capibaribe.

Desautorizou: A fala de Sileno Guedes foi interpretada, por muitos, como uma desautorização de falas ou definições do PSB no município, ou seja, nenhuma “decisão” do diretório municipal em relação à candidatura será tomada sem o crivo do diretório estadual.

Desmentiu: Sileno, nas entrelinhas, ainda acabou desmentindo as duas versões dadas em relação ao PSB na cidade, ou seja, ainda não é certo se o PSB terá candidatura própria, Helinho Aragão, ou se apoiará o pré-candidato do PP, Fernando Aragão.

Aposta: Posso está enganado, mas a única aposta que faço no momento é que independente da posição do PSB, o grupo Taboquinha terá duas candidaturas. Pois mesmo que Helinho não consiga confirmar sua candidatura, José Augusto Maia já demonstrou que não tem interesse de apoiar Fernando, além de ter o PRB para chamar de seu.

Alan x Dida: Outro duelo que esquenta a cada dia os bastidores da politica santa-cruzense é entre os Pré-candidatos Alan Carneiro (PSD) e Dida de Nan (PSDB), na verdade o conflito direto vem sendo travado entre Alan e o prefeito Edson Vieira (PSDB). Mas se engana quem acha que o clima esquentou devido aos “questionamentos” feitos entrem ambos em suas respectivas gestões, ou seja, As gestões de Alan no Moda Center e Edson na Prefeitura. Os questionamentos são apenas ingredientes, na verdade, o duelo é espelhado em números internos.

Aumentou o tom: Parece que o pré-candidato Dida percebeu que estaria como mero coadjuvante nesse duelo e resolveu aumentar o tom em relação a Alan, no programa a Hora do Povo do último sábado, 20/06. Contudo, ainda muito distante do ideal para o protagonismo desejado.

19
junho

Artigo – Por Adriano Oliveira

BOLSONARO CEDE

 

Quando candidato, o ex-presidente Lula condenava a classe política. Em 2003, ao assumir o mandato, o então presidente rejeitou o PMDB. Partido de suma importância para a formação do presidencialismo de coalizão. Em 2005, o escândalo do mensalão vem à tona.  A popularidade do ex-presidente Lula declina. O impeachment passa a ser agenda do Congresso. A sabedoria de Lula, o crescimento econômico e a política salvam o ex-presidente do impedimento e ele é reeleito.

No segundo mandato, Lula não despreza o PMDB, como qualquer outra força política. Exerce com maestria a articulação. Em alguns momentos, confronta a imprensa. Mas o bom governo possibilita que a sua popularidade cresça consideravelmente. Em 2010, Lula elege Dilma Rousseff para presidente. E deixa o governo sob aplausos de todos.

Dilma era a antítese de Lula. Tinha dificuldade de fazer política. Dialogar. Mas, por várias vezes, cedeu aos partidos. Distribuiu cargos. Dividiu o poder. Em razão da pujança econômica, herança de Lula, a ex-presidente governou com tranquilidade até junho de 2013. Neste mês, manifestações explodiram em todos os cantos do país. Em 2014, a ex-presidente é reeleita e a Operação Lava Jato expõe o sistema produtivo da política. A Lava Jato anuncia para todos os cantos do mundo que o “toma lá dá cá” e a corrupção sumiriam da política. A economia perdeu pujança. Manifestantes foram pra ruas. A ressaca eleitoral para com o PT existia. Os partidos abandonaram Dilma. Ela sofre impeachment.

Embalado pela Lava Jato, o candidato Bolsonaro aparece como o novo. O presidente que fará tudo diferente. Partidos para ele eram representações da má política. A expressão “toma lá dá cá” não existiria em seu governo. Bolsonaro é eleito. Com Bolsonaro no poder, as “mamatas” dos políticos acabariam. Distribuição de cargo, nem pensar!

Durante um ano, o presidente Bolsonaro relega os políticos. Não distribui cargos. E segue em frente condenando a política. Chega 2020. Crescimento econômico pífio em 2019. Popularidade estável. Um cisne negro surge, a Covid-19. O STF reage enfrentando as fakes news. Crises sanitária, política e econômica. Confronto com a imprensa. O presidente cede ao sistema político. Convoca os partidos. Distribui cargos. Tardiamente, o presidente acorda para a realidade. Descobre que o sistema produtivo da política é antifrágil. Sofre estresse, mas não quebra. E que para governar, é preciso ceder, fazer acordos, distribuir poder. Caso não, o seu mandato pode ser encurtado.

;

As opiniões e informações aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

15
junho

As Curtinhas do Romenyck Stiffen

Capítulos Finais

 

É novela?: Se for novela que vocês querem, os taboquinhas têm pra dá e vender. Na última semana afirmamos que com os prazos mantidos, principalmente em relação aos registros de candidaturas, as perspectivas são de que as novelas de alguns grupos políticos de nossa região cheguem ao fim no próximo mês ou até antes.

Aproveitando os capítulos: Nesse contexto, as alas do grupo Taboquinha, seja ela a de apoio a Helinho ou Fernando, querem aproveitar cada capítulo dessa novela e nos últimos dias os bastidores políticos do grupo estão fervendo, cada um traçando um roteiro final para respectiva novela.

Capítulo Final (I): Ainda nas curtinhas da semana passada, trouxemos um tópico intitulado “A fala”, onde apontávamos que nos bastidores políticos do grupo denominado Taboquinha, apoiadores da pré-campanha de Helinho Aragão (PSB) estão animados para que a novela do PSB termine de vez. Segundo alguns membros da ala Maia/Moraes, nos confirmaram em off, que nos próximos dias uma fala de um nome importante do PSB estadual irá por um fim nessa novela e o capítulo final será em favor do vereador Helinho Aragão.

Capítulo Final (II): Dentro desse contexto, também apontamos que o poder de articulação do deputado federal Eduardo da Fonte (PP), em conseguir o apoio do PSB para o palanque de Fernando Aragão (PP), estava sendo colocando em cheque pela ala Maia/Moraes. Contudo, o pré-candidato Fernando Aragão, em entrevista ao programa Estúdio 1, na Polo FM, afirmou que os Deputados Federais Eduardo da Fonte (PP) e João Campos (PSB) conversaram recentemente e que, segundo Da Fonte, teriam “Resolvido”.

Acredita: Fernando ainda afirmou acreditar que nas próximas semanas um membro da cúpula estadual do PSB irá falar publicamente, em emissoras de rádios da cidade, apontando o direcionamento do PSB em Santa Cruz do Capibaribe. O pré-candidato ainda demostrou acreditar que o pronunciamento do PSB será em apoio ao seu nome.

Continuam: Podemos observar que as alas Taboquinhas continuam com perspectivas diferentes sobre o mesmo tema. Nesse contexto, só nos resta esperar para saber qual será o real capítulo final dessa novela. Quais personagens terão finais felizes e quais irão amargar um final ruim?

08
junho

As Curtinhas do Romenyck Stiffen

Novelas acabando?

 

Mantido: Na última semana, por unanimidade de votos, o Plenário do Tribunal Superior Eleitoral confirmou a possibilidade de os partidos políticos realizarem convenções partidárias por meio virtual para a escolha dos candidatos que disputarão as Eleições 2020. Nesse contexto, os prazos das eleições municipais continuam mantidos.

Novelas acabando?: Com os prazos mantidos, principalmente em relação aos registros de candidaturas, as perspectivas são de que as novelas de alguns grupos políticos de nossa região cheguem ao fim no próximo mês ou até antes.

A fala: Nos bastidores políticos do grupo denominado Taboquinha, apoiadores da pré-campanha de Helinho Aragão (PSB) estão animados para que a novela do PSB termine de vez. Segundo alguns membros da ala Maia/Moraes, nos confirmaram em off, que nos próximos dias uma fala de um nome importante do PSB estadual irá por um fim nessa novela e o capítulo final será em favor do vereador Helinho Aragão.

Reagindo: Após perder espaço no campo das oposições, no quesito repercussão, o pré-candidato Helinho Aragão vem tentando reagir nesses últimos dias nas redes sociais, reformulou suas plataformas digitais e arregimentou sua militância virtual. Toda essa movimentação, conseguir ser atrelada a uma fala de quem de fato tome as decisões do PSB estadual, podemos, de fato, ver Helinho entrar em um jogo onde até agora está como coadjuvante. Resta-nos, esperar as cenas dos próximos capítulos.

Em cheque: Nesse momento, o poder de articulação do deputado federal Eduardo da Fonte (PP), em conseguir o apoio do PSB para o palanque de Fernando Aragão (PP), está sendo colocando em cheque pela ala Maia/Moraes.

Vereador?: Após surgir burburinhos que o ex-prefeito de Taquaritinga do Norte, Evilásio Araújo, poderia disputar um cargo de vereador, o mesmo afastou a possibilidade. Pessoas próximas a Evilásio apontam que o mesmo continua de olho na majoritária, acredito que o prefeito Lero (PSB) torce que esse olho esteja mirando a vice e acabe a novela Calabar.

Não saiu: Informações dão conta que o ex-prefeito de Brejo da Madre de Deus permanece no cargo de Secretário de Saúde, o que impossibilita do mesmo disputar as eleições municipais de 2020. Outro que também ainda não teria deixado o cargo assessor especial foi o Frailan Mota, contudo existe o entendimento que o prazo para o mesmo deixar o cargo seria no próximo 4 de julho, ou seja, a novela do grupo de situação em Brejo da Madre de Deus continua.

Assumiu: Após muita polêmica, o vice-prefeito de Brejo da Madre de Deus, Josevaldo Lopes, assumiu de forma interina a prefeitura devido o problema de saúde que o prefeito Hilário Paulo está passando. Um ponto a destacar, Josevaldo e Hilário romperam politicamente já faz um bom tempo.

E o clima?: Alguns secretários e servidores da Gestão Hilário entraram com duas ações populares na tentativa de impedir a posse de Josevaldo. Fico a imaginar como ficará o clima entre prefeito interino e secretários durante esse período.

03
junho

Resumório – A Coluna do Professor Tenório

RESUMÓRIO

 

COM MÁSCARA – O São João da Moda este ano será cheio de novidades, começando pela abertura do Festival Biu & Gogó de Quadrilhas de Rua. Uma das principais novidades não foi a quadrilha virtual, foi cantar forró usando máscara. Eu não tinha visto ainda em lugar nenhum alguém cantando de máscara e olhe que teve live até umas horas. A observação foi de um leitor do Resumório, que achou diferente e digno de registro aqui.

CIDADE DOS CONTRÁRIOS – É o povo nas malas sem máscara, o povo na rua sem máscara ou com a máscara no queixo e um artista se apresentando num evento oficial da prefeitura cantando com máscara, usando bem direitinho.

POLÊMICAS – E para acabar com a polêmica das pias faraônicas e dos 5 milhões que o vereador Joab disse que as igrejas católicas e evangélicas receberam para suas festividades, só mesmo a polêmica de aluguel de geradores. Allan Carneiro acha que o prefeito alugou dois geradores por um valor alto e o prefeito acha que quem alugou gerador caro foi Allan, quando era síndico do Moda Center. Conversa vai, conversa vem, explicação vai, explicação vem e muita gente ficou sem entender foi nada. Só sei que a polêmica saiu da discussão financeira para o campo político. Afinal, é ano eleitoral.

