24
novembro

As curtinhas do Romenyck Stiffen

Os Grandes Duelos!

 

Reflexos: Há um bom tempo estamos percebendo e debatendo que o afastamento entre PSB x PSDB no Estado de Pernambuco está refletindo na relação politica entre o Prefeito de Santa Cruz do Capibaribe, Edson Vieira (PSDB), e o Deputado Estadual Diogo Moraes (PSB).

Efeito dominó: Esse mal-estar entre Edson e Diogo está ocasionando um efeito dominó na bancada de Situação e na última sessão ordinária presenciamos o aperitivo de grandes duelos que teremos a partir de agora entre Jessica Cavalcante (PTC) versus Júnior Gomes (PSDB).

Gestos (I): A vereadora Jéssica em seus discursos colocou o grupo na grade e mostrou o que Edson já fez para diversos membros do Grupo, entre eles: Júnior Gomes, hoje o maior calo no sapato do prefeito Edson no momento.

Gestos (II): A reposta de Júnior a Jéssica, respectivamente a Edson, é de que os gestos foram mútuos, estando ao lado e dando apoio ao prefeito a mais de 20 anos, nos tempos ruins e bons.

Esperando: Vários vereadores Boca Preta estão esperando as definições para 2018 e principalmente saber quem será Edson Vieira sem a caneta na mão a partir de abril do ano que se aproxima. Será nesse contexto que os parlamentares de situação irão se definir entre Edson e Diogo.

Insustentável: Podemos analisar dentro dessa conjuntura que o rompimento entre Edson e Diogo está mais próximo do que muitos imaginam.

;

As opiniões e informações aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

21
novembro

Artigo – Por Adriano Oliveira

A ILUSÃO DA INTENÇÃO DE VOTO

 

Um candidato, independente da data do dia da eleição, quando opta por realizar pesquisa, tem a intenção de voto como exclusiva preocupação. Segundo os candidatos, a intenção de voto apontará as suas chances de vitória na futura eleição. A intenção de voto é a ilusão de ótica dos candidatos.

Um homem está à beira do mar. Do litoral, ele enxerga uma ilha. O guia conta ao homem que nesta ilha existe belo resort. A gastronomia é fantástica. O conforto esplêndido. De longe, o homem enxerga os coqueiros da ilha. O telhado do resort. Um pouco de fumaça. O homem, ávido por férias, conclui que a ilha é maravilhosa. Contudo, ao chegar à ilha, o homem encontra a frustração.

A história contada serve para ilustrar a ilusão da intenção de voto. O candidato X encomenda uma pesquisa, e descobre que tem, hoje, 25% de intenção de votos. O seu suposto concorrente, Y, 12%. O candidato X conclui que é competitivo. O suposto candidato competitivo desprezou a variável básica: o nível de conhecimento de Y. E duas vitais: As condições em que a eleição de 2018 ocorrerá e os desejos do eleitor.

Se o candidato Y é pouco conhecido ou desconhecido, é óbvio que ele tende a ter baixa intenção de voto. Em qual condição a eleição ocorrerá? Pesquisas revelam que eleitores ainda reconhecem a permanência da crise econômica. Entretanto, em 2018, ocorrerá recuperação da economia? O governador Platão tem baixa aprovação entre os eleitores. Em 2018, os eleitores continuarão a reprovar, majoritariamente, o governo de Platão?

Quais os desejos do eleitor? Os eleitores de Júpiter têm o sentimento de que o governo está parado ou que sumiu e, por consequência, não enfrenta os problemas e não mostra disposição para atender as demandas da população. Portanto, eleitores desejam mudança de governo. Eles têm esperança de que um novo governo fará com que Júpiter sai da inércia, avance.

As pesquisas de opinião, qualitativas e quantitativas, têm condições de identificar os desejos do eleitor. Em conjunto com a análise de diversos dados é possível construir cenários evidenciando em quais condições a eleição vindoura será disputada. O eleitor está imerso no ambiente social, faz escolhas influenciado por ele, e sofre empurrões advindos das estratégias eleitorais. Portanto, candidatos sábios relegam, neste instante, a intenção de voto. Mas desejam decifrar os desejos do eleitor e em que condição a eleição futura será disputada.

.

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

20
novembro

A sua coluna esportiva – Por Elivaldo Araújo

Central de Caruaru começa a montar elenco para o Estadual 2018

 

Estreia com derrota: A seleção de Santa Cruz do Capibaribe estreou com derrota na terceira fase da 12ª Copa TV Asa Branca de Futsal. A equipe perdeu por 5 a 2 para a seleção de Sertânia. Com o resultado, o time do Sertão precisa de uma vitória simples para garantir a vaga. Já o time da Capital da Moda, precisa vencer Brejo da Madre de Deus e torcer por uma combinação de resultados.

Badminton em destaque: O Badminton de Brejo da Madre de Deus vem se destacando na região. Neste fim de semana, foi realizada em Arcoverde, a 5ª Etapa do Campeonato Pernambucano da modalidade. Brejo disputou o campeonato nas categorias Sub 11,13 e 15. O grande destaque foi atleta do Sub-13, Jefferson Matheus, que vem cada vez mais conquistando resultados importantes para o Agreste.

Dever cumprido: A categoria de base do Ypiranga encerrou a sua participação neste fim de semana no Campeonato Pernambucano Sub-15 e Sub-17. No sábado (18), a equipe foi até Caruaru e, pelo Sub-15, a Maquininha empatou em 2 a 2 contra o Caruaru City, já pelo Sub-17, a equipe venceu o Caruaru City por 2 a 0. Com os resultados, o Ypiranga acabou sendo desclassificado da próxima fase, ‘mas o melhor de tudo é que os frutos foram colhidos’.

Elenco sendo montado: Restando menos de dois meses para o Campeonato Pernambucano de Futebol 2018, o Central já começou a se reforçar e já contratou a metade de um time, além de parte da comissão técnica. Para o elenco, a diretoria já anunciou os nomes de Murilo Prates, Murilo e Denis (G), Dudu Gago (LD), William Paulista (Z), Graxa e Douglas Carioca (V), Danilo Romão e Lucas Silva (M). Já a comissão técnica contará com Odair Mourato (prep. físico), Luiz Henrique (auxiliar) e o Mauro Fernandes (treinador).

.

As opiniões e informações aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

15
novembro

Resumório! A coluna do professor Tenório

A IDA DOS QUE FICARAM – O vereador Joab afirmou que vai permanecer no grupo de situação. Isso antes de saber da saída de Bruno Araújo do Ministério das Cidades. A ida do vereador para “outro grupo” está temporariamente adiada. Bruno sai e Joab fica, mas não esqueçam daquele 1%… Ronaldo não recebeu nenhuma proposta oficial, mas se houver e for para o bem do povo, vai conversar e pensar…

A CASA CAIU? – Caiu sim, mas só pela metade. O PSDB perdeu o “caminho para casas” aqui em Santa Cruz e região. Segundo informações colhidas recentemente, pelo menos 600 das casas prometidas estão garantidas para Santa Cruz, independentemente do Ministro que sai e do que entrará.

CENSURADO – Propaganda de Diogo Moraes na Central de Feiras foi vetada devido uma denúncia da oposição. Os sete vereadores da oposição não fizeram e nem têm conhecimento sobre essa denúncia. A pergunta é: quem hoje é oposição ao deputado? Uma coordenação de CIRETRAN por uma propaganda na feira de frutas? No xadrez, isso corresponderia a uma Rainha por um Peão. Será que na campanha de Diogão vão tocar aquela melodia: “Só não sabia que pra se fazer o bem, causaria tanta inveja em alguém…”

VOTO, MAS NÃO DEFENDO – Até o presente momento, Diogo Moraes conta com o voto de muitos e a defesa pública de poucos. Apesar da crítica de alguns servidores da prefeitura nas redes sociais ao deputado, tudo, exceto os fatos, apontam que a união segue firme e forte.

CRISE INFINITA – Desde que me entendo por gente que minha cidade passa por racionamento de água e crise na prefeitura. Demissão de contratado já era para constar em todo plano de governo de prefeituráveis, de tão comum.

PROTESTO E QUEIMAÇÃO – População de Pão de Açúcar fez um protesto por mais segurança para o distrito. Queimaram pneus, queimaram o asfalto e queimaram Paulo Câmara. Parece que os grupos políticos da Dália da Serra estão com o Governador. Tá faltando combinar com a população. Vamos esperar as urnas. Elas assim como resultado de exame de gravidez são aguardadas e surpreendentes. 

POLEMIZOU – Em entrevista a um conhecido blogueiro da cidade, o vice-PREFEITO de Santa Cruz criticou o “inesquecível” auxílio alimentação aprovado pelos vereadores da cidade e quando perguntado o que acrescentaria na administração se assumisse a prefeitura, disse que “gosta das coisas corretas, que é trabalhador e que com ele tem de trabalhar”. Sei lá se ele vai ser mal compreendido…

REPROVAÇÃO EM BAIXA – Da volta do serrote para cá, a popularidade de Temer deve cair ainda mais com a saída do ministro Bruno Araújo. Só falta a turma que vota em Bruno chamar o governo de Temer de governo golpista.

ALMA LAVADA – O pessoal que teve seu cartaz de protesto jogado no riacho Tapera pela equipe que fa a segurança do governador Paulo Câmara deve ter ficado de alma lavada quando viu a Polícia Federal na Casa Militar cumprindo mandado de prisão, conduções coercitivas etc. A gente protesta, mas é honesto, deve ter pensado algum dos donos de cartaz apreendido.

CONTRAPRPAGANDA – Muita gente que cobra maior divulgação do Moda Center Santa Cruz compartilhando postagens negativas do Moda Center em redes sociais. Natural na cidade das contradições. Só resta saber se é uma mera contradição mesmo ou se a velha e conhecida politicalha está no meio das discussões.

DIRETO DA REDE – “A nova lei trabalhista mal foi colocada em prática e já terceirizaram o Náutico e o Santa Cruz”.

“Não me queiram mal. Apenas pensem nisso, enquanto lhes digo que fica o dito para ser rido.”

13
novembro

Artigo – Por Maurício Romão

O PCdoB mirou na proporcional

 

O PCdoB é tido como um partido-satélite, que gravita na órbita do PT. Por causa desse histórico de atrelamento, o meio político se surpreendeu com a decisão dos comunistas de lançar candidato à presidência da República na próxima eleição, independentemente da já conhecida postulação petista.

As análises políticas que se seguiram ao inopinado anúncio centraram-se na especulação de que o sentimento majoritário entre os comunistas era o de que: (1) a candidatura do ex-presidente Lula, por impedimento judicial, não seria levada a cabo e (2) um eventual plano B petista (Fernando Haddad, Jacques Wagner, etc.) seria inviável eleitoralmente.

