17
abril

Procuradora pede tornozeleira eletrônica para Eduardo da Fonte


Em nota, deputado considera ‘absurdo’

Fotos: Arquivos o blog.

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, requereu ao Supremo Tribunal Federal (STF) uma ordem para que o deputado federal Eduardo da Fonte (PP) passe a ser monitorado através de uma tornozeleira eletrônica e que seja obrigado a ficar em casa após as sessões na Câmara dos Deputados. O pedido foi enviado na segunda-feira (15).

O deputado foi votado em Santa Cruz do Capibaribe, nas últimas eleições. Em 2014 conseguiu 7511 votos.  Já em 2018 alcançou 1.285 votos na Capital da Moda.

Deputado Eduardo da Fonte esteve presente em Santa Cruz nos últimos pleitos eleitorais.

Eduardo da Fonte é acusado de corrupção e lavangem e dinheiro. Segundo a PGR estaria obstruindo o trabalho judicial, oferecendo dinheiro às testemunhas para que desqualificassem as investigações.

No pedido, ela também pede que ele seja proibido de manter contato com testemunhas dos fatos apurados na ação penal em andamento.

Em nota, o deputado considerou a solicitação, um ‘absurdo’. Confira:

O pedido da Procuradoria Geral da República é absurdo e fere não apenas a liberdade do réu, mas o direito à ampla defesa e ao contraditório. A solicitação confunde peritos contratados pela defesa com testemunhas pagas para atribular as investigações é tese inaceitável. Na condição de experts, os peritos foram contratados para aquilatar a qualidade do material probatório que consta na ação; nunca para constranger os trabalhos da Justiça. Tanto o deputado Eduardo da Fonte quanto seus advogados têm certeza de que este pedido, totalmente equivocado, não será acolhido pelo Supremo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Notícias Anteriores