A SAÍDA – Amanhã (4), Joselito Pedro deixará a Secretaria de Educação para, segundo ele, novos projetos. Conversou com o prefeito, com a família e amigos. Esqueceu de dizer que conversou com Dida de Nan, se é que conversou. Como a saída da pasta é exatamente na data limite de desincompatibilização para concorrer a cargo eletivo na majoritária, Joselito provavelmente será pré-candidato a vice na chapa com Dida de Nan.

A TROCA – Nas malas virtuais, se comenta a possibilidade de Joselito ser o pré-candidato a prefeito no lugar de Dida. Esses comentários sobre possível troca na chapa Boca Preta são tão estranhos quanto os nomes das operações da Polícia Federal, mas pesquisando um pouco a gente acaba encontrando algum sentindo. Alguns políticos do clã azul já afirmaram e garantiram que essa possibilidade de troca não existe, mas palavra de político e eficácia da cloroquina no tratamento de coronavírus não é todo mundo que acredita.

PROMOÇÃO DA SEMANA – Todas às quartas, o pré-candidato Fernando Aragão faz uma live que geralmente pede esclarecimentos sobre o emprego dos recursos públicos, questionando compra de materiais ou serviços com valores supostamente acima do valor de mercado. Ao que tudo indica, a promoção da semana será adiada porque não está fácil conseguir informações de outras prefeituras. Mas o item a ser questionado já está na agulha.

NOS OLHOS DOS OUTROS É REFRESCO – Todos os bairros da cidade estão infestados de muriçocas. Para ilustrar essa afirmação, trago o relato de um colega que estava na rua e entrou um cisco no seu olho. Lavou com soro, perdeu noite de sono e não conseguiu trabalhar. Quando foi ao oftalmologista, para sua surpresa, o cisco que veio voando no ar era a perna de uma muriçoca. Parece brincadeira, mas foi sério. Perna  de muriçoca nos olhos dos outros é refresco.

TBT – A oposição de Santa Cruz aparentemente já não é mais a mesma de outros tempos. Estão muito animados com um TBT de denúncia. Houve movimentação na denúncia do coffee break lá de 2015 e eles estão numa alegria que não tem tamanho.

AQUI SE FAZ, AQUI SE PAGA – Assim que os principais blogues da cidade publicaram a matéria sobre a instauração de procedimento para apurar a denúncia do coffe break, o ex-prefeito José Augusto Maia disse em redes sociais que os que tanto o condenavam estão pagando caro. Não ficou muito claro, mas provavelmente deve ter sido uma alusão à acusação que sofreu no caso da merenda.

ADIOGADO – Zé foi o criador do termo “adiogado”, que acabou significando alguém que pouco aparece, ausente. Isso quando não era aliado do Deputado Diogo Moraes. Por ironia do destino, hoje Zé está aliado a Diogo e apoiando um pré-candidato que, segundo alguns comentários nas redes sociais, está adiogado.

;

 “Não me queiram mal. Apenas pensem nisso, enquanto lhes digo que fica o dito para ser rido.”

02
junho

Artigo – Por Adriano Oliveira

A PRORROGAÇÃO DOS MANDATOS

 

A epidemia da Covid-19 proporciona o adiamento da eleição. Mas não permite a prorrogação dos mandatos. A curva do número de vítimas da Covid-19 continua a crescer no Brasil. Em alguns locais, declínio ou estabilidade de vítimas é observado. Em outros, o crescimento continua. O Instituto de Métrica da Universidade de Washington projeta para o Brasil 88.305 mil mortes por Covid-19 até 04 de agosto.

Só existe uma justificativa para a prorrogação dos mandatos de prefeitos e vereadores: o descontrole da epidemia do coronavirus. Não ocorrendo tal fato, a prorrogação dos mandatos terá consequência na mente dos eleitores e na disputa eleitoral de 2022. Ir votar é um hábito que precisa ser preservado na democracia. O enfraquecimento desse hábito, apesar de parcela do eleitorado reclamar da obrigatoriedade do voto, enfraquece a democracia eleitoral.

Pesquisas qualitativas e quantitativas da Cenário Inteligência têm mostrado que os eleitores, em sua maioria, desejam o adiamento da eleição municipal. Porém, dois dados relevantes detectados pelas pesquisas merecem atenção:

1) Quanto maior a rejeição do prefeito, menor o desejo do adiamento da eleição; 2) Vários eleitores defendem o adiamento, mas salientam, na pesquisa qualitativa, que querem ter a chance de fazer a mudança ou escolher um novo prefeito. Portanto, por que os mandatos devem ser prorrogados?

O presidente Jair Bolsonaro tem mostrado inquietação com as críticas da imprensa e as ações das instituições. Jair Bolsonaro, em razão do impacto da Covid-19 na economia, pode não chegar em 2022 como favorito. Neste cenário, é crível especular que o presidente não aceite possível derrota e apresente o seguinte argumento: “Se em 2020, os mandatos dos prefeitos foram prorrogados, defendo também a prorrogação do meu mandato até 2026”.

A justificativa de Jair Bolsonaro será plausível, pois existe jurisprudência. Por outro lado, alguém dirá ao presidente: “Em 2020 existia a Covid-19. Em 2022, não tem Covid-19”. Argumento frágil. Pois graves crises política e econômica em 2022 têm o poder de justificar o argumento do presidente. A implantação de um Plano Econômico que esteja trazendo resultados benéficos para a economia também é outra justificativa. Numa democracia, o eleitor deve ter o direito de não ir votar. Mas não deve ser impedido de trocar o prefeito, o governador ou o presidente.

/

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

01
junho

As Curtinhas do Romenyck Stiffen

Protagonistas e coadjuvantes

 

Esquentou: Mesmo com a pandemia, a política de Santa Cruz do Capibaribe esquentou nas duas últimas semanas. E caso a pisada continue dessa forma, observamos quem será os protagonistas e coadjuvantes de cada grupo politico, nessas eleições de 2020, e o desafio de cada um dos pré-candidatos prefeito.

Protagonizaram: Nas duas últimas semanas, o prefeito Edson Vieira (PSDB), Alan Carneiro (PSD) e Fernando Aragão (PP) estão protagonizando verdadeiros embates políticos na cidade, graças às repercussões geradas através dos questionamentos feitos em lives realizadas pelos dois pré-candidatos a prefeito, acima citados.

São quatro: Como todos sabem, Santa Cruz tem hoje quatro pré-candidatos a prefeito, são eles: o pré-candidato do grupo de situação, Dida de Nan (PSDB), e os pré-candidatos dos grupos de oposição Alan Carneiro, Fernando Aragão e Helinho Aragão (PSB).

Dida de Nan: O pré-candidato tem o desafio de construir uma identidade política de protagonismo nessa eleição, mantendo um discurso alinhado ao do prefeito Edson Vieira. Contudo, o mesmo não vem demostrando essa habilidade nas entrevistas concedida até o momento, colocando, por vezes, o governo em verdadeira “saia justa”, além de ter suas aparições engolidas pelo forte protagonismo do prefeito Edson Vieira. Por enquanto, Dida não passa de um coadjuvante nessa pré-campanha.

Alan Carneiro: O pré-candidato vem conseguindo protagonismo no campo das oposições com seus questionamentos contundentes. Contudo, o que para muitos poderia ser um trampolim político para as eleições municipais de 2020, sua gestão no Moda Center vem sendo transformada, principalmente pelo prefeito Edson Vieira, em um verdadeiro calcanhar de Aquiles. Carneiro ainda tem o desafio de tentar manter as ideologias extremas em seu palanque, após as diversas cobranças de posicionamento mais contundentes em relação a politica nacional.

Fernando Aragão: Não é segredo pra ninguém e está muito perceptível que Fernando Aragão tem como principal desafio conquistar partidos para o seu palanque, assim como aguentar o “rolo compressor” que nomes importantes do grupo politico taboquinha, do qual ainda se diz fazer parte, direcionou contra o mesmo. Contudo, mesmo com tantas adversidades, conseguiu manter o protagonismo no campo das oposições e esquentou a política nos últimos dias, após fazer os questionamentos sobre os valores das 20 pias adquiridas pela prefeitura. O mesmo conseguiu a notoriedade de que estaria de fato fazendo oposição, em um período que as oposições vinham sendo muito questionada em sua atuação e o prefeito em alta em sua postura ao combate a COVID 19.

Helinho Aragão: Assim como o pré-candidato da situação, Dida de Nan, Helinho tem tudo para ter uma das melhores estruturas de campanhas, partidos robustos, nomes importantes da história política do grupo taboquinha ao seu lado. Contudo, consegue mergulhar como ninguém em momentos importantes, passando, assim como Dida, a ser um mero coadjuvante do grupo que o coloca como pré-candidato, ficando atrás de uma muralha liderada pela família Maia. Helinho, assim como Dida, precisa construir uma identidade política de protagonismo nessa eleição ou não conquistará o protagonismo no campo das oposições.

Cedo: Contudo, reconhecemos que ainda é cedo pra dizer quem serão os verdadeiros protagonistas e coadjuvantes das eleições municipais de 2020. Estamos, apenas, trazendo o nosso ponto de vista de momento e os desafios perceptíveis para os nossos pré-candidatos a prefeito.

25
maio

As Curtinhas do Romenyck Stiffen

Altos e baixos

.

Altos e baixos: Comum os altos e baixos da política, por diversas vezes, por exemplo, tratamos em nossa coluna da montanha russa que o prefeito Edson Vieira (PSDB) passou e passa em suas duas gestões, não seria diferente no último ano.

A subida: Por falar no prefeito Edson Vieira e em sua montanha russa, o mesmo estava com uma imagem cada vez mais positiva no que diz respeito à COVID 19, observando principalmente o desgaste do adversário que atrevesse criticar tal postura.

A descida: Contudo, o questionamento levantado pelo ex-vereador e pré-candidato a prefeito, Fernando Aragão (PP), em relação aos valores gastos nas 20 pias, 2.500 reais cada uma, distribuídas em pontos estratégicos na cidade, acertaram em cheio a imagem do prefeito.

Em baixa: Por falar em Fernando Aragão, o mesmo vinha em baixa politicamente, sendo publicamente massacrado pela ala Taboquinha que tem a frente à liderança do ex-prefeito José Augusto Maia (PRB) e o Deputado Estadual Diogo Moraes (PSB), principalmente no que diz respeito à quebra de braço em busca do apoio da sigla PSB.

Em alta: Momento ruim de um, pode ocasionar o bom momento de outro. Nesse contexto, o questionamento feito por Fernando Aragão em relação às referidas pias, lhe trouxe notoriedade política no atual cenário, assim como a polarização no debate com o prefeito Edson Vieira.

A polarização: O prefeito Edson Vieira e o pré-candidato Fernando Aragão, polarizaram um valoroso tempo de mídia, nos últimos dias, para debaterem as referidas pias. Obvio que cada um conquistou repercussão diferente diante da discussão.

 
 

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

20
maio

Resumório – A Coluna do Professor Tenório

RESUMÓRIO

 

A FAVOR DO CONTRA – O que mais repercutiu na semana foi, sem dúvidas, a aparição dos vereadores Joab do Oscarzão e Carlinhos da Cohab numa mala política sem máscaras em plena Avenida 29 de Dezembro. A ironia é que ambos votaram recentemente a favor de um projeto de lei que torna obrigatório o uso de máscaras em locais públicos. É um clássico exemplo da frase faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço.

EM COMUM – E para mostrar que os vereadores Joab e Carlinhos têm mais em comum do que carregarem consigo os nomes de seus bairros, mandaram praticamente a mesma justificativa para o descuprimento da lei que eles votaram e péssimo exemplo para população que já não tem um bom índice de respeito ao distancimanto social. Ambos disseram que pararam só para comer um munguzá por um minuto.