A compreensão esboçada neste breve texto sobre a candidatura do PCdoB não exclui a aceitação desses pontos interdependentes, mas entende que eles são parciais à medida que não contemplam também as conseqüências da reforma política 2017.

Os principais temas aprovados na reforma de 2017 foram o fim das coligações proporcionais (2020), a instituição de cláusula de desempenho partidário e a criação do fundo especial de financiamento de campanha.

A hipótese aqui aventada é a de que esses tópicos foram capitais para a decisão do PCdoB.

A cláusula estabelece requerimentos de desempenho dos partidos para terem acesso ao fundo partidário e à propaganda gratuita de rádio e TV. A medida entrará em vigor já em 2018, na eleição para a Câmara, e vai crescendo em exigências de desempenho até a eleição de 2030.

Para o pleito do ano que vem, por exemplo, os partidos terão de obter, no mínimo, 1,5% dos votos válidos, distribuídos em pelo menos um terço das unidades da federação, com mínimo de 1% dos votos válidos em cada uma delas; ou eleger pelo menos 9 deputados, distribuídos em pelo menos um terço das unidades da federação.

Vigorasse a cláusula na eleição de 2014 o PCdoB teria atendido a esses requisitos, mas apenas ligeiramente acima dos limites estabelecidos. Com efeito, o partido obteve 1,96% dos votos válidos e elegeu 10 deputados em 9 estados, cumprindo simultaneamente o requerimento geral de votos válidos e do número de deputados em um terço das unidades da federação (registre-se, por oportuno, que 7 dos 10 deputados foram eleitos em coligação com o PT).

Se, entretanto, as coligações também já fossem proibidas em 2014, os comunistas só teriam elegido 5 deputados, encolhendo sua bancada pela metade. Isso teria impedindo o PCdoB de ter acesso ao fundo partidário e ao tempo de rádio e TV.

Na perspectiva hipotética de vigência do novo fundo especial de financiamento de campanha, o partido teria reduzido também sua participação, já que 83% dos recursos são distribuídos em proporção aos votos válidos e ao tamanho das bancadas.

Infere-se daí, então, que a continuidade de papel coadjuvante do PT envolveria riscos de o partido comunista tornar-se mero figurante das contendas eleitorais, com restringidas perspectivas de ascensão ao Legislativo e de acesso a recursos partidários públicos.

Assim, tudo leva a crer que a decisão do PCdoB lastreou-se não só nas evidências de que o PT tem poucas chances de chegar à presidência em 2018, mas, também, nas implicações que a recente reforma política trará aos partidos de pequena dimensão eleitoral, incluídos os ideológicos.

O lançamento de candidatura a presidente, ainda que de pouca probabilidade de sucesso, tem o condão de tornar o PCdoB mais protagônico no processo eleitoral e catapultar as candidaturas proporcionais. Uma decisão de sobrevivência político-partidária.

;

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

09
novembro

As curtinhas do Romenyck Stiffen

No mínimo, um desgaste popular!

Desgaste – O advogado André Tadeu pode até perder todas as ações contra os vereadores de Santa Cruz do Capibaribe, mas no mínimo, ele causou um grande desgaste nos parlamentares. Vejamos:

A primeira ação – Após a primeira ação que solicitava redução salarial e concedida a liminar sobre a mesma, referente ao projeto aprovado em 2016 pelos vereadores, ocasionou a articulação dos parlamentares das bancadas de oposição e situação no que diz respeito à aprovação do auxílio alimentação.

O auxílio – Ficou muito claro que o auxílio alimentação pode ter sido utilizado como uma compensação salarial, mas foi crucial para um desgaste público sem precedentes em relação a nossa Casa de Leis e chamou a atenção da imprensa de todo o Estado.

Teve mais – Após esse episódio, André Tadeu entrou com diversas ações que ocasionaram verdadeiras sangrias nos vereadores. Foram elas: mais uma redução salarial; uma contra o auxilio alimentação e a mais recente: a redução no número de vereadores.

Temor – Essa última ação ocasionou muito temor em diversos vereadores, principalmente nos que estão ameaçados nos cargos. Essa situação foi sentida após um dos vereadores publicar por engano uma conversa em grupo de WhatsApp.

A conversa – Na conversa, o vereador afirma já ter conversado com alguns vereadores de oposição e situação para não haver a reunião ordinária desta quinta-feira 09/11/17, pois temiam a imprensa estadual e o público na sessão.

Não prosperou – A articulação do vereador não prosperou, pois em conversas com alguns parlamentares de situação e oposição, os mesmos afirmaram que a reunião ocorreria de forma natural.

Quais motivos? – Será que a articulação do vereador não prosperou devido o mesmo ter publicado a conversa em um grupo errado ou por não ter o apoio dos 10 vereadores que não sofrem risco de perca de mandato e ser quórum mínimo suficiente para que a sessão aconteça? Lembrando que as duas respostas também podem se completar, sem dúvidas.

.

As opiniões e informações aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

08
novembro

A sua coluna esportiva – Por Elivaldo Araújo

Final da Série A2: Pesqueira x Decisão

 

Pesqueira x Decisão: Hoje acontece a primeira partida que decidirá o acesso de apenas uma equipe para a disputa do Campeonato Pernambucano da Primeira Divisão 2018. O duelo desta noite será em Pesqueira às 20h, entre o time do mesmo nome da cidade contra o Decisão de Bonito. A partida de volta será no próximo domingo (12) em Bonito às 15h.

Touro no México: O paratleta santa-cruzense, Heleno Victor de Melo Silva, o Touro tem conseguindo conquistas importantes para o nosso município. Em dezembro, ele irá competir no Mundial Paralímpico na Cidade do México, a disputa será entre os dias 2 e 8 no Ginásio Olímpico Juan de la Barrera, onde ao todo serão 17 brasileiros na disputa.

E a degola?: Não anda bem a situação dos clubes pernambucanos nas principais divisões do Campeonato Brasileiro de Futebol (A e B). O Náutico está praticamente rebaixado, porém ainda resta uma pequena esperança, a equipe precisará vencer os quatro jogos que restam e torcer por combinações de resultados. Já o Santa Cruz terá que pelo menos vencer três e empatar um, mas depende também de combinações, quanto ao Sport Recife, ele também que se cuide, mas só depende de si para se livrar da queda.

Em breve, o retorno: Quem se encontra se preparando para voltar aos ringues possivelmente em janeiro de 2018, é o santa-cruzense, Murilio Chacal, na categoria peso mosca (até 57 kg). Ele é detentor do título na categoria do último São Lourenço Fight (SLF), também do cinturão do Grand Fighting Championship (GFC), além de ter ganhado notoriedade ao participar do Shotoo 62’, que teve transmissão ao vivo pelo canal de assinatura COMBATE.

.

As opiniões e informações aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

01
novembro

Resumório – A coluna do professor Tenório!

POLÊMICA, DEMISSÃO E DESGASTE – O assunto que movimentou a semana teve como um dos principais protagonistas o conhecido e sempre tão elogiado Diego. Após uma badalada demissão, seu nome foi logo entrando na pauta dos principais meios de comunicação e redes sociais. A verdade é que Diego, mesmo sem ter a intenção, despertou revolta e decepção em muita gente. Mas o que esperar de um grupo que está afundando a cada dia? Embora alguns não acreditem em mim, sou um torcedor e entusiasta desse grupo, que tem muita gente boa e competente. Espero, sinceramente, que reencontrem o caminho das vitórias, com união, força e muito trabalho. Mas como a coluna é sobre política e não futebol, desejo que todos esqueçam a demissão de Luxemburgo, que Diego Souza supere a perda de dois pênaltis, que o Sport supere as recorrentes derrotas e consiga permanecer na série A. Voltando à política, desejo muito sucesso ao amigo Diego Bezerra, novo coordenador da CIRETRAN de Santa Cruz do Capibaribe. 

​​QUEM GANHOU? – A peitica Moraes/Vieira acirrou os ânimos dentro do grupo de situação. Já se escuta nas rodas de conversa da cidade a tradicional pergunta feita nos debates durante as campanhas: Quem ganhou o embate? Outra coisa que se escuta é: Se eu perder meu cargo, também ganho um desabafo do prefeito no rádio?​

MAR EM FÚRIA – A verdade é que as águas do mar azul já foram mais tranquilas. A tempestade Moraes deixou muita gente à deriva e sem saber para onde nadar. Espera-se que os próximos dias sejam de bonança. Se o mau tempo persistir, melhor vestir aquele coletinho AMARELO de salva-vidas e decidir a hora certa de pular do barco.

REASSINATURA – O Governador Paulo Câmara veio terça-feira (31), para cerimônia de reassinatura da ordem de serviço para retomada da duplicação da BR 104 que parece que vem de ré, nunca vi demorar tanto pra ficar pronta. O evento foi realizado às margens da BR, sem sinal de celular e internet. Provavelmente para evitar articulação de protestos. Pelo menos lá não tinha Rio por perto pra jogarem os cartazes.​

CARTAZ PROMOCIONAL – Agora que os dois principais grupos políticos de Santa Cruz fazem oposição ao governador Paulo Câmara, seria natural encontrar no bazar promoção de placas: Não queremos suas migalhas! Pague uma e leve duas, você escolhe se quer na cor azul ou vermelho. 

PALMÔMETRO – O aferidor de palmas durante a assinatura da ordem de serviço estava ligado e detectou que poucos políticos da região estão em alta. Detectou também que tem Minino precisando de umas palmadas para deixar de birra.

A FORÇA DA REDE – Nem PSB nem PSDB, forte é o rapaz da REDE de Pão de Açúcar. Nem na vinda do Governador Paulo Câmara ele retirou as redes armadas na entrada do distrito que tomam a visão dos motoristas que saem com destino a Taquaritinga e Paraíba.

TAPAS – O tapa-buraco da PE 160 avançou ainda mais da entrada da cidade até a ponte nova e surpreendeu a população que de tão acostumada com as crateras, ainda cai em buracos imaginários. Os condutores insistem em levar os carros para mecânicos consertarem suspensões boas e escutam batedeiras no carro que não existem. Outubro foi o mês do tapa. Taparam os buracos de minha rua, taparam até os formigueiros da beira da PE 160 e muita gente levando tapa de luvas.

SEM CONVITE – Alguns vereadores de Santa Cruz não foram convidados para visitação dos engenheiros na central de feiras e reclamaram.  A justificativa para o não convite a uma determinada figura foi o sol forte que poderia prejudicar a pele. Que tem gente tentando salvar a própria pele está claro. Só não me venham com um auxílio protetor solar. Inclusive, a coerência foi mantida, pois quem disse que o sol estragaria a pele estava lá na assinatura da ordem de serviço da duplicação da BR 104 de boné, claramente para se proteger do sol.

