05
dezembro

“Resumório!” – A coluna do professor Tenório


FINALMENTE – Até que enfim acabaram com a angústia, aflição, incerteza, nervosismo, expectativa e tudo mais que antecedeu a escolha do novo presidente da Câmara de Vereadores de Santa Cruz do Capibaribe. Foram muitas as sensações, antes, durante e depois. Se você perdeu algum detalhe, não se preocupe. Resumo tudo com a alegria, leveza e satisfação que Helinho e Capilé vão demorar a ter quando falarem nesse assunto.

O FILHO DE ZÉ – E o presidente quem é? É o filho de Zé! Isso mesmo, mais uma vez na política da ‘Terra da Sulanca’, o mundo girou em torno de um Maia. Augusto foi eleito vereador, Tallys foi candidato a deputado estadual. A presidência da câmara ficou também com um Maia. Alguém duvida que tenha um Maia na chapa majoritária de 2020?

RISOS – Após o surpreendente desfecho que culminou na eleição do vereador Augusto Maia para presidente da casa José Vieira de Araújo, prometo concluir as linhas de hoje sem digitar nenhum ‘kkkkk’, afinal, esta é uma coluna séria; tão séria quanto as promessas de Zé e Augusto de votarem em Helinho juntamente com a bancada de Edson.

MUDANÇA DE OPINIÃO – E mais uma vez, quem era ruim agora é bom e quem era bom ficou ruim. As oposições se juntaram e agora não tem mais oposição do Paraguai e oposição original. Os meninos de Zé que eram leves porque iriam se juntar com a bancada de situação já devem ser considerados pesados. A união ‘Zédson’ não aconteceu e Diogo Moraes, provavelmente, não é mais o grande inimigo de Zé Augusto, como bradado durante eleição de 2018.

O GRANDE VILÃO – Ernesto Maia mostrou mais uma vez que é o grande articulador da política municipal. Ele mostrou que tanto mata quanto intoxica, que tanto espalha quanto junta. Tudo depende da situação, do contexto, do humor, do alinhamento dos planetas e do que pretende fazer com o ‘Tchitchio’ Zé Augusto a curto, médio e longo prazo. Ernesto foi o responsável pela reviravolta que levou a vitória a chapa única formada por Augusto presidente, Ronaldo vice, Junior Gomes primeiro secretário e Carlinhos da Cohab segundo secretário.

UNIU SEPARANDO – Pode parecer contraditório, mas a astúcia de Ernesto é tão grande que ele consegue unir separando. Isso mesmo. Uniu as bancadas de Zé e Diogo para composição da chapa vencedora e separou a bancada de Zé, que aparentemente agora só conta com seu filho.

MAIS UMA PESSOA ENGANADA – No momento em que votou na chapa única, o vereador Capilé anunciou o rompimento político com Zé Augusto. Capilé descobriu que nem sempre dá para confiar na palavra de político.

ELE TAMBÉM NÃO – A vereadora Jessyca havia dito recentemente na tribuna da Câmara que não votaria em Ernesto Maia para presidente. Disse em entrevista no rádio que não teria problema em votar em Augusto. Quando parecia que a questão era apenas de sangue puro, ela teve a oportunidade de votar no filho de Zé e não o fez. Parece que ele só seria merecedor se fosse junto da bancada do prefeito.

PALAVRAS – Segundo informações dos bastidores, Augusto queria manter a palavra com os amigos Capilé e Helinho e abrir mão de ser presidente nessa conjuntura. Mas José Augusto Maia praticamente o obrigou a aceitar a presidência, constrangendo-o com palavras duras. No final das contas, Augusto foi eleito e não queria ser para manter a palavra com os amigos. Os amigos mantiveram a palavra e não ficaram nem na composição da mesa diretora.

O BATISMO – Augusto, Capilé e Helinho foram apresentados à política ontem, pelo menos a uma de suas faces mais sombrias. Antes, eles só ouviam as histórias das articulações, dessa vez fizeram parte da história. E o que eles poderiam dizer depois de tudo isso? Talvez o trecho da canção do Roberto responda essa pergunta: Se chorei ou se sorri, o importante é que emoções eu vivi.

FIM DE JOGO – José Augusto Maia conseguiu na tarde da terça-feira (3), ao eleger seu filho para presidente da Câmara de Vereadores, enganar a bancada de Edson Vieira e acabar com o belíssimo campeonato de PlayStation que os amigos Capilé, Helinho e Augusto costumam disputar juntos. Acho que não tem mais clima para esse outro tipo de jogo, vai que Augusto vença os dois mais uma vez. A amizade ficaria em xeque.

TUDO E NADA – O vereador Helinho passou de favorito a esquecido na composição da nova mesa diretora. Que fique a lição para 2020, já que seu nome também foi cogitado para disputar a prefeitura na próxima eleição municipal. Ele foi o presidente Gasparzinho.

“Não me queiram mal. Apenas pensem nisso, enquanto lhes digo que fica o dito para ser rido”

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Notícias Anteriores