INDIGESTO – Há quem não acredite na justificativa dos vereadores, há quem os defenda. Se o munguzá estava gostoso não sei, só sei que foi bem indigesto. Após o episódio, com direito à aparição na TV, os vereadores aparentemente deram uma breve sumida das redes sociais. Será que foram para os açudes e jogos de futebol na zona rural? Soube que por lá o povo também se comporta como se não existisse coronavírus.

USO DE MÁSCARAS – Segundo uma ouvinte do Programa Rádio Debate da Polo FM, ou o fumacê de Santa Cruz está muito fraco ou as muriçocas estão usando máscaras. Sendo assim, elas são mais conscientes do que Joab e Carlinhos, porque além de usarem máscaras estão todas aqui respeitando a recomendação de ficar em casa. Só não estão respeitando a proibição de aglomeção, tem que é uma beleza.

MURIÇOCAS – Se a aglomeração das muriçocas fosse combatida feito a aglomeração de ciclistas estaríamos todos tranquilos. Mesmo Santa Cruz sendo a única cidade pernambucana que Bolsonaro venceu, acredito que aqui se vende mais repelente nas farmácias do que cloroquina.

ESQUECERAM DE NÓS – Outro assunto que também repercutiu bastante foi o esquecimento de duas agentes de saúde deixadas meia noite na barreira sanitária do Moda Center sem transporte para voltarem para casa. Uma boa explicação ou pedido de desculpa, até agora não se tem notícia.

BANHEIRO, ÁGUA E TRANSPORTE – Como se não bastasse trabalhar por horas sem um banheiro e, segundo relatos, até faltando água para beber, voltar a pé essa hora da noite não é fácil. Se gasta horrores com transporte nessa cidade, não acredito que não dá para garantir o traslado desses profissionais tão importantes e evitar o constrangimento para elas e para o governo.

PROMOÇÃO DA SEMANA – E na loja de de núncias da oposição já teve promoção de calçamento, torneio de futebol e publicidade. A promoção da semana é de lavatórios. “Pia” mesmo, em tempos de pandemia estava faltando uma zuada dessas relacionada ao gasto no combate ao coronavírus.

AUSENTE – O deputado Diogo Moraes volta e meia vira pauta na cidade, tanto nas aparições quanto na ausência. Ontem ele estava agendado para participar do Programa Independente e não compareceu, alegando recomendação médica. Deixou esperando a produção, entrevistadores, ouvintes e os aliados Zé Augusto e Helinho Aragão. Galego de Mourinha, convidado de hoje do programa, sabe muito bem como é esperar por Diogo. Ex-aliados tambem sabem, os atuais aliados sabem, mas não admitem. Espero que Diogo esteja bem e apareça antes da próxima live de Bell.

IDIOTICE CONTAGIOSA – Parece que nem só a covid-19 é estremamente contagiosa, a idiotice também. Na ânsia de criticar o governo federal, o ex-presidente Lula andou falando bobagens sobre a situação do país e o coronavírus. Habilidade e competência para enfrentar a situação não é para qualquer um.

 

“Não me queiram mal. Apenas pensem nisso, enquanto lhes digo que fica o dito para ser rido.”

13
maio

Resumório – A Coluna do Professor Tenório

​RESUMÓRIO

 

PARECIDOS – O presidente Jair Messias Bolsonaro está parecendo o governo municipal de Santa Cruz do Capibaribe na época da CPI do Calçadão, não quer entregar as coisas e, com decisão judicial, acaba entregando tudo. O presidente não queria entregar os seus exames com o resultado da covid-19, nem o vídeo da reunião ministerial citada por Moro. Outra semelhança é que, aparentemente, isso tudo não vai dar em nada.

DOAÇÕES – Circulou nas redes sociais uma lista de vários municípios pernambucanos contemplados com emendas do senador Humberto Costa para o reforço na saúde. O detalhe é que Santa Cruz do Capibaribe não apareceu nessa lista de cidades. Parece que o senador andou acompanhando as doações generosas em lives dos filhos da terra e concluiu que Santa Cruz não está tão precisada assim.

JUVENTUDE E PODER – No início da pandemia, um meme profetizava que Bolsonaro cairia, Amilton Mourão assumiria a presidência, Sérgio Moro voltaria a ser ministro da justiça e Mourinho seria o novo técnico da seleção brasileira de futebol no lugar do Tite. A postagem dizia que nós teríamos Moro, Morinho e Morão e seríamos hexa.  Pode parecer absurdo, mas em Santa Cruz nós temos um menino na prefeitura, Menininho na direção do Moda Center e um garoto na presidência da Câmara de Vereadores. Se tudo está sendo bem ou mal administrado eu não sei, deixo essa avaliação para vocês. Só sei que tem mais um jovem querendo assumir a prefeitura.

É OU NÃO É? – Algumas pessoas dizem que Helinho Aragão não será candidato a prefeito na eleição de 2020 outras dizem que sim. Comenta-se nos bastidores a possibilidade de uma ingerência que o tiraria do páreo, falou-se num vídeo de alguma liderança estadual do PSB confirmando essa pré-candidatura que nunca apareceu. O próprio Helinho diz que é pré-candidato e seus apoiadores dizem que a garantia é a ficha de filiação ao PSB. Se for só isso, então, é garantido feito um cheque pré-datado da Baixa dos Sapateiros em tempos de pandemia. Quem é sulanqueiro raiz sabe o que estou dizendo.

ESTÁ CRESCENDO – Os apoiadores de Helinho Aragão vivem dizendo que sua pré-campanha está crescendo e por isso está incomodando adversários. Pode até ser, só não sei como danado estão aferindo esse crescimento sem movimentações políticas, sem malas, sem pesquisa e a cidade em quarentena. Só se estiverem consultando o povo nas filas dos supermercados ou nas farmácias.

NAS FILAS – O prefeito de Santa Cruz do Capibaribe, Edson Vieira, justificou que os professores que tiveram seus contratos suspensos ainda não receberam o auxílio de trezentos reais, conforme prometido, porque estão averiguando quem recebeu ajuda do governo federal. Pelo que entendi, quem recebeu o auxílio emergencial do governo federal não receberá o do município. Só não sei como eles vão fazer para detectar quem recebeu, quem ainda está em análise e quem teve o pedido indeferido. Será que vão tocaiar os professores nas filas das agências da Caixa? Se for, pelo menos agora tem cadeiras e tendas para proteger todos do sol e da chuva.

A PELEJA CONTINUA – Militantes do grupo Taboquinha passaram a semana naquela velha peleja de sempre, trocando farpas entre si. Parece que nem se houvesse um decreto de seus líderes os defensores do projeto de Fernando e os defensores do projeto de Helinho acabariam com a aglomeração de provocações.

PERIGO – Santa Cruz, Jataúba e cidades da região disparam os casos de coronavírus. Nunca antes na história desse país um dominó na praça foi tão perigoso quanto nos tempos atuais. É gente se contaminando e morrendo em todo lugar e alguns defendendo a abertura de tudo.

BELEZA É FUNDAMENTAL – O presidente Bolsonaro constrangeu seu Ministro da Saúde ao decidir, sem avisá-lo, que colocaria salões de beleza e academias na lista de serviços essenciais. Deu para perceber que a falta de sintonia não era exclusividade do Mandetta e que para o presidente, beleza é fundamental. 

 

“Não me queiram mal. Apenas pensem nisso, enquanto lhes digo que fica o dito para ser rido.”

11
maio

As Curtinhas do Romenyck Stiffen

Sensibilidade insensível

 

O momento: A COVID 19 basicamente parou o mundo e no Brasil não foi diferente, o número de pessoas com o referido vírus só aumenta, assim como os óbitos. Assistimos nos últimos dias uma crise no sistema de saúde, no social, na economia, educação, entre tantas outras áreas.

Mantém: Apesar de vários eventos parados, assim como o nosso comércio se arrastando, o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) vem mantendo os prazos das eleições 2020, a reboque a previsão de aproximadamente 12 bilhões de gastos.

No contexto: Com os prazos eleitorais mantidos, observamos, também, diversas novelas politicas e acirradas em nossa região, sem expectativas positivas para seus desfechos, vejamos.

Brejo da Madre de Deus: Já é certo que o grupo de oposição não chegará a um consenso e terá mais de uma candidatura. Contudo, no grupo de situação também não existe nem um mar de flores e o clima azeda a cada dia entre o prefeito Hilário Paulo e o ex-prefeito e secretário de saúde, Dr. Edson. Entre a mais recente treta entre ambos, está um trecho de uma música rolando nos grupos de WhatsApp, pois segundo interpretações de alguns, exalta o nome do pupilo político de Dr. Edson, Frailan Mota.

Taquaritinga: Não muito diferente de Brejo, em Taquaritinga o prefeito Lero tem, além da preocupação da COVID19, também um problema político a resolver com o ex-prefeito, Evilásio Araújo. Até o momento, os ponteiros não foram sincronizados.

Jataúba: A expectativa em Jataúba está na chapa do grupo de Situação, pois apesar de Antônio de Roque ser absoluto na condução do processo, o mesmo demonstra ter dor de cabeça em montar a chapa que representará o projeto de continuidade.

Santa Cruz: Em nosso município, continuamos esperando o desfecho da novela Taboquinha. Pois para Alan Carneiro e Dida de Nan falta apenas definir o vice de suas respectivas chapas.

;

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

06
maio

Resumório – A Coluna do Professor Tenório

RESUMÓRIO

 

FIM DO DISTANCIAMENTO SOCIAL 2 – Já imaginaram se o distanciamento social só acabasse quando um outro time pernambucano conseguisse ser hexa? Ou quando construíssem uma nova rodoviária em Santa Cruz? Ou a nova velha agência do INSS começasse atender a população? Pior do que isso, já imaginaram se esse distanciamento social só acabasse quando acabassem os buracos e as muriçocas de nossa cidade? Melhor nem imaginar, afinal, quase tudo um dia acaba…

EXEMPLOS – Muita gente ainda é contra o distanciamento social, mas ainda é a medida recomendada e mais adotada no mundo inteiro para controlar a disseminação do coronavírus. Só sei que se fossemos seguir os exemplos do presidente Jair Bolsonaro, de um programa político que acontece aos sábados numa rádio da cidade e da movimentação no recém-inaugurado hospital de campanha, estaríamos numa situação bem pior do que a atual.

INAUGURA E FECHA – Vejam as coisas como são, quando inauguraram a Academia da Saúde no acesso ao Santo Agostinho, todos queríamos que o equipamento público fosse amplamente usado e nunca foi, constituindo um genuíno caso do que eu costumo chamar de “inaugura e fecha”. Agora, inauguraram um hospital de campanha e todos queremos que não seja usado e, ao que tudo indica, será.

INAUGURADO – Finalmente foi inaugurado o tão falado hospital de campanha de Santa Cruz do Capibaribe, devidamente equipado para ajudar no combate ao coronavírus. As críticas ficaram por conta da visitação de comitivas de imprensa, vereadores e servidores públicos antes da inauguração e da inauguração com direito a discurso e banda musical. Há quem diga que inauguração de um hospital de campanha assim, só se viu na terra das gameleiras, porém o mais importante é que o equipamento público está pronto para ser usado, caso necessário.

AGLOMERAÇÕES – É aglomeração para entregar peixe, para entregar mercadoria, para receber auxílio emergencial, para pedir volta da ditadura, pra tudo. Só não pode aglomerar para o pessoal trabalhar, mesmo seguindo todas as recomendações que estão sendo violadas diariamente por boa parte da população. Daqui a pouco o pessoal se revolta e com certa razão.