REDUÇÃO – O Advogado André Tadeu entrou com uma ação popular para reduzir o salário dos vereadores, entrou com outra ação para reduzir o salário ainda mais, entrou com mais uma ação para reduzir o auxílio alimentação e agora entrou com uma ação para reduzir o número de vereadores. O que vai sobrar para Tadeu tentar reduzir na próxima ação popular?

“Não me queiram mal. Apenas pensem nisso, enquanto lhes digo que fica o dito para ser rido.”

.

As opiniões e informações aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

31
outubro

Artigo – Por Maurício Romão

O PARADOXO DA REFORMA POLÍTICA

 

No bojo da revisão estava previsto, inclusive, um chamamento aos eleitores para decidirem, em plebiscito, quais seriam a forma (república ou monarquia) e o regime de governo (presidencialismo ou parlamentarismo) que deveriam vigorar no Brasil.

Como imaginar, dizia-se à época, uma mudança radical no arcabouço político-institucional do país sem uma grande alteração nas regras de voto, nas legislações eleitorais, nas organizações partidárias, etc.?  Tudo isso pressupunha uma profunda “reforma política”. Daí a origem do termo.

Após o plebiscito os debates sobre “reforma política” continuaram na ordem do dia e foram pauta das últimas seis legislaturas, começando com a de 1994-1997.

As temáticas abordadas no Congresso sob esse rótulo de reforma política -modificações na legislação eleitoral, na legislação partidária e no sistema de voto – configurariam mais propriamente uma reforma eleitoral. Entretanto, os meios de comunicação e a informalidade se encarregaram de dar aos dois conceitos o mesmo significado.

Um traço distintivo comum das mencionadas legislaturas, todavia, foi o de que grande parte do debate era despendida na tentativa de substituir o sistema proporcional de lista aberta vigente no país, identificado equivocadamente como o grande causador das crises que assolam a nação.

Registre-se, contudo, que tal debate se deu sem que tenha havido discussão mais aprofundada sobre o mecanismo em uso, cuja versão atual é praticamente a de 1945.

Como nas sucessivas legislaturas os modelos tradicionais (proporcional de lista fechada e os majoritário-distritais), candidatos a substituir o de lista aberta, não angariavam adeptos suficientes para aprovação, os parlamentares começaram a buscar alternativas em esdrúxulas propostas de variantes desses sistemas.

Nesse laboratório de experimentos apareceu de tudo: desde as mutações no proporcional (misto, misto em dois turnos, misto flexível, lista fechada, esta nas versões bloqueada, flexível e livre), passando por aquelas no majoritário-distrital (puro, misto e proporcional) e desembocando no majoritário-distritão (convencional, misto e proporcional).

Não é de estranhar que nenhuma das extravagantes sugestões encontrou respaldo suficiente no Congresso e as poucas (versões originais) que chegaram a plenário foram derrotadas no voto.

Mas esse foco magnificado na substituição do modelo eleitoral resultou numa associação de todo espúria: reforma política, praticamente, passou a ser identificada com mudança de sistema eleitoral: se a legislatura terminasse sem conseguir trocar de sistema de voto, não teria havido reforma política.

Tudo isso não obstante as relevantes mudanças nas legislações eleitoral e partidária acontecidas desde a revisão constitucional de 1993, derivadas do próprio Congresso e mais recentemente do Judiciário.

Agora mesmo, neste ano de 2017, os parlamentares, além da instituição de cláusula de desempenho partidário, promoveram a mais importante modificação no sistema de voto proporcional desde os seus primórdios (claro que só se voltaram para aperfeiçoar o modelo em uso depois de fracassadas as tentativas de impor o famigerado distritão).

Trata-se do fim das coligações proporcionais (2020) e da abertura para que todos os partidos possam disputar sobras de voto (2018), mesmo que não tenham atingido o quociente eleitoral. Com essas duas correções, o modelo vigente fica depurado de 90% de suas deformações.

Ainda assim, a sensação geral é a de que não houve reforma política, ou a de que ela foi irrelevante, cosmética, pífia. Daí a frustração coletiva…

Também pudera, nem bem foram publicados os textos da reforma de 2017 e o presidente do Senado já anuncia que vai destravar na Casa, nesses próximos dias, a antiga proposta de modelo distrital misto para eventual implantação em 2020.

A história se repete, mas com requintes perversos de uma grande tragédia…

.

*A expressão “reforma política” passou a ser empregada no país no âmbito das discussões da revisão constitucional de 1993 (Jairo Nicolau, Representantes de quem?, Zahar, 2017).

 

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

31
outubro

As curtinhas do Romenyck Stiffen

O homem de gelo!

Sangue frio – Não é de hoje que o deputado Estadual Diogo Moraes (PSB) mostra que faz política com sangue frio. Após oito anos, a história política se repete com Moraes e a estratégia adotada parece que será a mesma: mostrar tranquilidade, união com a principal liderança do grupo e que é o candidato do mesmo.

2010 – Na eleição de 2010, Diogo era vereador do grupo taboquinha, mas as vésperas das eleições tiveram uma quebra de braço com o líder do grupo, José Augusto Maia (Podemos). Maia não apoiava a candidatura de Moraes, contudo Diogo montou uma estratégia com seus aliados de não agredir Zé em público, tentado transparecer que era o candidato do grupo. A referida estratégia deu certa e as urnas foram generosas para Moraes.

2018 – Estamos às vésperas da eleição de 2018, Diogo é deputado estadual do grupo Boca Preta e, devido à conjuntura politica estadual que se desenha, o mesmo se encontra em uma quebra de braço com o líder do grupo, Edson Vieira (PSDB). Moraes aponta que montará a mesma estratégia política de 2010: não agredirá Edson em público e irá transparecer que é o candidato do grupo. Resta saber se a estratégia dará certo e as urnas serão generosas dessa vez.

Amenizando – Como um homem de gelo, Diogo Moraes vem tentando amenizar os desabafos do prefeito Edson Vieira contra o governador Paulo Câmara (PSB), assim como os desabafos dos aliados políticos do prefeito nas redes sociais.

Sinuca de bico – A postura política de Diogo, neste momento, deixou o prefeito Edson Vieira e seus aliados em uma sinuca de bico, ou seja: bater em Moraes é vitimá-lo para as eleições de 2018, assim com Zé fez em 2010.

.

As informações aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

30
outubro

Artigo – Por Adriano Oliveira

O QUE OCORRERÁ NA ELEIÇÃO DE 2018?

 

Pesquisa realizada pelo Instituto Uninassau entre os eleitores recifenses nos dias 04 e 05 de outubro de 2017 revela quais os desejos do eleitorado. Apesar da pesquisa ter sido realizada apenas na capital pernambucana, os seus resultados possibilitam respostas para perguntas que estão presentes nas mentes de estrategistas, políticos, analista e jornalistas.

A pesquisa do Instituto Uninassau utilizou de premissas da economia comportamental e da psicologia. Em diversas perguntas contidas no questionário do survey, os entrevistados foram inseridos, inicialmente, em um contexto. E em seguida, a pergunta foi realizada. Portanto, a tomada de decisão do eleitor ocorreu em um dado contexto, o qual poderá existir no futuro.

Os eleitores estão fartos com as denúncias de corrupção? Era previsível que os brasileiros, em algum instante, enjoassem do noticiário sobre práticas ilícitas, pois as notícias sobre tais temas foram abundantes. Para 47% dos eleitores, as denúncias de corrupção trazidas pela imprensa “não contribuem para nada”. 40% afirmam que contribuem para “livrar a política dos corruptos”. E 63% dos recifenses estão “cansados” das notícias de corrupção envolvendo políticos.

O eleitor deseja o “novo”? 57% dos entrevistados concordam com a seguinte afirmação: “Todos os políticos são iguais”. 41% acreditam que um neófito na política pode “mudar a política”. Mas 21% afirmam que não e 31% talvez. Portanto, existe desconfiança majoritária quanto à possibilidade de um ator novo mudar a prática política.

A pesquisa fez a seguinte indagação:

Existem três candidatos. O candidato Antônio é político tradicional, têm vários mandatos como deputado federal; O candidato Pedro não é um político tradicional, pois possui apenas um mandato de deputado federal; E o candidato Carlos nunca foi político e nunca disputou uma eleição. Em qual destes candidatos você deseja votar para deputado federal?

O candidato Carlos, o que nunca foi político, obtém 41% de intenção de voto. Antônio, o político tradicional, 16%. Pedro, político com mandato, 13%. 30% não escolheram nenhum candidato. Parte do eleitorado deseja o “novo”. Porém, este desejo não é tão forte. Existe espaço entre os eleitores para políticos que já exercem a atividade política.

 “Mesmo que não seja político, entrou na política, se contamina”. 43% dos eleitores “concordam plenamente” com esta frase. E 37% “concordam”. Portanto, a descrença para com os políticos não é específica para um ator ou vários atores. É para a prática política. Isto significa que se o “novo” passar a ser político, ele conquistará a desconfiança de parte majoritária dos eleitores. Diante desta realidade, o desejo pelo “novo” existe. Mas ele não é intenso. Existe espaço para candidatos que já estão na política.

O eleitor deseja mudança? 51% dos eleitores pretendem ir votar na eleição vindoura. Neste universo, 46,2% afirmam que irão votar porque desejam mudança. É importante decifrar que tipo de mudança o eleitor deseja. Mudança para um candidato “novo”, por exemplo? A pesquisa da Uninassau inseriu o eleitor em dado contexto e fez a seguinte indagação:

Preste atenção. Suponha que para o cargo de presidente da República existam três candidatos. Em qual deste você votaria para presidente da República?

Carlos, o candidato novo, obteve 38% de intenções de voto. Pedro, o candidato que fez o Brasil melhorar, 21%. E Antônio, o candidato que fez pelas pessoas, 18%. 23% não escolheram nenhum dos competidores. Mais uma vez, constato o desejo majoritário pelo novo. Contudo, competidores tradicionais também terão espaço na vindoura eleição presidencial.

Suponha que você, neste instante, reconhece que a sua vida está melhorando. Você está otimista com o país. Neste momento, você prefere um candidato a presidente que traga … Esta indagação contida na pesquisa da Uninassau revela a fragilidade do candidato “novo” em dado contexto. 58% dos eleitores afirmaram que votarão em um candidato que “traga a certeza de que tudo está melhorando”. E 20% em um candidato que traga “o bom passado”.

