15
junho

As curtinhas do Romenyck Stiffen

CPI DA EDUCAÇÃO?

 

Assembleia: Os professores de Brejo da Madre de Deus participaram de uma assembleia, convocada pelo SINDUPROM-PE, na última quinta-feira, 14/06, na Câmara de vereadores. Na ocasião, alguns vereadores de oposição e também de situação se fizeram presentes.

CPI: Os professores apontaram diversas reivindicações não atendidas e situações que estariam acontecendo na área da educação que levaram alguns vereadores presentes observar a necessidade de uma possível CPI da educação.

Sem votar: Os vereadores, principalmente os de oposição, se comprometeram na assembleia, em só votar os projetos enviados pelo poder executivo, após o prefeito Hilário Paulo (PSD) resolver as situações pendentes com os professores e a educação.

Comprou a briga: Há varias Curtinhas venho afirmando que Hilário vem remando contra maré e um dos seus principais calos é a educação, pois comprou uma briga com uma categoria organizada.

Nada fácil: O prefeito Hilário poderá passar nos próximos dias com os projetos do executivo travados na Câmara e possivelmente terá que enfrentar nos próximos meses uma possível CPI.

Complicador: Hilário iniciou com uma maioria expressiva na câmara, 8×5, hoje o mesmo tem uma maioria mínima, 7×6, e em breve o prefeito contará com a minoria da Câmara, pois irá perder no mínimo mais um vereador, independente do posicionamento político tomado para as eleições de 2018.

Vai suar: O prefeito Hilário vai ter que suar muito nos próximos anos para enfrentar uma oposição que será maioria na Câmara, terá que se articular bastante para que os projetos do executivo passem e impedir uma possível CPI.

;

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

14
junho

Artigo – Por Adriano Oliveira

O ELEITOR NÃO É PARA PRINCIPIANTES

 

A greve dos caminhoneiros revelou que a compreensão do eleitor brasileiro não é para principiantes. O presidente Temer, ao assumir a presidência, decidiu implementar, corajosamente, agenda alternativa a do PT, a qual é caracterizada pelo uso do Estado como instrumento para interferência no mercado e como ativo provedor de políticas públicas. Temer desenvolveu ações para retirar o Estado da economia. Reduziu a inflação e os juros. Fez a reforma trabalhista e aprovou limite para o gasto público. Concedeu independência à Petrobrás. E tentou fazer a necessária reforma da Previdência.

Suponho, que no inicio do governo, os estrategistas de Temer partiram da seguinte premissa: os eleitores, majoritariamente, desejam a saída de Dilma. Por consequência, o Brasil precisa de uma agenda diferente da do PT. Premissa, em parte, verdadeira. Os eleitores, em sua maioria, queriam Dilma fora da presidência. Eles, majoritariamente, como bem revelam as pesquisas, defendem a redução de impostos. Parte deles deseja ser empreendedor. Alguns reclamam dos privilégios no setor público.

Entretanto, no universo dos que apoiavam o impeachment de Dilma, observava-se admiradores do governo Lula. No grupo de eleitores que foram às ruas com a camisa do Brasil clamando “Fora PT”, estão presentes eleitores contrários à reforma da Previdência e de uma Petrobrás regida pelas regras do mercado. No universo dos que bateram panela contra o PT, estão eleitores que desejam que o filho faça concurso público e que entre numa universidade pública. Dentre estes, inclusive, estão funcionários públicos que reclamam do congelamento dos salários.

No grupo dos lulistas estão os eleitores contrários à agenda de Temer.  E no grupo dos antilulistas estão os eleitores que reprovam a agenda Temer, não reprovam o todo da agenda lulista, e deixaram de gostar do Lula em razão das denúncias de corrupção e de outros motivos, como, por exemplo, o aumento do preço dos serviços.

O presidente Temer não conquistou os eleitores lulistas e nem antilulistas. Se as meritórias ações do seu governo – redução da inflação e dos juros, reforma trabalhista e controle do gasto público – tivessem gerado benefícios diretos e imediatos para o brasileiro, Temer hoje seria forte candidato à reeleição. Se o governo Temer tivesse mantido na Petrobrás a mesma política do governo do PT, a greve dos caminhoneiros não teria ocorrido, e nem parte majoritária da sociedade tinha apoiado tal movimento. Ao contrário. Os eleitores estavam felizes e, talvez, parcela deles já tivesse esquecido o Lula na prisão.