SURPRESAS – É o governo municipal surpreso com a feira que se formou nas margens da PE 160, José Augusto Maia surpreso com o apoio do deputado Ricardo Teobaldo ao projeto político do Dida de Nam e a gente surpreso com a supresa deles. Parem que está ficando feio. Nos surpreendam com ações nesses tempos difíceis e não com enrolações.

COMO A VALE DE OUTRORA – Segundo alguém que não lembro quem, se a Rede Globo continuar com a linha editorial e a quebra de braço com o presidente Jair Bolsonaro, vai ficar parecendo a Rádio Vale das décadas de oitenta e noventa contra os Taboquinhas.

NOVO POINT – Sem o banheiro do Teike, a moda agora é postar uma foto nas redes sociais no sangradouro do açude de machados, no Bandeira. Duvido você não ter visto na sua timeline pelo menos uma foto de alguém se refrescando lá.

DOIS PESOS E DUAS MEDIDAS – O pré-candidato Alan Carneiro foi duramente criticado pelo prefeito Edson Vieira e apoiadores por ter feito um empréstimo para pagar o décimo terceiro dos servidores do Moda Center. Quando questionado sobre o destino dos três milhões e oitocentos mil da venda da folha dos servidores municipais ao Bradesco, o prefeito disse que usou dois milhões para pagar o décimo terceiro. Um foi falta de planejamento, o outro, habilidade para gerir em tempos de crise e queda de receita. Pau que dá em carneiro não dá em tucano.

O MAIS VOTADO – Muita gente já começa aDEMIRtir que o recordista de votos para vereador na próxima eleição já tem nome e segmento. Não será nenhum dos vereadores em exercício, porém será mais uma vez   alguém que milita na área da saúde. Essa história de já está eleito já lascou muita gente. Voto e saúde quanto mais, melhor.

 

“Não me queiram mal. Apenas pensem nisso, enquanto lhes digo que fica o dito para ser rido.”

04
maio

As Curtinhas do Romenyck Stiffen

A disputa continua

 

A salada mista: Em nossas últimas curtinhas, destacamos os partidos que provavelmente farão parte das coligações que terão a frente o pré-candidato da situação, Dida de Nan (PSDB), assim como os pré-candidatos das oposições: Allan Carneiro (PSD), Fernando Aragão (PP) e Helinho Aragão (PSB). Ainda apontamos a verdadeira salada mista de partidos presentes nessas futuras coligações.

Uma fruta: Apontamos que uma das situações mais complicadas nas costuras das coligações seria a do pré-candidato Fernando Aragão, pois até o momento o mesmo só havia apresentado o PP em seu referido projeto. Contudo, apontávamos que até as convenções muita coisa poderia acontecer e alterações nas coligações são comuns, onde partidos as vésperas mudam de projetos após “boas conversas” em Recife ou Brasília.

Conversando: Em entrevista concedida aos componentes do programa Rádio Debate, na Rádio Polo FM, na última quarta-feira, 31/04, questionamos ao pré-candidato Fernando Aragão sobre a dificuldade em apresentar partidos além do PP. Na ocasião, o mesmo afirmou que conversas estão ocorrendo entre membros a nível estadual do PP, PSB, PCdoB e PT, onde pode influenciar nas conjunturas de Santa Cruz do Capibaribe.

Informações: Durante o final de semana, blogs do nosso estado trouxeram a informação que o deputado estadual Romero Albuquerque (PP), condicionou o apoio dos progressistas ao PCdoB em Olinda, caso os comunistas apoiem Fernando Aragão em Santa Cruz do Capibaribe.

Sem possibilidade: Presidente do Diretório Municipal do PCdoB em Santa Cruz do Capibaribe, Paulinho Coelho, afastou tal possibilidade afirmando em nota que “Os diretórios municipais do partido não são moeda de troca entre si, não construímos nossas alianças com base em barganhas ou ameaças. Em Santa Cruz do Capibaribe, o PCdoB está construindo uma chapa para a disputa das eleições proporcionais ampla, plural e comprometida com o município, que compreende que o melhor caminho é o apoio à pré-candidatura de Helinho Aragão e a composição com o PSB, nosso aliado histórico”.

Na política…: Apesar do respeito que temos na fala do presidente do diretório municipal do PCdoB, necessário apontar que já vimos ocorrer de tudo na política. Nesse contexto, vamos aguardar os próximos capítulos dessa novela.

Mestre: O PP não é do nada uma das maiores bancadas na ALEPE e no Congresso, seus líderes sabem negociar como ninguém. O PP tem um tempo de guia invejável, mas por outro lado, sozinho em uma cidade feito Santa Cruz terá muita dificuldade. Por tanto, vamos ver até onde essas articulações do PP irão conseguir chegar e beneficiar seu pré-candidato na cidade.

29
abril

Resumório – A Coluna do Professor Tenório

​RESUMÓRIO

 

ETIQUETA EM TEMPOS DE QUARENTENA – Como seria uma cartilha de etiqueta em tempos de pandemia? Acho que seria mais ou menos assim: não dar publicidade a doações, não fazer questão de ser citado em lives de artistas, não fazer politicalha, não dar ouvidos ao que o presidente Jair Bolsonaro fala e não divulgar implante capilar feito em outro estado. Seguir as recomendações da OMS, decretos estaduais e municipais, acrescentando gastar de forma consciente os seiscentos reais do auxílio emergencial do Governo Federal.

FIM DO DISTANCIAMENTO SOCIAL – De forma maldosa, algumas pessoas postam nas redes sociais que o distanciamento social acabará quando o Náutico for campeão ou o Palmeiras ganhar um mundial. Seguindo essa linha de raciocínio, já imaginaram se o fim do distanciamento social só acontecesse quando o prefeito Edson Vieira terminasse as quadras do bairro Santa Filomena e aquela lá ao lado da Escola Maria do Socorro Aragão Florêncio? Quando o Governo do estado concluísse a obra na Ponte Velha ou conseguisse levar água encanada para todos os bairros de Santa Cruz? Pior, já imaginaram só acabar quando a prefeitura calçar a rua do bar de Marcos na Palestina ou Jessyca concluir a arrumação no guarda roupas? Melhor nem pensar nessas possibilidades, afinal, quase tudo um dia acaba…

FIM DA DISTRAÇÃO – O BBB 20 foi o maior de todos. Era a distração de alguns dos nossos políticos em tempos de covid-19. Não sei se gostaram do resultado final nem sei para quem Alan, Dida Helinho e Fernando estavam torcendo. Um dia desses, uma grande liderança política da cidade estava fazendo vídeo para grupo de gincana escolar, não seria absurdo um vídeo de nossos pré-candidatos torcendo para Telma, Rafa ou Manu. Quem bom que não aconteceu.

O PRÓXIMO – Depois da exoneração do Mandetta e a saída de Sérgio Moro, a pergunta que não quer calar é quem será o próximo ministro eliminado do paredão do clã Bolsonaro. A saída dos ministros é a única demonstração favorável ao isolamento que o presidente Bolsonaro tem mostrado.

ADIADO – E a inauguração do hospital de campanha de Santa Cruz do Capibaribe foi adiado mais uma vez, ficou para próxima sexta-feira (1). Não chega a ser como a análise do auxílio emergencial do Governo Federal, mas está demorando um pouco. Pelo menos, será um hospital bem equipado, diferente do que foi inaugurado em tempo recorde em Toritama e bastante criticado por um vereador da oposição.

AINDA REPERCUTE – Esta semana ainda repercute a ínfima quantidade de material para saúde de Santa Cruz enviada pelo Governo do Estado para o combate ao coronavírus. Segundo governistas, foram enviados apenas 5 litros de álcool, 4 litros de álcool em gel, 1.500 máscaras, 50 toucas, 12 caixas de luvas com 50 pares, 8 óculos e 20 aventais. Pelo que se viu, veio também muita falta de consideração e bom senso.  Faltou do governador a generosidade vista nas lives. Toda ajuda é claro e evidentemente bem vinda, mas essa quase coube num bisaco.

A DESCULPA – Qual a desculpa que nossos políticos vão dar a população que está sem água nas torneiras agora? Não se pode mais culpar a seca, pois as barragens estão cheias. Um dos principais grupos políticos da cidade é aliado do governador e o outro era aliado pouco tempo atrás. Já que não conseguem trazer a tão prometida e sonhada água, que pelo menos arrumem uma bela desculpa para não ficar escancarado a falta competência e de representatividade. Pedir voto de cara lavada não será nada fácil este ano.

PAUTAS REQUENTADAS – Nessa quarentena está tão difícil novidades na cena política que o prato do dia é bastante requentado. O lado azul reclamando do pouco material enviado pelo Governo Estadual para saúde e uma ala do lado vermelho querendo explicações sobre onde foram gastos os milhões da folha de funcionários que o Bradesco pagou ao município em dezembro de 2019.

 ,

“Não me queiram mal. Apenas pensem nisso, enquanto lhes digo que fica o dito para ser rido.”

24
abril

Artigo – Por Adriano Oliveira

O ADIAMENTO DAS ELEIÇÕES

 

As eleições municipais de 2016 foram disputadas com crise econômica. Foram inúmeros os prefeitos que utilizaram a referida crise para justificar que não foi possível fazer mais. O sucesso de tal estratégia foi repetida por variados candidatos aos governos estaduais na eleição de 2018. Mas uma vez, a crise econômica permitiu o sucesso de variados competidores.

Neste ano, a crise econômica estará presente na eleição. Mas não só ela. As crises psicológica, política e do sistema de saúde também. A Covid-19 contribuiu para o reforço das crises citadas. O crescimento pífio da economia brasileira no ano de 2019 ofertava condições para a nacionalização da disputa municipal. O presidente da República governa em constante conflito com o Parlamento e governadores. O medo do desemprego e a percepção de que “as coisas já foram melhores” foram detectados por pesquisa qualitativa entre os eleitores antes da Covid-19. A saúde pública tem sempre destaque quando pesquisas quantitativas revelam o principal problema da cidade.

A quarentena parou o Brasil. Setor produtivo, profissionais liberais e trabalhadores informais esperam, ansiosamente, o retorno ao trabalho, pois a renda diminuiu ou desapareceu. Pesquisas revelam que as pessoas, em sua maioria, temem ser infectadas pelo Covid-19. A agenda da opinião pública é única: coronavirus. Tenho a hipótese de que o Covid-19 pode modificar as crenças da população. Após o declínio da curva de pessoas infectadas pela Covid-19 é possível que nova quarentena venha a ser necessária. O presidente Bolsonaro produz diariamente crises dentro da crise do coronavirus.

Como pedir votos logo após ao ápice da crise do coronavirus? Campanha eleitoral é contato físico, emoção, alegria, reuniões para a construção de alianças, olho no olho. Apesar da grande importância das redes sociais, nada substitui uma caminhada pelas ruas que foram calçadas, um abraço na dona de casa, um aperto de mão, um sorriso para a criança, uma frase de efeito numa reunião ou em um programa de rádio. Eleição exige conversa franca com eleitores e propostas exequíveis para as suas demandas.

Considerando que o número de vítimas do Covid-19 comece a declinar em maio, junho, julho e agosto serão meses decisivos para o controle da epidemia. Portanto, não é adequado começar a campanha eleitoral em agosto. Por consequência, não é possível ocorrer eleição em outubro. É necessário o adiamento da eleição municipal para novembro de 2020, quando será possível, teoricamente, abraçar o eleitor.