Os eleitores desejam mudança da situação X- (X negativo) para X+ (X positivo). Esta mudança não significa forte desejo pelo candidato “novo”. Se o bem-estar dos eleitores vier a surgir (X+), um competidor que venha a ser reconhecido como o condutor dele, poderá vencer a vindoura disputa presidencial. Um competidor que seja visto como condutor de que em alguma época trouxe bem-estar também. Portanto, a pesquisa da Uninassau sugere que a eleição presidencial de 2018 poderá ocorrer entre um candidato governista, ou seja, apoiado pelo presidente Temer, caso o bem-estar venha a surgir; versus um candidato apoiado pelo lulismo, já que existem eleitores que têm memória positiva para com o ex-presidente Lula.

.

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

26
outubro

Resumório! A coluna do professor Tenório

RESUMÓRIO

SEM CABELO E ALGO MAIS – Fiquei sabendo que ficaram sabendo que o careca pode ficar sem sua vaga. Teve gente que não aprovou a escolha, finge que apoia e está tudo bem, mas já tem substituição em andamento.  Tem vaso que não se pode quebrar, tirar do lugar é outra história. Como diria Tadeu, o do Fantástico: Kequin é isso rapaz!?

MEXA NO MEU, NÃO MEXA NO DOS OUTROS – Por falar em Tadeu, o da Mota Florêncio entrou com ação para baixar o salário dos vereadores de Santa Cruz duas vezes e com outra ação sobre o eterno auxílio alimentação. Curiosamente, teve vereador daqui revoltado após a ação de Taquaritinga do Norte, esbravejando em entrevista para Blog. Será que foi inspirado nas palavras do Vereador norte-taquaritinguense Geovane?

TADEU MOVIMENTA A ECONOMIA – As ações do André Tadeu da Mota Florêncio na terra das confecções movimentam a economia. Sou testemunha de duas apostas, uma sobre a redução do salário de vereadores e outra sobre o auxílio alimentação. Foi apostado cinquenta “real” de tripa em cada caso. Um acredita que reverte e outro acredita que não. Se reverte ou não eu sinceramente não sei. Só sei que cem “real” de tripa é muita tripa.

BRONCA CASEIRA – Quando a pessoa pensa que não será mais surpreendido com bate-boca entre políticos, o vice-prefeito de Santa Cruz, Dida de Nam, entra ao vivo no Programa Oposição em Ação por telefone para participar com Carlinhos da Cohab. Uma coisa é certa, Dida deve ter levado mais sugesta dos aliados do que do próprio Carlinhos.

MAIA NO PODER – O presidente Michel Temer passa mal e é levado para hospital no dia da 2ª votação. Nunca duvidem que um Maia pode estar no topo do poder. Antes que me interpretem mal, falo de uma possível licença do presidente por questões de saúde.

A FORÇA DO TAMBORETE – Tem pré-candidato que reclamou das ausências dos outros, mas está seguindo o mesmo caminho. Não aparece em eventos nem visita aliados históricos. É muita confiança no potencial eleitoral de um tamborete.

TAPA NA CARA – Os tapa-buracos da região estão sendo uma verdadeira tapa na cara dos santa-cruzenses. Altinho, Agrestina, Taquaritinga, Vertentes e Riacho das Almas estão uma belezura com suas pistas recuperadas. Enquanto isso, o acesso ao Moda Center continua esburacado feito queijo suíço. Já sei que se essas cidades tivessem um parque de feiras como o nosso, que alavanca a economia da cidade e região, as estradas delas seriam cobertas de veludo.

VISITA SURPRESA – Pouco tempo atrás, uma visita de um secretário de estado era quase um feriado municipal. Houve um tempo que eram anunciados em carro de som, com o tradicional éééééééé hooooojeeeee. Esta semana a visita do secretário de Educação Fred Amâncio quase passou despercebida. Os tempos são outros.

OUTROS TEMPOS – Depois de uma enquete de rádio, vi um Maia criticando Armando Monteiro e ouvi um aliado Vieira declarando voto no mesmo Armando. Realmente, os tempos são outros.

ENQUETE MENTAL – Qual (is) tarefas Paulo Câmara não conseguirá cumprir, dobrar o salário dos professores da rede estadual, levar sensação de segurança para Santa Cruz, enviar recursos do FEM para prefeitos não aliados ou vencer a eleição de 2018?

“Não me queiram mal. Apenas pensem nisso, enquanto lhes digo que fica o dito para ser rido.”

24
outubro

As curtinhas do Romenyck Stiffen

Tem que se preparar!

Futuro prefeito – Uma das principais expectativas da politica de Santa Cruz do Capibaribe é a possível renuncia do prefeito Edson Vieira (PSDB) em abril de 2018 para se candidatar a deputado federal. Nesse contexto, o vice-prefeito Dida de Nan (PSDB) assumiria a vacância.

Tem que se preparar – Uma das principais questões é se Dida estaria preparado administrativamente para governar uma cidade do porte de Santa Cruz do Capibaribe. Essa resposta, lógico, só saberemos quando o mesmo estiver com a caneta na mão.

Contudo… – O que sabemos no momento é que Dida ainda não está preparado para lidar com o fogo lançado pelos adversários. Cabeça quente em diversos momentos na legislatura passada, Dida na conseguiu se controlar frente às provocações de Carlinhos da Cohab (PTB) e protagonizou situações “inusitadas” na Câmara.

Novamente – Dida caiu em mais uma provocação de Carlinhos da Cohab e, de forma inédita participou por telefone do programa “Oposição em Ação”. O vice-prefeito bateu boca diante das provocações, mostrando que ainda lhe falta controle e sangue frio frente à Oposição.

Desafio – Dida tem os desafios: 1) passar para população que tenha confiança no mesmo em uma futura gestão e 2) parar de se envolver em polemicas como essas ou então contribuirá para aumentar a crise do grupo.

As opiniões e informações aqui expressas são de responsabilidade de seu autor   

16
outubro

Artigo – Por Maurício Romão

REFORMA ELEITORAL DEMOCRATIZA SOBRA DE VOTOS

 

A imprensa e os analistas políticos deram bastante destaque aos três principais pontos aprovados na reforma eleitoral de 2017 – fim das coligações proporcionais, instituição de cláusula de desempenho partidário e criação do fundo especial de financiamento de campanha.

No bojo das medidas infraconstitucionais sancionadas pelo presidente da república, passou meio que despercebida, contudo, uma importante correção no modelo brasileiro de lista aberta.

Trata-se da alteração do art. 109 do Código Eleitoral, que estabelece regras para a distribuição de lugares nos Legislativos não preenchidos diretamente pelos quocientes partidários (QP), ou seja, que dita normas para repartição das chamadas “sobras eleitorais”.

No § 2°original do art. 109 estatuía-se que somente poderiam concorrer às sobras os partidos ou coligações que tivessem obtido quociente eleitoral (QE).

A evidência empírica das eleições tem mostrado que tal restrição, além de injusta, é incoerente, pois impede que siglas menores, mas com certa densidade eleitoral, tenham perspectiva de ascender aos Legislativos, contrariando os próprios alicerces conceituais do sistema proporcional.

Essa deformidade do modelo vigente foi, enfim, corrigida. De fato, na sanção presidencial da reforma, publicada no dia 06 de outubro próximo passado, na edição extra do Diário Oficial da União, o art. 3º da nova lei mantém o caput do art. 109 do Código Eleitoral, mas reescreve o § 2º da seguinte maneira, ipsis verbis:

“§ 2º Poderão concorrer à distribuição dos lugares todos os partidos e coligações que participaram do pleito.”

Dois exemplos, no meio de vários, ilustrarão bem a importância dessa medida.

No pleito de 2010, no Rio Grande do Sul, o PSOL teve 179.578 votos, mas não atingiu o QE para deputado federal, de 198.882 votos, como conseqüência, Luciana Genro, parlamentar do partido, não se reelegeu, ainda que tenha obtido a nona maior votação do estado para as 31 vagas.

Naquela eleição estava em disputa a distribuição de cinco vagas por sobras de votos. Vigorasse à época o novo § 2º, a quinta média mais alta seria a do PSOL, assegurando-lhe a última vaga. Luciana Genro seria reeleita, fazendo jus à sua elevada votação.

No pleito de 2012 para vereadores, em Jaboatão dos Guararapes, Pernambuco, o QE foi de 11.719 votos. A coligação PSL/PTB (11.488 votos) e dois partidos que concorreram isoladamente, o PSDC (10.364 votos) e o PMN (9.495 votos), não conseguiram assentos na Câmara Municipal apesar de suas votações ficarem próximas de atingir o QE.

Das 27 vagas parlamentares de Jaboatão apenas 18 foram preenchidas diretamente pelo QP naquela eleição, restando nove vagas para distribuição por sobras.

Houvesse permissão legal em 2012 para disputar sobras de voto, tanto a coligação PSL/PTB, quanto os dois partidos, PSDC e PMN, ascenderiam ao Parlamento municipal, pois obteriam a primeira, a quinta e a nona vaga por média, respectivamente.

Dois esclarecimentos se fazem necessários.

(1) Quando um partido (ou coligação), que não atingiu o QE, consegue uma vaga no Parlamento, beneficiado pela nova legislação, esta vaga vem daquelas adicionais obtidas por algum partido (ou coligação) na distribuição de sobras de votos, nunca daquelas conquistadas diretamente pelo QP.

Por exemplo, no caso da eleição gaúcha, a quinta vaga que caberia ao PSOL seria subtraída da coligação PDT/PTN, quinta colocada por média, que conquistara três vagas, duas diretamente pelo QP e uma por sobras. Esta última é que iria para o PSOL.

(2) Com a abertura suscitada pelas novas regras, apenas e tão-somente partidos ou coligações que tiverem votações que chegam próximas do QE é que podem, eventualmente, almejar vaga no Legislativo. Obtendo votações relativamente altas, suas médias serão concorrentes com as últimas maiores médias do bloco de agremiações cujas votações permitiram-lhes angariar vagas diretamente pelo QP e, também, por sobras.

É oportuno ilustrar este caso, ainda com o exemplo do Rio Grande do Sul. Naquela eleição o PV teve 73.732 votos, bastante distante do QE do pleito (198.882 votos). Mesmo com a abertura propiciada agora pela reforma eleitoral, o PV não conseguiria ascender ao Legislativo do estado. Sua média não chegaria nem perto da média do concorrente beneficiado com sobras de voto, mesmo postado em último lugar nas vagas distribuídas.

A explicação é que a sistemática de cálculo das médias pela fórmula D’Hondt – método usado no Brasil – tende a premiar com cadeiras adicionais exatamente aquelas siglas ou alianças que têm as maiores médias, ou seja, aquelas médias que mais se aproximam do QE.

Esta característica do modelo, aliás, reforça uma vantagem do novo regramento, a de que a abertura para disputa de sobras por todos os partidos pode amenizar para alguns deles as conseqüências do fim das coligações proporcionais.

O fim das coligações é fatal para siglas pequenas, de pouca dimensão eleitoral, incluindo aquelas mais ideológicas. Tais siglas, por causa da barreira do QE, tendem a desaparecer ou a permanecer no sistema como meros figurantes, sem nenhuma possibilidade de assunção ao Parlamento.

O espaço agora permitido para que essas siglas possam disputar sobras eleitorais, abre uma pequena brecha para aquelas com densidade de votos gravitando nas proximidades do QE, vale dizer, aquelas de relativo apoiamento eleitoral da sociedade. Assim, estas siglas, mesmo com o fim das alianças proporcionais, teriam expectativas de almejar representação parlamentar.

Com essas duas medidas – fim das coligações proporcionais (2020) e o acesso a distribuição de sobras de voto a todos os partidos (2018) – o sistema eleitoral vigente no Brasil corrige suas duas maiores imperfeições.

.

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

13
outubro

Artigo – Por Maurício Romão

ELEIÇÕES SEM COLIGAÇÕES PROPORCIONAIS, AFINAL!

 

Nas discussões que se têm travado no congresso nacional, nas seis últimas legislaturas, sobre o que se convencionou chamar de reforma política, a ênfase foi sempre substituir o sistema eleitoral em uso no Brasil desde 1945 por um modelo alternativo.

Nesse contexto, depurar o vigente mecanismo de lista aberta de suas distorções, aprimorando-o, nunca esteve na ordem o dia, tanto assim é que seu formato é praticamente idêntico ao de seus primórdios, e a única mudança havida desde 1950 foi a de excluir os votos brancos dos votos válidos.

O presente termo legislativo enveredou pelo mesmo caminho dos anteriores e só se voltou para corrigir a maior aberração do atual sistema – as coligações proporcionais – depois de frustradas as tentativas de instituir o famigerado mecanismo de voto conhecido como distritão (neste sistema majoritário não existe quociente eleitoral nem coligações).

O fim das coligações proporcionais – a grande reforma eleitoral desta legislatura – representa uma lipoaspiração do sistema de lista aberta de cerca de 80% dos seus problemas. Os aproximados 20% restantes se devem a algumas poucas deformações, adstritas à legislação infraconstitucional, facilmente corrigíveis.

Dentre estas, desponta a proibição de partidos disputarem sobras de voto se não tiverem alcançado o quociente eleitoral. A evidência empírica de cada eleição mostra que tal dispositivo legal, além de injusto, é incoerente.

Com efeito, o princípio básico que preside o sistema proporcional consiste em assegurar representação parlamentar às várias forças políticas da sociedade, de sorte que haja relativa equivalência entre a proporção de votos e de mandatos obtidos pelos partidos.

Esse alicerce conceitual do sistema dá sustentáculo à participação de siglas menores no processo eleitoral com perspectiva de almejar ascensão ao Legislativo. A mencionada proibição, todavia, dificulta precisamente tais siglas de obterem representação parlamentar. Uma contradição.

É oportuna uma breve explicação sobre outra distorção, mais conhecida e afamada, a do puxador de voto, candidato cuja grande votação ultrapassa o quociente eleitoral do pleito e gera sobras de votos (spillover) suficientes para eleger outros candidatos – às vezes com votações ínfimas – do seu partido ou coligação.

A mídia e boa parte dos parlamentares exploram muito esse fenômeno (“efeito Enéas” ou “efeito Tiririca”) no contexto de críticas ao modelo vigente.

Na verdade, tais ocorrências são raras [Miguel Arraes (1990), Enéas Carneiro (2002), Ciro Gomes (2006), Garotinho (2010), Tiririca (2010 e 2014) e Celso Russumano (2014)] e com pouquíssimos rebatimentos no atual mecanismo. É um problema menor, pontual, reverberado magnificadamente apenas por conta dos famosos atores envolvidos, e, ademais, bastante simples de ser resolvido.

O que importa mesmo é que são profundas as conseqüências do fim das coligações, começando com o restabelecimento da essência do modelo proporcional: partidos ocupam cadeiras legislativas de acordo com a proporção de votos;

E mais: desaparece o mercado de aliciamento de partidos e compra de votos; diminui o número de siglas partidárias registradas e dificulta o aparecimento de novas; o voto de legenda readquire significado político-partidário-eleitoral; há fortalecimento dos partidos; estimula-se a criação de blocos parlamentares entre partidos com afinidades programáticas; somente partidos que ultrapassam o quociente eleitoral elegem representantes; promove maior identidade entre eleitor, candidato e partido.

Um extraordinário avanço, sem dúvida!

.

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

11
outubro

A sua coluna esportiva – Por Elivaldo Araújo

O 10 decidiu no dia 10 do 10

 

Hoje é 23: Após a rodada das eliminatórias da Copa do Mundo da Rússia realizada na noite desta terça-feira (10), vinte e três seleções já garantiram vaga para o maior torneio de futebol do mundo, restando apenas nove vagas (4 da Europa, 3 da África e 2 da Repescagem). A Copa será disputada entre os dias 14 de junho e 15 de julho do próximo ano.

10 do 10: O que mais chamou a atenção na noite de 10 de outubro, foi o camisa 10 da Argentina, Leonel Messi, o craque marcou os três gols dos ‘Hermanos’, que garantiu a vaga na Copa da Rússia.

Corrida do Bem: No próximo domingo (15) haverá na Capital da Moda, a ‘Corrida do bem’, que tem como objetivo arrecadar verba para o Lar dos Idosos Irmã Dulce e para a popular Maria José, mais conhecida por “Caco”. A corrida terá início às 7h, na Praça do Estudante, com premiações para os três primeiros colocados.

O Mago pendurou as chuteiras: Chegou ao fim a carreira de um dos maiores ídolos do profissional do Ypiranga, o meia Rosembrick. Ele anunciou que não irá mais atuar profissionalmente. O seu último time foi a Cabense do Cabo de Santo Agostinho, porém deixou a cidade dois dias após a apresentação, alegando problemas pessoais com a esposa.

Rumo ao Peru: O santa-cruzense Mattheus Henning embarcou nesta quarta (11) para Lima no Peru, onde participará das Etapas da Copa Latino Americana de Bicicross 2017 Round 5 e Round 6. No ranking, o santa-cruzense está na 4ª Colocação e ainda restam mais 2 etapas que serão realizadas em Santiago Chile no próximo mês.

,

As opiniões e informações aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

11
outubro

Resumório! A coluna do professor Tenório

RESUMÓRIO

 

DIOGÃO EM AÇÃO – Diogo Moraes apareceu e parece que veio para ficar. O deputado vai estrear um programa de rádio na Polo FM às sextas-feiras 11h. No programa “Diogão em Ação” o deputado fará a prestação de contas de suas ações para o Agreste Pernambucano. Parece que o tempo no programa do seu super aliado e amigo, o prefeito Edson Vieira, é muito curto para divulgar tantas ações. É recado de lá e recado de cá…

PREFEITOS NO EMP – Sucesso total a segunda edição do EMP – Estilo Moda Pernambuco, realizado pelo Moda Center Santa Cruz. O que não fez muito sucesso foi a participação dos prefeitos de Santa Cruz, Toritama e Caruaru no evento. Os prefeitos EMPobreceram um debate bacana que estava acontecendo com os empresários.

SURPREENDENTE – O sucesso do EMP surpreendeu muita gente. O que também surpreendeu muita gente, como a pesquisa de 20% na eleição da lapadinha, foi o grande show de Lucy Alves. Todo mundo esperando a cantora de sanfona com uma roupa nordestina, ela entrou tocando guitarra com uma roupa de Lady Kate da antiga Zorra total. Nas atrações do EMP, o “QUASE” esteve sempre presente. No show do Padre teve uma QUASE vaia e no de Lucy uma QUASE queda.

PRESTÍGIO – O síndico do Moda Center, Alan Carneiro, mostrou maior influência e poder de persuasão junto ao Governo do Estado do que o Prefeito Edson Vieira. Enquanto o prefeito não conseguiu nenhum centavo de patrocínio para o são João da Moda, Alan conseguiu um apoio de 100 mil para o EMP.

PATROCÍNIO – A prefeitura de Toritama contribuiu com 300 mil para a realização do Festival do Jeans. Estou curioso para saber o valor do apoio da prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe e Câmara de Vereadores para o EMP.

PRESTAÇÃO DE CONTAS – Outra curiosidade não minha, mas da turma que está esperando oito anos pra se dar bem também, é saber quanto custou o aluguel do som, do palco, das atrações e, claro, do preço do quilo do bolo de onze metros servido na comemoração do aniversário do Moda Center. Essa prestação de contas está sendo bem aguardada.

ALENCAR… NEIRO – Sem mandato e com destaque em algumas ações em prol de Santa Cruz, Alan Carneiro se apresenta como um bom nome para a política da cidade. As velhas raposas da cidade quiseram e devem querer ainda fazer dele o José Alencar do Lula. Um vice com bom trânsito entre a classe de empresários. É o vice ideal, mas se for para ser candidato a prefeito não tem uma qualidade sequer…

DESENFREADO – Hoje já é o terceiro dia da semana e nenhum ônibus escolar faltou freio. Atrasos, superlotação, problemas com pneus, motor etc, já não sei dizer como anda a situação. Um vídeo de uma garotinha com seus colegas criticando as condições do transporte escolar do município está circulando nas redes sociais. Há quem diga que melhor do que alguns vídeos feitos por uns vereadores.

UM REFORÇO – O 24º Batalhão recebeu do Governo do Estado “Um reforço policial”, isso mesmo um reforço policial. Apenas um policial veio integrar o 24º BPM que é responsável por Santa Cruz do Capibaribe, Taquaritinga do Norte, Toritama, Vertentes, Brejo da Madre de Deus e Jataúba.

PROJETO POLÊMICO – O vereador Helinho Aragão é quase um menino do Acre, some um tempo e depois aparece. Na mais nova aparição dele, trouxe um polêmico projeto sobre estender os horários das Unidades Básicas de Saúde que estão distantes cinco quilômetros da UPA até às 20h. A bancada de oposição conseguiu aprovar o projeto. Ausências e discordância à parte, não é normal 7 ganharem pra 10. A disputa pela presidência da câmara vem aí. Será que vai ter um repeteco?

GOLPE A VISTA – Informações de bastidores dão conta de articulações futuras que passam por junção com a oposição e até por renúncia da presidência. Nesse caso, estariam tentando dar um verdadeiro golpe em alguém. Pra evitar o golpe que estão articulando, é só o prefeito dar a presidência a quem não queria. Melhor uma vitória a contragosto do que uma derrota e um ego ferido.

O PRIMEIRO A GENTE NUNCA ESQUECE – Finalmente teve vereador estreante apresentando seu primeiro projeto de lei. Um crítico leitor do Resumório disse que foi quase o tempo de gestação de uma jumenta. Não sabe o leitor que os nove primeiros meses de mandato foram de adaptação à função. Que venham mais projetos e que mais novatos na câmara possam apresentar bons projetos para a população.