;

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

22
abril

Resumório – A Coluna do Professor Tenório

​RESUMÓRIO

.

TODA SEMANA – E o que não está faltando durante a pandemia é live de artistas para todos os gostos e denúncias sobre emprego de recursos públicos em Santa Cruz do Capibaribe. Não tem uma licitação que passe despercebida, não importa se é para advogados, para torneio de futebol, publicidade ou calçamento. Sempre haverá um vídeo e uma live da oposição remoendo o assunto.

COMPETITIVIDADE – Na live do Safadão, teve abraço para o prefeito Edson Vieira. Automaticamente, as pessoas já se perguntavam se na live de Bell Marques iria ter abraço para o deputado estadual Diogo Moraes. Até onde vai a competitividade, a rivalidade e o ego das pessoas?

AS LIVES – Na terça-feira, teve live de Sandy e Júnior no mesmo horário da de Oswaldo Montenegro, emendando com a de Nando Reis. Com tanta música arretada tocando ao mesmo tempo, ainda tinha gente preocupado com a doação de cem mil máscaras na live dos Amigos na Vila Mix, segunda-feira.

SOB CONTROLE – A preocupação de algumas pessoas era se a quantidade de máscaras e EPIs na cidade de Santa Cruz do Capibaribe estava satisfatória, pelo fato da empresa do pai e irmão do prefeito terem feito uma doação de cem mil máscaras durante uma live. Mas é claro que está! Se no dia 12 de março o prefeito anunciou um pacote de mais de 20 milhões em investimentos para a cidade, vendeu sabe-se lá por quanto a folha de pagamento dos funcionários públicos municipais, que era na Caixa, para o Bradesco, suspendeu os contratos dos professores e estima gastar oitocentos e cinquenta mil reais com publicidade em oito meses. Se não sobrasse uns trocados para comprar máscaras e EPIs para o combate ao coronavírus seria um lapso gerencial muito grande.

DE TODO PREÇO – Santa Cruz do Capibaribe conta com uma impressionante variedade de máscaras. Descartável, lavável, lisa, estampada, no precinho e com preço salgado, feito o complemento de calçamento das Ruas Manoel Lucas Araújo e Tereza Chagas, denunciadas pela oposição. Variações de preço na confecção e nos serviços públicos são sempre presentes nas pautas locais.

VOTO VERDE – Se árvore votasse, o pré-candidato Alan Carneiro estaria eleito. Ele vive pedalando pelo meio do mato, em contato com a natureza. Mas deve ser apenas durante esse período de distanciamento social já que não se pode fazer malas, visitas e nem pedir voto nas casas.

PIOR DO QUE ESTÁ, FICA – Para os vereadores, pior do que uma pandemia só uma pandemia com ações do não querido advogado André Tadeu junto. Além de ação popular na cidade de Jataúba, o conhecido advogado também entrou com mais uma ação para suspender o reajuste de salários dos vereadores, prefeito e vice-prefeito de Santa Cruz do Capibaribe, aprovado no mês de dezembro. A população adora, já os parlamentares não gostam nem de tocar no assunto.

HOSPITAIS – O morador de Toritama que estiver acometido por alguma síndrome respiratória aguda merece ser atendido no hospital de campanha que o prefeito Edilson Tavares apresentou ao povo, ganhando repercussão estadual. O mesmo morador, com a mesma síndrome, não merece ser atendido no hospital de campanha mostrado através de vídeo pelo vereador oposicionista Eduardo da Saúde. Detalhe, trata-se do mesmo hospital, apenas apresentado sob diferentes olhares. O tira teima vai ser quando o hospital for mostrado por algum paciente não contaminado pela paixão política (vírus tão contagioso quanto o coronavírus), pois os políticos sempre têm um jeito diferente de apresentar fatos e opiniões.

 ;

“Não me queiram mal. Apenas pensem nisso, enquanto lhes digo que fica o dito para ser rido.”

09
abril

As Curtinhas do Romenyck Stiffen

Um olho em 2020, o outro em 2022

 

20 a 22: É sempre comum ouvir a expressão que na política se vive uma eleição já pensando na próxima, 2020 não será diferente, pois temos muita gente vivendo 2020, mas de olho em 2022.

Pavimentando: O prefeito Edson Vieira (PSDB) já confidenciou a aliados e membros da imprensa que nutre o sonho de ser candidato a deputado federal em 2022. Contudo, sempre afirmando que a mesma só ocorrerá observando não prejudicar a cadeira de Alessandra Vieira (PSDB) na ALEPE, Edson vem pavimentando essa estrada e podemos ver novamente um filho da terra candidato a federal com condições reais de conquistar uma vaga no congresso federal.

Reorganizando: Outro a nutrir o sonho de conquistar uma cadeira no congresso federal é o Deputado Estadual Diogo Moraes (PSB), contudo o que observamos nos bastidores é o deputado reorganizando suas bases na região de uma forma que o levará a disputar em 22 a reeleição, havendo mudanças de peças de apoio em algumas cidades, a exemplo de Santa Cruz e Brejo.

Informação: Durante a semana, um político de nossa região havia nos passado a informação que o ex-vereador Galego de Mourinha (PP) estaria em conversas com lideranças do Polo de Confecções para pavimentar uma possível candidatura a deputado estadual em 2022, entre essas lideranças estaria nomes que apoiaram o deputado estadual Diogo Moraes em 2018, além de vereadores, e pré-candidatos que se filiaram ao PP em 2020.

Confirmado: Na manhã da quinta-feira, 09/04, conversamos com Galego de Mourinha e o mesmo nos confirmou a informação. Galego afirmou que vem entrando em contato com políticos da região e as conversas são animadoras e que irá intensificar sua caminhada visando 2022.

2020: Sobre a eleição de 2020 o mesmo disse que mantém sua palavra, se Fernando Aragão (PP) precisar do mesmo para vice o nome tá disposição, assim como candidato a vereador para ajudar a proporcional, mas já deixa claro que vai se apresentar em 2020 como pré-candidato do grupo a deputado estadual em 2022.

Presente: Galego de Mourinha afirmou que será uma figurinha fácil de ser encontrada na campanha de Fernando Aragão em 2020, pois sua principal intenção será ajudar Fernando vencer as mesmas, mas de forma paralela irá pavimentar sua candidatura durante o período para disputar 2022.

Vai conversar: Galego ainda nos confidenciou que irá mostrar seu projeto, com nomes da região que são potenciais apoios, a Fernando Aragão e o Deputado Federal Eduardo da Fonte onde conversará com os mesmos sobre a viabilidade do referido projeto.

Racha de 20 a 22: Perceptível que o grupo Taboquinha poderá ultrapassar uma década com problemas de “união”. Podemos modificar a expressão de “uma eleição pensando na outra”, para “uma briga pensando em outra”.

07
abril

Artigo – Por Adriano Oliveira

BOLSONARO APOSTA NO CAOS

 

As previsões econômicas para o Brasil após a crise do coronavirus é de retração econômica. O covid-19 está diariamente na mídia. A quarentena está presente. As pessoas, em sua maioria, temem ser contaminadas pelo coronavirus. O sistema de saúde público é precário. O governo Bolsonaro anunciou, tardiamente, medidas econômicas, mas, até o instante, elas não foram executadas.

Jair Bolsonaro sabe que a crise do coronavirus reduziram as suas chances para a eleição presidencial. Mas isto não significa que ele não possa recuperar popularidade. O presidente não estava preparado para enfrentar a crise do coronavirus. Ou qualquer outra. Portanto, resta a única opção, o caos.

O caos desejado pelo o presidente da República, o qual, equivocadamente, ele enxerga como a única saída, isto é, a salvação do seu mandato presidencial, tem as seguintes características: (1) população nas ruas clamando por alimentos (saques), (2) rebeliões em presídios, (3) panelaços nas janelas contra o seu governo, (4) paralisação dos caminhoneiros, (5) desabastecimento de produtos para consumo, (6) conflito entre Polícia e comerciantes em razão do fechamento do comércio. Não necessariamente todas estas características estarão presentes em um único instante. Mas podem estar.

Diante do caos, o presidente Bolsonaro dirá: eu avisei! Responsabilizará governadores e imprensa. E convocará as Forças Armadas para uma intervenção, com apoio do Congresso e STF. Este é o cenário desejado pelo atual mandatário da República. O caos é possível de acontecer. Entretanto, não vislumbro apoio do Congresso e do STF ao presidente Bolsonaro em ambiente de caos. Resta o apoio das Forças Armadas. Estou cético ao que os militares fariam em ambiente de forte tumulto social.

O ambiente de caos tem também o poder de fortalecer o debate sobre o impeachment do presidente da República na sociedade, imprensa, Parlamento e STF. Mas, não só a tese do impeachment. A pressão para que o presidente Bolsonaro renuncie ao seu mandato poderá surgir. E, mais uma vez, indago: qual será a posição dos militares? Esta é a minha dúvida. Por enquanto, a cúpula militar no governo, trata o presidente como um filho rebelde que merece eterna compreensão.

O caos não é a melhor saída para o presidente.  A não ser, que ele tenha a certeza, de que os militares sempre estarão com ele.

,

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

30
março

Artigo – Por Adriano Oliveira

O MÊS DE ABRIL E O CORONAVÍRUS. O QUE ESPERAR?

/

É consenso entre economistas de que a economia brasileira sofrerá recessão após a passagem do coronavirus. O que não se sabe, ainda, é qual será, exatamente, a queda do PIB neste ano. O enfretamento ao coronavirus trará impactos psicológico e social para os indivíduos. Um “novo” eleitor tende a surgir, independente da classe social. Que tipo de eleitor surgirá após a passagem do coronavirus? As pesquisas de opinião revelarão.

O sistema de saúde sofrerá estresse, mesmo com o isolamento. Gestores municipais precisam estar atentos a um ponto fundamental: O número de pessoas infectadas pelo coronavirus poderá começar a ter queda no final de abril e a vida começar a voltar ao normal em maio – Possibilidade/Cenário. Mas isto não significa, que cessará o porcentual de contaminados. Prevejo que o sistema público de saúde do município será demandado com frequência. E eleitores julgarão os prefeitos pela qualidade do sistema de saúde do município.

É possível que médicos venham a ser candidatos na eleição municipal. Disputarão os cargos de vereador ou prefeito. Os profissionais de saúde são atores principais no enfrentamento da pandemia do coronavirus. A saúde, em razão sua fragilidade histórica, e agora reforçada pela crise do coronavirus, é tema relevante para os eleitores. Portanto, profissionais da saúde, caso disputem a eleição vindoura, podem ter bom desempenho eleitoral.

Prefeitos estão tendo a oportunidade de conquistar, manter ou perder popularidade. Em dado momento, municípios, em particular, os médios e grandes, sofrerão contagem quanto ao número de infectados pelo coronavirus. A contagem do número de mortes ocorrerá também. Por consequência, prefeitos poderão ser cobrados. Por exemplo: o município A teve 60 infectados. E 10 mortes. E o município B, vizinho ao município A, teve 30 infectados e 2 mortes. Portanto, o desempenho do prefeito frente ao coronavirus será avaliado pelo eleitor e pela mídia.

O coronavirus reforça a nacionalização das eleições municipais em virtude das consequências do coronavirus para a saúde pública e a economia. Se faltarem empregos e renda, o eleitor reclamará do presidente da República. Diversos prefeitos já estão se antecipando, sabiamente, a este fato, e já estão, de antemão, cobrando ações do presidente da República para os mais pobres e a manutenção de empregos.