 

“Não me queiram mal. Apenas pensem nisso, enquanto lhes digo que fica o dito para ser rido.”

.

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

11
outubro

As curtinhas do Romenyck Stiffen

Pelas mãos de Diogo!

 

2018: Para o mundo político, as especulações sobre as eleições de 2018 é o assunto chave nos bastidores político Brasil afora.

Não só outubro: Contudo, não só as eleições de outubro de 2018 estão em pauta nas conversas dos corredores e gabinetes da Câmara de Santa Cruz do Capibaribe, mas também as eleições para mesa diretora do poder legislativo do município que será realizada no mesmo ano.

Mãos de Diogo: Informações de bastidores apontam que a próxima mesa diretora passará pelas mãos do Deputado Diogo Moraes (PSB) tendo o PSB à frente da casa. Logico que toda conjuntura para formação da mesa diretora, terá a contribuição influência dos resultados dos palanques formados em 2018.

O favorito: O nome do vereador Júnior Gomes (PSB) volta a ser o favorito para ser escolhido como presidente da Câmara próximo Biênio, mas não é o único nome na agulha.

Apoiar, pois…: As informações de bastidores apontam ainda que caberá ao prefeito Edson Vieira (PSDB) apoiar a indicação, para não sofrer uma derrota após as eleições de outubro de 2018, já que o PSB faria o presidente da casa de um jeito ou outro.

Existe tempo: O tempo é longo e muita coisa pode mudar até as eleições que ocorrerão durante o ano de 2018 e muita coisa irá acontecer, mas o certo é de que para continuar juntos por mais uma temporada e sem sofrer derrotas, Diogo terá que engolir sapos de Edson, assim como Edson de Diogo.

Sempre a disposição: Enquanto isso, a bancada de oposição está para o que der e vier no sentido de azedar essa relação. Como diria meu amigo Tenório, os entendedores entenderão.

 

As opiniões e informações aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

09
outubro

Artigo – Por Adriano Oliveira

A CORRUPÇÃO IMPORTA?

 

Em maio deste ano, o Instituto de pesquisa Uninassau divulgou pesquisa qualitativa mostrando que existem eleitores das classes C e D que aprovam o gestor “que rouba, mas faz”. Recentemente, pesquisa quantitativa do instituto Datafolha reforçou a conclusão obtida pelo Instituto Uninassau. Diante de ambas as pesquisas, a tese de que candidatos acusados de corrupção são fracos competidores é frágil.

O estado bateu na porta dos eleitores das classes C e D. Sempre utilizo tal assertiva para explicar a força do lulismo, independente da região. A economia importa para explicar a escolha dos eleitores. No universo de dez estrategistas, dez concordam com tal assertiva. Diante destas duas premissas, concluo que o lulismo e o governo Temer são adversários na eleição de 2018.

Contudo, para que ambos sejam adversários, condições precisam estar postas. O lulismo é condição (Cl) que mostra forte estabilidade. Não observo, até o instante, o seu forte enfraquecimento. A recuperação da economia (Ct) é condição necessária para o fortalecimento eleitoral do governo Temer. Portanto, o fortalecimento de Ct+ permite que o governo Temer tenha candidato a presidente. Este candidato, o qual pode ser o atual presidente da República, tende a rivalizar com o candidato do lulismo.

O forte fortalecimento de Ct + poderá enfraquecer Cl-. Isto significa que o candidato do governo Temer pode vencer a vindoura disputa presidencial. Esta possibilidade, a qual continua a ser desprezada, advém da simples razão de que o bem-estar econômico orienta a escolha dos eleitores. Por outro lado, quando o Estado entra na casa dos eleitores das classes C e D, o provedor de tal ação adquire condições de conquistar ou manter eleitores.

A ação do Estado e a recuperação econômica fazem parte de uma única categoria: bem-estar. Se os eleitores sentem bem-estar ou desejam o retorno deste, o candidato que oferece bem-estar ou que um dia ofereceu, adquire chances de vencer a eleição presidencial. A corrupção, outra categoria, tem aparenta força de fazer com que candidatos percam ou não conquiste eleitores.

O lulismo terá candidato em 2018. O governo Temer, caso ocorra a recuperação da economia, também. Ambos são acusados de práticas de corrupção. Mas ambos podem vir a ser reconhecidos pelos eleitores como promotores do bem-estar. O que orientará fortemente a escolha do eleitor em 2018: A acusação de corrupção ou o bem-estar?

 

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

04
outubro

Resumório! A coluna do professor Tenório

​RESUMÓRIO

 

FRONT STAGE VAZIO – A festa da “Padroeira” de Santa Cruz como disse o senador Fernando Bezerra Coelho, numa entrevista em recente visita à cidade, trouxe uma peculiaridade. O front stage estava vazio, não se sabe a razão. Será que foi pela repercussão negativa do são João da Moda ou porque não gostaram das atrações?

PRATO QUENTE – A Mininolândia estava lotada em mais uma edição do tradicional almoço no 29 de setembro. Lá o prato nunca esfria, pela temperatura debaixo do brasilit e pelo clima quente dos bastidores da política.

RECORDAR É VIVER OUTRA VEZ – Dia 2 de outubro foi o aniversário de um ano da lapadinha. Muitas postagens comemorativas nas redes sociais relembrando a vitória. A alegria dos eleitos e de alguns apostadores não sairão da memória nem tão cedo.

CONSULTORIA – Mais um pedido de cassação de prefeito na região. O contemplado da vez foi o de São Caetano. O prefeito de Santa Cruz já poderia prestar consultoria aos colegas eleitos no agreste de como vencer uma eleição sem risco de perder o mandato.

PÓS ESCURIDÃO – A polêmica escuridão pela falta de energia dos parques de diversões da festa de setembro foi substituída pelo brilho do sorriso das crianças das escolas públicas que mais um ano puderam brincar de forma gratuita. Uma iniciativa simples de grande valor para quem não pode pagar para brincar nos parques. Governo deu PRESENTE para crianças e PAIS.

TEM HISTÓRIA – Mais uma vez foi denunciado os maus tratos aos animais no curral da prefeitura. Parece que mais um jumento morreu. Independentemente de onde estiver, jumento aqui sempre vira pauta. Não importa se é o nome escrito num caderninho ou morrendo de fome no curral. 

GOVERNO ANIMAL – Coincidentemente depois que o Governo perdeu dois Bezerras as dificuldades só aumentaram. Ficou um Coelho com a desconfiança de muitos aliados. O Carneiro deixou de ser uma possibilidade e passou a ser uma preocupação.

MISSA EM LATIM – Outra grande repercussão no mundo animal local foi o assassinato do gato maracajá. Foi absurdo, o responsável foi punido, trouxe uma boa discussão, mas repercutiu tanto que eu vi a hora celebrarem uma missa em latim no funeral do felino.

SOMOS TODOS AÉCIO – Em Santa Cruz do Capibaribe também não podemos sair de casa à noite. Somos todos Aécio!

 

“Não me queiram mal. Apenas pensem nisso, enquanto lhes digo que fica o dito para ser rido.”

.

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

27
setembro

Resumório! A coluna do professor Tenório

RECORDE QUEBRADO – O prefeito de Santa Cruz do Capibaribe, Edson Vieira, quebrou o recorde de José Augusto Maia que já durava cerca de uma década. O grande feito em questão é referente ao atraso no pagamento de alguns servidores contratados. Na dinastia Maia, o atraso chegou até o sofrido dia 20 do mês subsequente. Depois ficam procurando explicações pra lapadinha… 

SOPA DE LETRINHAS – O caldo da sopa de letrinhas do Prefeito Edson Vieira está muito ralo, com poucas letras. Mesmo assim as letras KMC permanecem fazendo parte de seu indigesto cardápio. Para voos mais altos, será preciso uma alimentação mais consistente.

DESPEDIDA DA POMBA – Por falar em voo, a pombinha do PSB está levantando voo e saindo aos poucos do abrigo que ajudou a construir. O lugar está ficando apertado e gora só abriga os tucanos do PSDB. Tanto na natureza quanto na política, a migração é necessária para garantir a sobrevivência. Só não esqueçam dos riscos e perigos da viagem. 

OU DOIS OU NADA – No último final de semana, aconteceu na pista canela mais uma etapa do Brasil Nordeste de motocross. Segundo relatos, não teve piloto em nenhuma bateria correndo com o número 45. Ano passado eram dois usando o mesmo número, este ano nenhum. É preciso dar continuidade ao migué. O povo se lembra… 

INAUGURAÇÃO E REINAUGURAÇÃO – Sem poderem edificar obras por conta da queda na arrecadação e da imortal crise que atinge os municípios de todo o Brasil, os prefeitos da região resolveram inaugurar e, no caso de Toritama, reinaugurar praças e pracinhas. Parece mercadoria na feira, tem praça P, PP e M. As tamanho G estão em falta. 

FIM DE NAMORO – O namoro de Fernando Aragão com o PCdoB que parecia que ia dar em noivado e casamento acabou. Há quem diga que foi só uma paquera como em outros tempos. Na hora do vamos ver, nada como ficar junto de um amor antigo. Mas tem uma turma Vermelha de raiva pensando igual ao Chicó do Auto da Compadecida: Ô promessa desgraçada! Ô promessa sem jeito! 

CÂMARAS EM BAIXA – Dizer que teria votado contra o projeto de auxílio alimentação se fosse vereador é fácil, mas um ex-vereador foi além e disse que na atual Câmara de Vereadores de Santa Cruz, dos 17 apenas 3 ou 4 teriam conhecimento de causa. Pôxa Véi, estão pegando pesado com os parlamentares. Criticar as Câmaras municipais e Paulo Câmara está caindo no gosto do povo. 

COINCIDÊNCIA – Os vereadores de oposição denunciaram na primeira gestão do governo Edson Vieira a polêmica licitação dos coffee-beaks e fornecimento das tortas, cujo responsável era o empresário do Restaurante ‘Caipirão’. Agora denunciaram um ônibus escolar de santa Cruz há dois anos ou alguns meses, parado numa oficina em Caruaru aguardo pagamento para conserto. O curioso é que o veículo está na Oficina do ‘Caipira’. Será carma, sina, predestinação ou apenas coincidência? Os fornecedores ou prestadores de serviços do governo deveriam colocar nomes bem importantes e de cunho urbano nos seus negócios pra ver se esses vereadores dão sossego.