O presidente Bolsonaro tem optado pelo conflito durante a crise do coronavirus. O mandatário da República ainda não revelou como chegará renda para os pobres e desempregados. Portanto, é possível a desorganização do ambiente social em abril ou em maio – saques, por exemplo. Isto acontecendo de forma intensa, não será surpresa que o impeachment ou renúncia do presidente Bolsonaro venha a ser debatido com veemência entre atores institucionais, opinião pública e imprensa.

.

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

25
março

Artigo – Por Adriano Oliveira

APÓS O CORONAVIRUS

 

Serão as pesquisas de opinião que revelarão os sentimentos dos eleitores após a passagem do coronavirus pelo Brasil. Antes do referido vírus, a conjuntura nacional estava posta. O governo Bolsonaro não conseguia fazer a economia deslanchar. A notícia do PIB de 2019 colocou o ministro Paulo Guedes no centro das atenções. E o jeito de ser do presidente Bolsonaro não gerava confiança entre empresários nacionais e internacionais.

A popularidade do governo Bolsonaro estava estável. Duas variáveis provocavam estabilidade: o bolsonarismo e o antilulismo. Portanto, a ideologia, e não a economia, era a variável forte que mantinha a estabilidade da popularidade do atual presidente. Na eleição municipal, o presidente Bolsonaro chegaria como ator estratégico, em particular, nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste.

O cisne negro apareceu. O acaso. O coronavirus surge na China. E, rapidamente, se espalha pelo mundo. Quando o coronavirus desembarca no Brasil, o presidente Bolsonaro o relega. Com o passar do tempo, em virtude do excelente desempenho do ministro da Saúde, Luiz Mandetta, Jair Bolsonaro muda levemente o seu jeito de ser.

Toque de panelas, após o governo do PT, voltaram no governo Bolsonaro. Observem que as panelas tocaram após a imensidão de críticas que a imprensa fez ao comportamento do presidente perante o coronavirus. Portanto, é factível a hipótese de que o coronavirus, mais o desempenho pífio da economia, fizeram com que as panelas viessem a tocar novamente.

Como estará o governo Bolsonaro quando o coronavirus for embora? Existem dois cenários. No primeiro cenário, a popularidade do presidente da República fica estável ou aumenta em razão de que Bolsonaro mudou o seu estilo e enfrentou a pandemia do coronavirus com liderança e diálogo com os brasileiros, governadores e a mídia. As ações de Paulo Guedes protegeram os pobres

No segundo cenário, o presidente Bolsonaro não muda o seu jeito de ser, continua desdenhando do coronavirus, Mandetta continua a ser a voz racional, equilibrada e técnica do governo, e, por consequência, se torna referência na opinião pública. Com o adeus do coronavirus, os pobres, pequenos empresários e o PIB nacional reclamam intensamente das atitudes do governo Bolsonaro durante a crise do coronavirus. A popularidade do presidente Bolsonaro sofre queda.  E o seu apoio a competidores na eleição municipal é fortemente negativo. Qual cenário será realidade?

;

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

15
março

As Curtinhas do Romenyck Stiffen

Não disse, mas vai!

Expectativa: Durante a tarde do último sábado (14/03), foi gerado uma grande expectativa sobre o pronunciamento do vereador Helinho Aragão (PTB), no programa Oposição em Ação, na Polo FM. Os aliados do projeto Maia/Moraes esperavam o anúncio incisivo da pré-candidatura do mesmo a prefeito de Santa Cruz do Capibaribe.

O pronunciamento: Em conversa com alguns entusiastas do projeto, principalmente os que fazem parte da cúpula, os mesmos demonstraram certa frustração com a falta de contundência no pronunciamento do vereador. Helinho afirmou que passará por reuniões durante a semana, principalmente com membros da cúpula estadual do PSB, que serão primordial para sua decisão de se lançar Pré-candidato a prefeito.

Mas vai: Apesar de não ser contundente em seu pronunciamento, é dada como certa a pré-candidatura de Helinho, independente de PSB ou Governador. O vereador irá tentar até o último momento as garantias do PSB e Governador, mas caso não consiga, uma fonte que faz parte do projeto Moraes/Maia afirma que Helinho já comprou a ideia de se lançar candidato por outra sigla.

Destaques: O grupo Taboquinha passa na referida década por uma das maiores crises política de sua história, mas no meio desse fogo cruzado dois nomes se destacam, são eles: o vereador Carlinhos da COHAB e o Vereador Ernesto Maia, ambos, em suas alas adversas dentro do grupo, compraram a briga abertamente das pré-candidaturas de Fernando Aragão e Helinho Aragão, respectivamente.

Força: Contudo, mesmo com seu jeito exagerado e que não agrada uma boa parcela da população, o vereador Carlinhos da COHAB transborda, visivelmente, sua força política entre os eleitores da oposição. O mesmo consegue potencializar sua voz em relação ao combate do governo Edson Vieira (PSDB), e a estreia do seu programa “Oposição e Verdade”, na Santa Cruz FM, conseguiu ser um sucesso.

O racha: Por outro lado, o sucesso do programa “Oposição e Verdade” e a consolidação do programa “Oposição em Ação”, em meio à divisão dos integrantes do Grupo Taboquinha, assim como o conteúdo dos mesmos, mostra que o racha é irreversível.

Efeitos: Com eventos “espontâneos” dos grupos políticos da cidade crescendo a cada dia em malas e programas políticos itinerantes, assim como períodos de atos de filiações de lideranças importantes da cidade, faremos as seguintes perguntas: esses eventos continuarão, mesmo com a disseminação do coronavírus? Os grupos estão preocupados com seus eleitores e incentivarão os mesmos a suspenderem esses atos “espontâneos” ?

04
março

Resumório – A Coluna do Professor Tenório

​RESUMÓRIO

 

ANDANÇAS – O carnaval dos pré-candidatos de Santa Cruz foi de muita andança no litoral, blocos e retiros, gastando a sola dos sapatos. Falo especificamente de Alan, Dida e Fernando, pois teve pré-candidato que ficou com ‘chinHelinho’, sem andar. E dependendo do desenrolar da eterna novela Taboquinha, fez certo.

O JOGO VAI SER JOGADO – Como dizem por aí, quem precisa encantar em fevereiro é escola de samba. O mês de março promete e já começou pegando fogo na política de Santa Cruz e região. Cada declaração e entrevista é um Deus nos acuda!

FALAR PELOS OUTROS – Essa historinha de falar pelos outros nunca deu certo. Em Taquaritinga, o prefeito Lero disse em entrevista que o secretário e ex-prefeito Evilásio seria seu vice em 2020. Ele só esqueceu de combinar com o Barak Obama do Nordeste que, além de não ter gostado da fala, ainda se lançou como pré-candidato a prefeito também.  Não chega a se comparar com a novela Taboquinha não, mas a união do grupo de situação na Dália da Serra vive dias difíceis mais uma vez. Não deu pra entender muito bem as colocações de Evilásio em algumas entrevistas sobre a administração de Lero e a sucessão. É tipo, é boa, mas é ruim ou é ruim, mas é boa.

APARECEU – O Brasil recebeu ontem cinquenta ararinhas-azuis da Alemanha, ave que estava extinta no nosso país. Outro ser que estava desaparecido também foi anunciado ontem, falo do pré-candidato a prefeito pelo PSB em Santa Cruz do Capibaribe. De acordo com o deputado Diogo Moraes será Helinho Aragão e está tudo certo. Será que foi resolvido no meio do Galo da Madrugada com o Governador Paulo Câmara?

ELES VÊM AÍ – Também de acordo com o deputado estadual Diogo Moraes, Vai ter Helinho como pré-candidato, vai ter assinatura da ordem de serviço da cobertura da central de feiras, vai iniciar a obra da ponte velha, vai inaugurar a PE 160, o esgotamento sanitário, a chegada da água e ainda vai ter as vindas de Bell Marques e do ex-presidente Lula. Os próximos meses serão movimentados em Santa Cruz. E o bom seria se Lula e Bell viessem no mesmo dia, arrastando a multidão num trio elétrico. Uma coisa de cada vez, ter um pré-candidato do PSB já é um progresso para o grupo. Será que vai ter mesmo?

QUE MENTIRA, QUE LOROTA BOA – As especulações até terça à tarde davam conta que o Palácio do Campo das Princesas estaria inclinado a apoiar Fernando Aragão. Na terça à noite, Diogo Moraes disse que já estava resolvido a pré-candidatura de Helinho Aragão, inclusive tinha conversado com o governador Paulo Câmara sobre o assunto. Existe alguém mentindo muito nessa história. A mentira na política não é algo inédito, mas estamos diante de uma das grandes. Resta saber quem será ou seria beneficiado com essa lorota. De qualquer forma, o apoio do governo do estado iria para um Aragão. Se Helinho ou Fernando, só o tempo dirá. ‘Felhinho’ Aragão ou ‘Helhando’ Aragão seria a solução?

E AGORA JOSÉ? – A informação de bastidores sobre o apoio do Palácio para Fernando Aragão nos remete à conhecida pergunta, e agora José? Quem conhece o líder mor do clã Maia sabe que José Augusto nunca fica de braço cruzado diante de uma situação desfavorável. Até o silêncio dele fala, pois é e ainda será por um bom tempo peça fundamental no tabuleiro vermelho. Está em Brasília, provavelmente na luta pela emancipação / libertação, não de algum distrito, mas da dependência de uma sigla partidária não segura para disputa eleitoral de 2020.

QUE DESELEGANTE – Sobre o tom das entrevistas de Galego de Mourinha e Diogo Moraes esta semana, só podemos resumir com o bordão da jornalista Sandra Annemberg: “que deselegante”. Já não bastam alguns eleitores e militantes que disparam ofensas gratuitamente. Nessa pisadinha, não haverá vencedores e todos perderão a razão. Respeito é bom, preciso e necessário. Sempre.

MAIS UM CRISTAL QUEBRADO – Além de Ernesto Maia que declarou e reiterou que em 2020 não estará com Fernando Aragão de jeito nenhum, o outro cristal quebrado, que aparentemente não cola jamais, é referente à relação entre Luciano Bezerra e Edson Vieira. As imagens da estreia do Programa Independente, mostraram os demais integrantes à vontade, enquanto o ex-vereador e secretário não sabia onde colocar os braços na hora da foto ao lado do prefeito. É, o corpo fala.

ENQUANTO ISSO – Enquanto o conflito vermelho segue a todo vapor, as adesões verdes e a mala azul na Avenida 29 de Dezembro continuam crescendo a cada semana.

/

“Não me queiram mal. Apenas pensem nisso, enquanto lhes digo que fica o dito para ser rido.”

02
março

As Curtinhas do Romenyck Stiffen

Novela PSBxPP!

.

Chegando ao fim: A novela PSB x PP está chegando ao fim, mas não quer dizer que a novela Taboquinha esteja em seu capítulo final na temporada 2020, apenas, provavelmente, não veremos um confronto do PSB x PP.

Sem forças: Até o momento, o PSB não decola com nomes nas proporcionais, pois os vereadores Carlinhos e Joab já apontaram que irão para o PP, juntos com vários suplentes. Ernesto irá para o PCdoB, Deomedes não mostrou interesse de sair do PT. Por enquanto, apenas Toinho do Pará aponta permanecer no PSB e Júnior Gomes que dá sinais claro que não irá disputar a reeleição. Ronaldo Pacas, Marlos e Augusto ainda observam as movimentações.

Esperando: Como havíamos dito em Curtinhas anteriores, o vereador Helinho Aragão (PTB), de forma acertada, havia feito exigências e garantias para, só assim, lançar sua pré-candidatura. Entre essas exigências, o aval do Governador e a garantia da sigla do PSB para o pleito de 2020. Contudo, segundo informações de bastidores, o mesmo não teve ainda, as garantias e exigências atendidas.

Não terá: Uma pomba (Símbolo do PSB) de alta plumagem, diretamente do Recife, nos afirmou que essas exigências e garantias muito dificilmente serão atendidas, dentro de uma porcentagem altíssima, como diria o filósofo Safadão, sempre bom deixar pelo menos 1% vagabundo como garantia, até porque a política é dinâmica. No contexto de hoje, dificilmente Helinho lançará sua pré-candidatura pelo PSB.

80/20: A ala Maia/Moraes aponta que conta com apoio de 80% da cúpula política contra apenas 20% da ala de sustentação a Fernando Aragão. Contudo, pelas movimentações das peças nos bastidores, essa porcentagem vai mudar um pouquinho.

Na majoritária: Contudo, a informação seria de que o PSB não deixaria de fazer parte da Majoritária, a vaga estaria aberta para negociações e consolações.

Plano B: Segundo informações de bastidores, a ala Maia, de forma bem especifica, não estaria assistindo as movimentações de braços cruzados e que já teria um plano B, caso o PSB não confirme candidatura própria.

27
fevereiro

Artigo – Por Adriano Oliveira

BOLSONARO E OS MILITARES

 

Por que o presidente Bolsonaro militarizou o seu governo? Duas explicações plausíveis: (1) o presidente gosta do jeito de ser dos militares, é um militar reformado e admira os princípios e valores das Forças Armadas; (2) o mandatário da República utilizará os militares em algum momento do seu mandato.

O ex-presidente Lula agradou os movimentos sociais, os sindicatos e servidores públicos. Quando precisava, como, por exemplo, no processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, a esquerda convocava os atores agraciados pelo lulismo. E eles obedeciam, em parte, ao chamamento. Movimentos sociais ficaram em longa vigília em Curitiba à espera da soltura de Lula. No exercício do poder podemos agradar atores e, depois, se necessário, solicitar o socorro deles.

O presidente Bolsonaro solicitará, em algum momento, o socorro dos militares? A cientista política Maria Hermínia Tavares, em recente artigo na Folha de São Paulo, mostrou que na Venezuela do ditador Nicolas Maduro, 30% das pastas do governo são ocupadas por militares. No governo Bolsonaro, 40% das pastas são ocupadas por integrantes das Forças Armadas. Compreensível o porcentual do país vizinho. Afinal, Maduro é um ditador. Mas Bolsonaro não é. Por isto, desconfio das intenções do presidente Bolsonaro para com os militares.

O presidente Bolsonaro é considerado pelo mercado como um liberal. A presença de Paulo Guedes no governo sugere a presença do liberalismo. Mas os eventos revelam que as boas intenções de Paulo Guedes, embora o ministro tenha déficit de sensibilidade social, são encobertas por declarações de Jair Bolsonaro que contrariam princípios liberais. Vejam como o atual chefe do Executivo trata a imprensa, as vítimas de balas perdidas, a agenda ambiental, os parlamentares democraticamente eleitos. Todos são desrespeitados ou não recebem solidariedade.

Os militares têm razão de participarem do governo Bolsonaro. E tem razões para desconfiarem das intenções do presidente. O atual presidente não é liberal. E, por consequência, não tem como principio maior, a valorização da vida democrática. Desconfio, permitam-me a confissão, talvez exagerada, de que o presidente Bolsonaro tem a seguinte estratégia em mente: “Se um candidato da esquerda em 2022 ameaçar a minha reeleição, eu convoco os militares para dizerem em alto e bom som que a volta do PT ou de outro partido desestabilizará o Brasil”. Em 2018, o general Villas Boas usou o twitter para afirmar que as Forças Armadas estavam atentas as suas missões institucionais.

26
fevereiro

Resumório – a Coluna do Professor Tenório

RESUMÓRIO

 

REALIDADE – A quarta-feira de cinzas marca o início da quaresma e o fim da folia para muitos. Próxima segunda é dia de todos voltarem ao trabalho, dia de trocar o calor da praia pelo calor do Moda Center, dia de começar a reclamar do atraso na obra da Ponte Velha e conviver com os buracos e esgotos estourados da cidade.

POSTAGENS PREVISÍVEIS – Depois do TBT da próxima quinta, ainda cheios de mar, as redes sociais se esvaziarão do destino de todos no feriadão. Uma volta à realidade com inúmeras postagens da academia e muito moído na política.

INDEFINIÇÃO – Helinho não cravou se seria ou não pré-candidato outra vez. Com a indefinição, não será tão cobrado pela ausência na visita aos retiros e blocos de carnaval tradicionalmente acompanhados pelos políticos da cidade em ano eleitoral.

SLOGAN – Quando Helinho se decidir, em caso positivo, sugiro já aparecer com um slogan ou frase de efeito. Os concorrentes estão cheios de “gente da gente”, “Santa Cruz merece mais”, “esperança” e essas coisas que ajudam a iludir o povo.

DESTAQUES – O destaque nos litorais de Pernambuco e Alagoas foi o bloco “gente da gente”. Eles não brincam em serviço. E Dida cuide em aprender a entrar na dança, porque guerreou e aparentemente a situação está favorável.

NEM O PARARÁ ANIMA – Enquanto o bloco “gente da gente” fazia a alegria no litoral, Zé apresentava em suas redes sociais visitas na zona rural, mas sem um candidato no meio nem o parará anima. Ou Helinho define logo ou vocês cuidem em arrumar um pré-candidato para não ficar feio.

NOVO E VELHO – A proposta pode ser de novas atitudes, mas parece que o pré-candidato Alan Carneiro percebeu que para causar uma boa impressão precisa seguir os velhos hábitos, como por exemplo, visitar retiros e litoral. No fundo, no fundo ele sabe que não seguir determinados pragmatismos é tão perigoso quanto Cid Gomes numa retroescavadeira.

ALEGRIA TOTAL – E o carnaval é mesmo a festa mais alegre do planeta! Nem o envio de vídeo convocando para ato do presidente Jair Bolsonaro, a alta do dólar, queda nas bolsas de valores e a chegada do corona vírus ao Brasil foram capazes de tirar a alegria da galera.

,

“Não me queiram mal. Apenas pensem nisso, enquanto lhes digo que fica o dito para ser rido.”

16
fevereiro

As Curtinhas do Romenyck Stiffen

Fonte confiável

 

Fonte confiável: Mesmo quando o Deputado Estadual Diogo Moraes lançou sua pré-candidatura a prefeito no dia 29/12/2019, em um grupo de WhatsApp, afirmei que iria respeitar a pré-candidatura, assim como todas as outras, mas cravava naquele momento que a mesma não iria se concretizar. Isso graças a uma fonte que temos em Recife, uma pomba branca (símbolo do PSB), de grande influência, que nos deixou muito bem informada durante todo o tempo.

Confirmado: Na última sexta-feira, 14/02, o Deputado se reuniu com aliados e decidiram que iriam lançar o nome do vereador Helinho Aragão para fazer frente ao de Fernando Aragão (PP) nessa pré-campanha, decisão essa anunciada pelo deputado ao próprio Fernando no último sábado, 15/02. O curioso é que em ambas as reuniões citadas o vereador Helinho não esteve presente.

O coringa: Nas curtinhas da semana passada trouxemos dois tópicos com os seguintes títulos “O Coringa Taboquinha” e “Aceitação/exigências”, naquele momento estavamos falando justamente do vereador Helinho Aragão.

Reafirmação: Continuamos afirmando que Helinho será usado como uma espécie de coringa para ala liderado pelo deputado estadual Diogo Moraes (PSB) e José Augusto Maia e como no jogo de baralho essa carta que não possui alguma numeração, poderá ser representativa do zero ou até mesmo de qualquer outra carta. As informações dão conta que Helinho fez suas exigências, como falamos semana passada, entre elas a de algumas fortes garantias do PSB, o que não teve até o momento, só assim irá se filiar ao PSB no final da janela em abril.

Nova previsão: Assim como afirmamos que a pré-candidatura de Diogo não se concretizaria, nossa fonte (a mesma acima citada) nos afirmou que existe uma grande possibilidade de o PSB não ter candidato a prefeito em Santa Cruz, não cravou como quando afirmou com a pré-candidatura de Diogo, mas nos apontou por vários motivos tal possibilidade.

Respeito: Assim como respeitamos a pré-candidatura meteórica do deputado Diogo Moraes, iremos respeitar quem se lançar pré-candidato a prefeito pelo PSB, contudo irei dá mais um voto de confiança, merecidamente, a referida fonte. Deixando claro que não havendo uma pré-candidatura do PSB, a mesma não significaria nem de longe ser sinônimas de uma “união do grupo Taboquinha”, as feridas foram muito expostas e o racha tá claro.

Longe: Muita água ainda vai rolar por baixo dessa ponte e se engana quem achar que a situação taboquinha será resolvida no dia 4 de abril.  Assim como nas últimas eleições, o trauma será maior do que muitos pensam.

14
fevereiro

Artigo – Por Adriano Oliveira

O ELEITOR E O XADREZ POLÍTICO

 

Estamos às vésperas da eleição municipal. Os atores começam a se movimentar, sonhar com a vitória, e, alguns, desmerecem os adversários. Já estou acostumado. Existe candidato que acredita piamente que vencerá, pois a pesquisa mostrou que ele lidera. Tem mais de 40% dos votos. O outro parte do pressuposto, apesar de não liderar a disputa eleitoral, que vencerá, pois os seus possíveis adversários estão desarticulados. E, por fim, existe o candidato opositor que afirma categoricamente que vencerá a disputa, pois o prefeito está rejeitado.

São diversos os candidatos que esquecem o eleitor, decidem baseados apenas em pesquisa de intenção de voto e creem fortemente que prefeitos reprovados perdem a eleição. Estes mesmos competidores também podem desprezar o xadrez político. Candidatos não podem viver na ilusão. Ela leva a morte eleitoral. No final, o competidor derrotado chora, reclama das pesquisas, condena a estratégia. Talvez o derrotado tenha direito de reclamar. Porém, é importante ressaltar que o competidor pode ser o responsável pela sua derrota, pois não conseguiu enxergar os riscos para a sua candidatura e identificar os desejos do eleitor.

Os riscos eleitorais e os desejos do eleitor são apresentados através de pesquisas qualitativa e quantitativa. A variável intenção de voto, como sempre friso, é um mero indicador. A pesquisa qualitativa quando bem mediada e interpretada ofertará ao candidato os sentimentos e os desejos dos eleitores. Mostrará quem são os seus principais adversários. E definirá a narrativa da campanha eleitoral. A quantitativa referendará a interpretação dos dados qualitativos e mostrará as frequências dos desejos do eleitor e da posição do competidor entre os votantes.

As pesquisas também revelam como o candidato deve jogar no ambiente político. A verdade é que a eleição tem duas etapas, as quais podem estar atreladas ou não. A etapa 1 representa a conquista do eleitor. A etapa 2, o enfraquecimento dos adversários. O xadrez político funciona de maneira simples para quem é do ramo. Por exemplo: X deseja ser candidato. A sua candidatura ameaça o candidato apoiado pelo prefeito Y. Z, o candidato do prefeito, lidera a disputa, mas está empatado com V. Sem X, segundo as pesquisas, Z amplia o seu favoritismo eleitoral. E sem V, Z é franco favorito. A X é prometido pelo grupo político de Z, uma oportunidade eleitoral vindoura. Ou ao partido de X é ofertado espaço político. Fim do jogo: X não é candidato e Z vence a eleição, pois construiu um eficiente discurso estratégico e jogou bem o xadrez político.