ANIVERSARIANTE – Hoje é o dia do aniversário de um ilustre vereador. Fiquei curioso pra saber se algum ‘amigo’ vai lhe dar de presente, assim como faziam os alunos com seus queridos professores, uma maçã. Se isso acontecer, eu ficarei mais curioso ainda pra saber o estado dessa maçã. Curiosidades a parte, só me resta desejar um Feliz Aniversário, muita Paz, Saúde e Sucesso ao nobre parlamentar. Se o aniversariante tomar conhecimento dessa modesta homenagem e me agradecer, vou acabar matando uma outra curiosidade.

ENQUETE MENTAL – Qual será o fato marcante mais ‘não acontecido’, o rompimento de Edson Vieira e Diogo Moraes na eleição de 2018, a não candidatura de José Augusto Maia a deputado estadual, a tomada do PCdoB por Fernando Aragão e Carlinhos da Cohab ou o show da Lady Gaga no Rock in Rio 2017?

DIRETO DA REDE – Sérgio Moro questionando Lula: “E o outro pagamento foi 1º de abril ou 31 de fevereiro? ”

“Não me queiram mal. Apenas pensem nisso, enquanto lhes digo que fica o dito para ser rido.”

.

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

25
setembro

Artigo – Por Adriano Oliveira

BOLSONARO É UMA BOLHA?

 

Pesquisas divulgadas sugerem que Jair Bolsonaro é candidato competitivo para vencer a vindoura eleição presidencial. Existem candidatos competitivos e candidatos bolhas. Os primeiros são aqueles que possuem as características adequadas para disputar a eleição na conjuntura em que ela será disputada. O candidato bolha não possui as características dos candidatos competitivos. Em dado momento, o candidato bolha perde eleitores e deixa de ser competitivo.

Bolsonaro é uma bolha? Observo que sim. Considerando as eleições presidenciais desde 1989, verifico que o voto econômico é variável importante para explicar a escolha do eleitor. Em 1989, eleitores desejavam melhoria de vida. Fernando Collor usou a retórica “caçador de marajás” e foi reconhecido pelo setor produtivo e a maioria dos eleitores como o candidato-esperança para possibilitar bem-estar aos brasileiros. A desconfiança para com o então candidato Lula também contribuiu para o sucesso eleitoral do politico alagoano.

O voto econômico explica satisfatoriamente, sem desconsiderar outros fatores, o sucesso eleitoral de FHC, Lula e Dilma. O voto econômico positivo deve estar presente na futura disputa presidencial. Este tipo de voto significa que parcela do eleitorado reconhecerá que a recuperação econômica está em curso e que um candidato governista é o responsável por ela. Portanto, um competidor apoiado por Temer ou ele mesmo tem chances de estar no segundo turno da vindoura disputa presidencial.

O lulismo, como sempre friso, também estará presente. Parcela do eleitorado tem memória positiva para com a era Lula, além das características pessoais e do discurso do ex-presidente que ativa positivamente a mente de parte dos eleitores. Portanto, um candidato apoiado pelo lulismo deve estar no segundo turno da disputa presidencial.

O PSDB terá candidato a presidente. Este partido tem estrutura política em diversos estados. E o mais importante: Tem estrutura política no estado de São Paulo. Portanto, o candidato do PSDB tende a ser competitivo. Diante da força eleitoral dos candidatos governista, lulista e do PSDB, em qual posição estará Bolsonaro entre os eleitores?

Neste instante, Bolsonaro obtém bom desempenho eleitoral em razão de que parcela dos eleitores procura o antilulismo. Quando estes identificarem que o candidato governista e o do PSDB são os antilulistas, Bolsonaro deve perder eleitores. Portanto, prevejo, sem desprezar os cisnes negros (acasos), que Bolsonaro será uma bolha eleitoral.

;

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

22
setembro

A sua coluna esportiva – Por Elivaldo Araújo

Íbis – 100% do início (da Série A2) ao fim (da coluna)

 

A partir desta sexta-feira (22) estreio uma coluna no Blog do Ney Lima falando sobre os esportes. O objetivo desse espaço é trazer diversas informações da área esportiva com um tom mais peculiar, sejam elas do lado o futebol amador ou profissional, ciclismo, motociclismo, vôlei, atletismo, entre outras modalidades.

Quarentão tem vez: Neste sábado (23) a partir das 10h terá rodada valendo pelo Campeonato Master Society no Rota do Mar Club, em Santa Cruz, o torneio como é mais conhecido por “Quarentão” é organizado pelo desportista Bicim Xavier. Os jogos serão Zebrão x Santa Cruz, Rio Verde x Rotação, além de Telê Cortes x Sandro Motos.

Amantes da velocidade: O piloto santa-cruzense, Diógenes Rufino, tem conseguido importantes resultados para o município em diversas competições na região. As suas últimas participações foram Agrestina-PE, onde conseguiu a terceira colocação no ‘MX3’ e o 4º lugar na categoria ‘Nacional’ Open. Seus próximos desafios serão neste fim de semana na Pista Canela em Santa Cruz, onde tentará manter a liderança no ‘Brasil Nordeste’ e buscará pontos para tentar alcançar a ponta na categoria ‘MX3’.

O Campeonato do Padre: Acontece todos os finais de semana na região, o campeonato organizado pelo desportista Everaldo, mais conhecido por “Padre”. Os jogos deste sábado (23) e domingo (24) serão no Sítio Empueiras, zona rural de Jataúba, com os jogos no sábado a tarde: Goleada x Magana e Paraíbas x Íbis; no domingo pela manhã teremos: Capibaribe x Atlético, além de Sport x Maitá.

Em alto estilo: O professor faixa-preta de Karatê, Severino Gomes, que possui uma academia em Santa Cruz do Capibaribe com treinamentos voltados para crianças a partir de 3 anos de idade, realizará no próximo dia 8 de outubro, mais uma edição do torneio de ‘Karatê Interestilo’ no Rota do Mar Club. Esta será uma ótima opção para observarmos muitas crianças que já estão sendo educadas e envolvidas desde cedo na área esportiva.

Algo estranho no mundo: Estamos presenciando tempos difíceis e com situações complicadas de entender, são terremotos, furacões de grandes proporções e boas chuvas caindo no interior de Pernambuco em pleno mês de setembro, mas realmente o que me chamou a atenção nos últimos dias é o 100% da equipe do Íbis (considerado o pior do mundo) no Campeonato Pernambucano da Série A2. Como diz os bons comentaristas, se o torneio terminasse agora, o Íbis estaria garantido na Primeira Divisão do Estado.

.

As opiniões e informações aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

13
setembro

Resumório! – A coluna do professor Tenório

​RESUMÓRIO 

 

EU AINDA ACREDITO – Independentemente de sentenças, eu ainda acredito que Edson de Souza Vieira deixará de ser o prefeito de Santa Cruz do Capibaribe. Não por uma decisão judicial, mas por decisão própria, daqui a alguns meses. Para ser candidato a deputado federal.

CIDADE DOS CONTRÁRIOS – Santa Cruz é, sem dúvidas, a cidade dos contrários. Depois de ver comemoração de derrota na eleição do ano passado, vi agora comemoração por receber uma multa.

EVOLUÇÃO – Mas estamos evoluídos. Em outros tempos, depois de uma sentença dessas, teríamos muitos fogos de três tiros e uma grande carreata pelas ruas da cidade comemorando, não a multa, mas a decisão “favorável” pela não cassação.

MELHOR INVESTIMENTO – Para o grupo denominado Taboquinha, o negócio é investir na conquista de votos. Esse negócio de denúncia e distribuição de esperança para os eleitores e correligionários não está dando certo. 

O PROFETA – O vereador Ernesto Maia tem mais é que fazer projetos e denunciar os erros da administração, porque se fosse viver de suas profecias morreria de fome. Não emplaca uma sequer. Bendito os que nada esperam, pois nunca se decepcionarão.

LAPADINHA – Para quem esperava uma vitória na justiça, não sofreu mais uma lapadinha. Francoamente, dessa vez não foi nem um cascudo, foi só um Croque.

PROVOCAÇÃO – Um leitor desta coluna, boca preta apaixonado, disse que irá para o motocross na Pista Canela nos dias 23 e 24 de setembro para ver quantos pilotos estarão com o número 45. Disse que vai com um monte de santinho na mala do carro, depois de comemorar o aniversário de um desconhecido com decoração e tenda azul…

TUDO ACABA EM… – Pelo menos em Santa Cruz nem tudo está acabando em pizza. A moda agora é acabar em multa. Preparem os bolsos.

AS MALAS E OS MILHÕES – O Brasil ficou estarrecido com as malas do Geddel e seus mais de 50 milhões de reais. Para quem não lembra, a auditoria feita no início da primeira gestão Vieira apontou uma dívida herdada da gestão de Toinho do Pará que ultrapassava 50 milhões de reais também. O destino dessa herança maldita eu não sei, já o de Toinho foi a liderança da bancada na câmara. Qual será o destino do Geddel?

PATRIOTISMO ACANHADO – Vi pouquíssimos políticos no meio do povo no último 7 de setembro, diferente do que aconteceu ano passado. O patriotismo do político só aflora em ano de eleição.

GEMIDÃO E GEMIDINHO – Todo mundo que usa frequentemente celular já foi vítima ou ouviu falar do constrangedor gemidão do whtsapp. Em Santa Cruz está circulando nos grupos uma versão de gemidinho. Não posso falar mais sobre o assunto, pois as informações foram retidas.

BURACO CÁ E BURACO LÁ – De olho em 2018, o pré-candidato a deputado federal Edson Vieira participou recentemente de um jantar com o prefeito de Jataúba Antônio de Roque e o vice Jackson Buraco. Se Edson foi a Jataúba pela PE 160, ele encontrou buraco de cá até lá.

DIRETO DA REDE – “Se o advogado de Edson Vieira não for o mesmo do Fluminense, os dois estão de parabéns”.

 

“Não me queiram mal. Apenas pensem nisso, enquanto lhes digo que fica o dito para ser rido.”

11
setembro

Artigo – Por Adriano Oliveira

TEMER ESTÁ NO JOGO

 

O partidarismo exacerbado, a ideologia cega e o desejo de agradar o outro criam ilusões na política e possibilita que o ator construa cenários eleitorais exclusivamente ótimos. Cenários subótimos e péssimos são desconsiderados. A ilusão na política compromete a construção de estratégias eficazes, pois o iludido tem como premissa que a sua situação é sempre ótima na disputa pelo poder.

Lembro que o lulismo foi desprezado. Recentemente, voltou à tona novamente. Em uma sociedade em que parte do eleitorado vive em estado de subsistência econômica e outros encaram o estamento burocrático como único instrumento de remuneração, não é possível, de modo algum, e em nenhum instante, desprezar o lulismo. O ex-presidente Lula não será candidato a presidente da República em 2018, mas será, através do lulismo, ator estratégico. Portanto, como sempre frisei: O lulismo não morreu.

Por outro lado, não decreto a morte do presidente Temer. Em variados momentos, o atual mandatário do Brasil foi para UTI. Mas conseguiu sair. Portanto, não desprezo que o presidente Temer seja candidato à reeleição e contribua para a competitividade de candidatos aos governos estaduais.

Inflação controlada. Recuperação da economia. Queda abrupta dos juros. Reforma trabalhista. Pacote de privatização. Possibilidade da reforma da previdência. Expectativa para o crescimento do PIB em torno de 2% no próximo ano. Estes itens, os quais advêm das ações do presidente Temer, conquistam o setor produtivo e parte do eleitorado brasileiro. Ambos obtêm benefícios em virtude das referidas ações.

A capacidade de conquistar lucro e o bem-estar econômico animam empresários e eleitores. Estes estão unidos torcendo por um único fim: a recuperação econômica. E quem será o ator, na opinião de parcela do eleitorado, que possibilitou e possibilita a superação da crise econômica? O presidente Temer. Este cenário não deve de modo algum ser desprezado na vindoura eleição presidencial.

A recuperação econômica reposiciona Michel Temer e o PMDB. Se hoje ou algum dia foram atores desprezíveis, eles podem vir a ser estratégicos, e, portanto, com poder de influenciar eleitores, inclusive, nas eleições estaduais. O lulismo continua no jogo eleitoral. E o presidente Temer, lentamente, sem ainda despertar atenção, se coloca na disputa eleitoral de 2018.

;

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

06
setembro

Resumório! – A coluna do professor Tenório

​RESUMÓRIO 

 

QUALIDADE – Santa Cruz do Capibaribe sempre sofreu com críticas quanto ao atendimento, principalmente nos boxes do Moda Center. Mas, segundo um colega, pelo menos alguns assaltantes da cidade deram um salto de qualidade na prestação de seus desserviços. Trataram meu amigo muito bem, chamando-o de cidadão e tudo. Não foi a primeira vez que ele foi assaltado, mas notou a evolução na abordagem. Com a situação da violência na cidade, só nos resta rir pra não chorar.

BURACOS ETERNOS – E tapar os buracos da PE 160 está mais trabalhoso do que a contagem de dinheiro do Geddel Vieira Lima encontrado no bunker. Quando concluírem a duplicação, mesmo se forrarem de veludo vai ter gente revoltado.

CENTRO DE EVENTOS – Em Caruaru a casa de shows Palladium está fechando suas portas para ressurgir com outro nome. Em Santa Cruz do Capibaribe, começou há uns dias a construção do Centro de Eventos lá no Moda Center. Segundo informações obtidas sem EXCLUSIVIDADE pelo resumorista, ainda não tem nome definido para o centro. A sugestão dada foi nomear o espaço como “Centro de Eventos ZERNESTO RIBEIRO MAIA SILVESTRE.” Seria uma homenagem ao vendedor do terreno, ao “fundador” e todos os síndicos que o Moda Center já teve.

AUXÍLIO DA DISCÓRDIA – O bendito auxílio alimentação dos vereadores de Santa Cruz está igual a escolha de vice prefeito, um muído que parece não ter fim. Além de entrar com ações para baixar os salários, o advogado Tadeu agora entrou com mais uma pra cancelar o auxílio alimentação dos vereadores. Isso não é normal, tem algum mistério por traz de tantas ações. E como diz a lei da física, cada ação gera uma reação. A reação dos vereadores têm sido de aperreio.

A FEIRA – Deve ter muito voto naquela feira de São Joaquim do Monte. Além de uma grande amizade, nada justificaria tanta visita e tanta foto ao lado do prefeito de lá, o Joãozinho eu. É melhor manter o contato sempre, abril é logo ali. 

O VICE – Na recente inauguração das instalações de uma emissora de rádio, cheia de personalidades políticas, um vereador disse ao padre que foi dar a bênção: “O senhor dava um vice bom”. Antes mesmo da resposta do sacerdote um ex-monte de coisa foi logo dizendo: “Dava era um prefeito bom”. Quem foi candidato a prefeito na última eleição e está à espera da próxima candidatura não gostou muito da conversa. A gente já viu um padre perder e estamos vendo uma liderança se perdendo a cada dia.

GASTO DA ESPERANÇA – Na época em que teve um rateio para os professores de Santa Cruz do Capibaribe, logo após a promessa de que seria pago, teve um que comprou um aparelho de DVD, objeto de luxo naquele tempo. Com a possibilidade de recebimento de 3 milhões do recurso do FUNDEF, referente à reposição das perdas salariais para professores que trabalharam entre os anos de 2001 a 2006, parece que teve colunista trocando de carro contando com o recebimento prometido.

PCdo POVO – Parece que vai ter golpe. Ouvi dizer que já tem gráfica trabalhando em jornada ampliada, preparando fichas de filiação para as futuras novas adesões na Capital da Moda e vão começar por Poço Fundo, histórico reduto eleitoral.

ALÍVIO – Geddel Vieira Lima deve estar aliviado, pois só encontraram pouco mais de cinquenta milhões. Ainda bem que não foi um pedalinho.

DIRETO DA REDE – “Depois do Geddel, já estão chamando a mala do Rocha Loures de nécessaire.”

DESVIO NA COLUNA – Desviarei um pouco do estilo da coluna para parabenizar o Prefeito Edson Vieira e o Secretário Gilson Julião pela assinatura da ordem de serviço para construção da Praça Emanoel Glicério, uma justíssima homenagem ao querido Mané do Brog, Mané do programa Opinião, do Rádio Debate, da Gangue do Bem, do Diário da Sulanca, dos furos de reportagem e de tantos amigos.

;

“Não me queiram mal. Apenas pensem nisso, enquanto lhes digo que fica o dito para ser rido.”

.

As opiniões e informações aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

06
setembro

As curtinhas do Romenyck Stiffen

O desafio!

Sem esquecer de “Mané do Brog” – No dia em que o prefeito Edson Vieira (PSDB) deu a ordem de Serviço para construção da Praça Emanoel Glicério, uma justíssima homenagem, por coincidência me deparei no Facebook com um link que me fez navegar até o glorioso Diário da Sulanca, do meu saudoso amigo-irmão, Mané do Blog, onde lá estava um texto majestoso do mesmo.

21/10/12 – Essa foi à data que Mané fez uma de suas principais analises sobre o recém-eleito prefeito Edson Vieira e o texto trazia o seguinte titulo: O desafio é ser maior que Raymundo…

A pressão – Emanoel colocava uma grande pressão em seu texto ao lançar esse desafio ao jovem prefeito. Vejamos sua escrita: “Sei que ao escrever essa opinião posso chocar algumas pessoas que veem em Raymundo Aragão um ser intocável na política local, e concordo que ele é único e até hoje inalcançável no quesito competência política e gestão pública. E é justamente por isso que Edson Vieira tem que focar como meta ser maior que Raymundo, não em relação a uma mera disputa política para ver quem foi o melhor prefeito da história, mas porque a cidade necessita. Santa Cruz foi planejada por Raymundo para ser uma grande cidade, só que após suas gestões tivemos o azar ou a falta de competência de escolher melhor os nossos prefeitos e ficamos reféns de líderes medíocres, com gestões no máximo regulares”.

Deu a receita – Mas apesar da pressão, nosso querido Mané deu a receita ao afirmar no texto que “Edson tem o desafio de beber na fonte da sabedoria de Raymundo Aragão, e ser maior do que ele não por uma questão política, mas porque a Santa Cruz de hoje é muito maior que a Santa Cruz de ontem”.

A dica – Contudo, a principal e maior dica dada por Glicério foi à de que “para o prefeito eleito o desafio é outro, ele tem que fechar os ouvidos para frases e conselhos de ‘aliados’, se brindar de críticas insanas de adversários e focar em uma única meta: Ser maior que Raymundo”.

O que pensaria? – Fiquei a imaginar que para meu amigo e conselheiro Emanoel Glicério, pessoa com que tive o privilégio de trabalhar em seu blog e na bancada do Rádio Debate, o prefeito Edson Vieira, já em seu segundo mandato, teria conseguido cumprir o desafio proposto? Ou não conseguiu “se despir da estupidez politica”, tão citada por Emanoel, sendo espelho “de lideres medíocres” do passado, “com gestões no máximo regulares”?

Desculpem o historiador – O texto acima fugiu a regra de minhas curtinhas. Hoje trabalhei no oficio de um simples historiador trazendo ao presente uma fonte escrita de uma das mentes mais brilhantes que conheci, pois como memória e esquecimentos andam juntas, é sempre necessária trazer reflexões passadas, mas que parecem não estar desatualizadas.

.

As opiniões e informações aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

 

01
setembro

As curtinhas do Romenyck Stiffen

Uma novela Tabo… Ops! Desculpem; uma novela Boca Preta com certeza!

Decisivo – Os bastidores políticos de Santa Cruz do Capibaribe apontam que a eleição de 2018 será essencial para uma junção que se iniciou em 2013 entre os deputados Diogo Moraes (PSB) e Edson Vieira (PSDB). A junção rendeu a prefeitura ao Grupo Boca Preta.

O que começa no Recife… – Parece que termina em Recife. Essa junção política teve início com as bênçãos do ex-governador Eduardo Campos (PSB) e se não houver um cordão firme, as articulações políticas que passam na capital pernambucana, para as eleições ao Governo do Estado em 2018 irá proporcionar o rompimento entre ambos.

Enquanto isso… – As articulações políticas ainda ocorrem na capital e tudo pode acontecer, inclusive nada. Contudo, as peças de xadrez estão se posicionando em Santa Cruz do Capibaribe, entre eles, podemos citar:

Joab – Na última terça-feira (29/08), o vereador Joab do Oscarzão (PSD) afirmou que a “família” do PSD tem 99% de chance de não seguir com a candidatura à reeleição do deputado Estadual Diogo Mores (PSB). Ainda para Joab, o único que pode aproveitar esse 1% para reverter à situação é o prefeito Edson Vieira.

Edson – Na última quarta-feira (30/08) o prefeito Edson Vieira concedeu entrevista ao jornalista Cesar Melo, na Rádio Comunidade FM, e fez uma analise sobre a conjuntura política do Estado. Ele creditou o que está acontecendo com a Frente Popular ao PSB, enumerando inclusive vários acontecimentos.

Júnior – Na última quinta-feira (31/08), o vereador Júnior Gomes (PSB) usou a tribuna da câmara para afirmar que, em 2018, estará onde a Frente Popular estiver e ao lado do deputado Diogo Moraes.

Nebulosa – A única coisa que podemos analisar no momento é que a união ‘Diogo e Edson’ está tão nebulosa quanto à articulação política para o Governo do Estado no Recife.

.

As opiniões e informações aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador
Página 1 de 24123...1020...Última »

Notícias Anteriores