,

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

12
fevereiro

Resumório – A Coluna do Professor Tenório

RESUMÓRIO

 

SANTA CRUZ MELHOR DO QUE TORITAMA – Toritama vem conseguindo se destacar nos últimos tempos, arrancando muitos elogios do pessoal aqui de Santa Cruz, elogios e ciúmes também. Não se pode negar o desempenho de encher os olhos, mas é preciso reconhecer que por aqui também tem muito trabalho e dedicação. São realidades diferentes, contextos e estilos distintos, mas podemos dizer que Santa Cruz do Capibaribe é melhor do que Toritama, pelo menos no quesito futebol Master Society. No último sábado (8), a equipe Pinocão de Santa Cruz venceu na final a Vithara Jeans de Toritama  por 3 a 2 de virada. Parabéns aos campeões! Quanto à política, deixo a avaliação de quem é melhor por conta de vocês leitores. Lembrando que tanto na política como no futebol, nem sempre o favorito vence e as viradas volta e meia acontecem para alegria de eleitores e torcedores. 

CIDADE VIVA – E finalmente a Palestina será contemplada com o projeto Cidade Viva, que terá seu visual totalmente modificado com muitas cores. O projeto contará com a participação e total apoio de uma especialista que se destacou no passado com uma pintura… de meio fio.

REUNIÕES SECRETAS – Tão mentirosas quanto um saci com duas pernas são as reuniões ditas secretas para se tratar de política em Santa Cruz do Capibaribe. As informações chegam tão rápido, que corre o risco do povo ficar sabendo mais dos assuntos tratados do que algum participante da reunião que tenha se distraído.

O  PRAZO – Comenta-se que o assediadíssimo vereador Helinho Aragão teria participado de uma reunião com Fernando Aragão e decidiu se posicionar “outra vez” no final de março. O prazo pode ter sido inspirado no chá de cadeira que o deputado Diogo Moraes deu em Galego de Mourinha, fazendo-o esperar de 11h30min até 17h25min para uma conversa no Recife, conversa que acabou não acontecendo.

PESQUISAS – E tem mais pesquisa eleitoral na cidade do que açaiteria, farmácia e barbearia. Tem de todo tipo, a gosto do freguês. Registrada sem divulgação, interna de um grupo, interna de outro e interna de grupo nenhum. Daqui uns dias você vai num mercadinho e pede um quilo de feijão e o resultado da pesquisa da semana. A pesquisa eleitoral tem o poder de despertar os sentimentos mais diversos, como por exemplo, animação, alegria, tristeza, decepção raiva e incredulidade. E mesmo quem não acredita tem vontade de ver.

DANÇA DAS CADEIRAS – É tanta gente mudando de grupo político que vejo a hora algum projeto esvaziar. Uma coisa é certa, assim como na brincadeira da dança das cadeiras, alguém vai sobrar e ficar em pé. Já são em média seis pré-candidaturas para majoritária e incalculáveis para proporcional. Só não entendo por que com tanta gente querendo o bem de Santa Cruz a cidade ainda está como está, tão carente de tudo.

EM DOBRO – As coisas boas da vida deveriam ser sempre em dobro. Dois salários no fim do mês, duas férias, dois Carnavais, dois São Joões e dois Natais. Não sei por que as pessoas implicam tanto com quem entrega ambulâncias e tratores em dose dupla.

EMENDAS – Aquela historinha que os prefeitos vão a Brasília com um pires na mão está caindo por terra. Toda vez que vão lá voltam com não sei quantos milhões na bagagem. Emendas de aliados não se perde uma, de adversários, volta e meia uma se perde no caminho.

.

“Não me queiram mal. Apenas pensem nisso, enquanto lhes digo que fica o dito para ser rido.”

05
fevereiro

Resumório – A Coluna do Professor Tenório

MAIS UMA – Semana passada, o prefeito de Toritama, Edilson Tavares, construiu e inaugurou a quarta escola em três anos de gestão, com direito a um discurso cheio de sugestas. Edilson disse que duvidaram que ele faria quatro escolas em em quatro anos e fez em três. Curioso que as empresas que constroem as escolas de Toritama começam e terminam a obra sem paralisar os serviços e sem falir. Os maldosos e apaixonados pelo lado vermelho da força dizem que parecido com o prefeito de Santa Cruz, só o primeiro nome nada mais.

O EVENTO – Na inauguração da escola, tinha mais gente do que inauguração de parque aquático com entrada grátis. No pingo de meio dia, um calor insuportável, e o povo batendo tanta palma que vi a hora cair o couro das mãos. De estranho mesmo somente a normalidade da roupa do vereador Morica, geralmente ele capricha na estranheza do look.

SE RECLAMAR É PIOR – Sei que alguns gestores das cidades da região ficam chateados ou enciumados com Edilson Tavares, mas se reclamar é pior. O prefeito de Toritama é trabalhador e sugesteiro demais. É discursando e dando sugesta, mandando recados para opositores e prefeitos da região. Sobre escolas, ele entrega a quarta dizendo que fará a quinta. Sobre os nove ônibus novos que entregou para frota da educação, ele diz que falta entregar cinco para frota da saúde. Sobre recursos de emendas, questiona se só chegam para Toritama. Ele é desenrolado.

A SAGA CONTINUA – A saga em busca da união Taboquinha continua sem sucesso. Na verdade, o grupo está tão sofrido quanto à PE 160 do Moda Center até Jataúba. Tomara que resolvam a situação o mais breve possível! Da estrada, claro, do grupo político, como dizem por aí, eles que lutem.

AFASTAMENTO EM DOSE DUPLA – Mais um secretário do governo Edson Vieira é afastado por recomendação do Ministério Público. O contemplado da vez foi o Secretário de Mobilidade, que liberou uma moto Pop aprendida sem os trâmites necessários. Foi proposto a assinatura de um Termo de Ajustamento de Conduta com o pagamento de uma multa de 30 mil reais. O secretário não aceitou e apresentará sua defesa. Se for para pagar 30 mil de multa, quando alguém pedir uma liberação é melhor presentear logo com uma moto zero do que inventar de soltar as que estão apreendidas.

RESPONSÁVEL – Com o afastamento do Secretário de Mobilidade, quem passa a responder pela pasta é Gilson Julião, Secretário da pasta que se chamava obras e hoje muita gente não sabe o nome, porque muda demais a nomenclatura. Bom que ele passa a responder pelos buracos da cidade e pelos veículos que caem nos mesmos buracos.

O LEITOR SUGERE, A GENTE COMENTA – Gilson Julião já poderia estrear na nova função resolvendo o problema da falta de mobilidade devido às placas publicitárias na Avenida 29 de Dezembro e no ex-giradouro da PE 160. As publicidades atrapalham os pedestres e tiram a visão dos motoristas. Um leitor do Resumório testemunhou um pequeno acidente lá no antigo giradouro e ouviu os envolvidos reclamarem das placas publicitárias. Houve a falha dos envolvidos, sim, mas não custa ajustar e esclarecer o funcionamento dessas publicidades em espaços públicos. Desobstruir as calçadas das escolas e ocupar os canteiros da avenida, como disse alguém que não lembro quem, é mesmo que defecar e se limpar com papa. Já não bastam as calçadas de bares e lojas.

SOPA NA RUA – Começou a temporada de sopa na rua. Se você sair na calçada com o prato do jantar ou almoço é feio, mas se for uma sopa num prato de plástico numa mala política, fazem parecer bacana, cativante e da hora! Viva a política nossa de cada dia e seu efeito alucinógeno de encantar as pessoas.

PROBLEMA RESOLVIDO – Houve um ano em que se cogitou a não realização das tradicionais festas dos bairros devido questões orçamentárias. Pelos valores generosos que estão sendo dados como apoio a festas particulares, podemos acreditar que tudo foi resolvidos e as finanças vão bem, obrigado.

SAUDADE – O presidente da câmara de Brejo da Madre de Deus, Flávio Diniz, que era situação, mudou para oposição e foi eleito presidente da casa, sentiu saudade do antigo grupo político, fez uma nota mais poética do que explicativa e voltou para o grupo de situação. Tudo isso, com certeza, deve ser pensando único e exclusivamente no povo do Brejo. Eu acredito, não sei vocês, cidadãos brejenses de pouca fé. Para quem acompanha política, não deixe de ler a nota do Flávio Diniz, é diferente de todas que já se viu.

  .

“Não me queiram mal. Apenas pensem nisso, enquanto lhes digo que fica o dito para ser rido.” 

30
janeiro

Artigo – Por Adriano Oliveira

A SOMBRA DE BOLSONARO

 

O ministro da Justiça Sérgio Moro deveria ler, caso não tenha lido, o livro Tormenta, da jornalista Thais Oyama. É uma bela obra, pois desmistifica o presidente Bolsonaro e evidencia a sua principal característica: o atual presidente é um homem desconfiado. Segundo a referida obra, para o presidente Bolsonaro inexiste cooperação, ou melhor, política. Existem amigos e inimigos.

Até hoje eu não sei qual foi a intenção de Sergio Moro quando decidiu servir ao atual governo. Uma vaga no STF é uma possibilidade. A conquista da presidência da República outra. Porém, o ex-magistrado deveria saber que ele e Bolsonaro disputam o mesmo eleitorado. Desde o ano passado, neste espaço, revelei, em razão da disputa silenciosa entre Sérgio Moro e o presidente da República, que a estratégia ótima para o ministro da Justiça é sair do governo caso tenha como objetivo principal vencer a próxima eleição presidencial. Se o desejo de Moro é o STF, o melhor é ficar no governo. Assim como a melhor estratégia para Bolsonaro é indicar Moro para a Suprema Corte.

Sérgio Moro pode ser um engodo eleitoral. Popularidade não representa voto. Pois Moro nunca foi político. É visto pelos eleitores como o homem da Lava Jato. Pesquisas do Datafolha divulgadas em dezembro de 2019 e em janeiro deste ano revelam que Moro é o ministro mais popular do governo e que tem alta confiança dos eleitores. Entretanto, pesquisas da Cenário Inteligência em cidades do Nordestes revelam que Moro, neste instante, influencia pouco o voto do eleitor nas eleições municipais. Ao contrário de Bolsonaro e de Lula.

Última pesquisa CNT/MDA revelou o aumento da popularidade do presidente Bolsonaro. A pesquisa também revelou que as expectativas positivas do eleitor para com a economia estão crescendo. Caso esta conjuntura continue estável ou tenha variação positiva, o atual mandatário da República continuará a ser um relevante cabo eleitoral em 2020 e um competitivo candidato em 2022. Portanto, se os eleitores de Moro e Bolsonaro são semelhantes, como bem aponta diversas pesquisas, qual são as chances de Moro em 2022?

Sérgio Moro e Bolsonaro como candidatos em 2022 é o melhor cenário para os candidatos de oposição ao bolsonarismo e ao morismo. Em particular para o candidato do PT. E uma grande oportunidade para um competidor do centro. Existem duas alternativas a Sérgio Moro neste instante: (1) ir para o STF ou (2) caso deseje disputar a próxima eleição presidencial, sair do governo e torcer para a derrocada da popularidade de Bolsonaro.

/

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

Notícias Anteriores


 




error: Copiando nosso texto?