,

As opiniões e informações aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

13
junho

Resumório! – A coluna do Professor Tenório

O BECO – Impressionante como o Beco está sempre presente na história do partido denominado Boca Preta. Primeiro foi a inesquecível música “entra em beco sai em beco”, nos comícios de mamãe Salete, na década de noventa. O Beco da Cidadania, também conhecido popularmente como Beco da cracolândia foi contemplado com um projeto belíssimo anos atrás. Só faltou trazerem o finado Michael Jackson e o Olodum, mas a realidade praticamente não mudou lá. Até ano passado, encheram a avenida de barracas e camarotes no São João da Moda, deixando o Beco do Forró para o povo dançar. Agora estão calçando algumas ruas estreitando tanto a pavimentação que está parecendo um Beco. Por fim, não sei se por ausência ou decisão precipitada, a verdade é que um monte de gente que fazia parte do grupo de situação pegou o Beco. E dizem por aí que mais gente ainda vai pegar o Beco. 

OVOACIONADO – Na coluna da semana passada eu afirmei que a reunião da câmara de vereadores traria no cardápio dos discursos: respostas, insinuações, provocações e denúncias. Me enganei, os ingredientes que apareceram só dariam para fazer, no máximo, uma omelete. Digo isso porque o presidente da Câmara de Santa Cruz do Capibaribe, Zé Minhoca, foi “ovoacionado” em plena sessão ordinária, isso na última quinta-feira. Depois do acontecido, algo não cheirava bem naquela câmara. E não era mais um engavetamento de CPI.

CAIU – Caiu o teto do calçadão Miguel Arraes de Alencar, duas vezes; Caiu a aliança Vieira/Moraes. Caiu a popularidade dos políticos da cidade; Caiu um poste na Av. 29 de Dezembro; Caiu a tradição de iniciar o São João no dia dos namorados; A gente cai quase todo dia nos buracos da PE 160 e da cidade, já está na hora da gente cair na real. Em outubro, teremos mais uma bela oportunidade!

TRADIÇÃO INFLACIONADA – Em Santa Cruz do Capibaribe, tradicionalmente, o São João começava no Dia dos Namorados. Salvo engano, a justificativa para não manter a tradição foi o alto custo que teria um evento iniciado dia 12 e terminado depois do dia 24. Se o orçamento do São João da Moda é em torno de três milhões, quantos milhões seriam suficientes para manter essa tradição?

NA FEIRA E NA POLÍTICA – Um número considerável de comerciantes do Moda Center aparentemente está arrependido de ter votado para o fechamento do parque aos domingos na alta temporada. Aconteceu o mesmo com alguns apoiadores do golpe a Dilma. É só mais um exemplo de como o povo ainda escolhe mal quando vota. Se foi difícil escolher o melhor dia para vender e ganhar dinheiro, imaginem escolher quem vai administrar a cidade, o estado, o país.

FEIRA E FORRÓ – Muita reclamação domingo passado com os clientes chegando a cidade logo cedo e o Moda Center fechado, assim como foi decidido em assembleia. Já que não podiam comprar, era para a clientela ter ido conhecer o Forró do Menino. É sempre importante conhecer outros tipos de comércio.

CAPITAL DOS BURACOS – Não é que chegou a alta temporada no Polo de Confecções e os buracos da PE 160 não foram tapados, como esperava a população. Dizem que as máquinas estão trabalhando a todo vapor. Isso é a mais pura verdade, só que elas estão fazendo mais buracos. Na pista antiga são buracos quadrados e na nova um imenso e cumprido buracão. Já se passou uma mudança de Papa e um título estadual do Náutico sem essa obra ficar pronta, depois ainda querem paciência.

BONITO – Perguntado em entrevista de rádio se apoiaria Diogo Moraes para deputado, caso Zé Augusto não consiga ser candidato, o ex-vereador Fernando Aragão disse que vai sentar com o grupo e decidir. Nas entrelinhas, quis dizer que não anunciará numa emissora de rádio antes de ouvir o grande grupo. Isso é fazer bonito e não como fizeram em Bonito. Está um rapazinho, deu entrevista e não falou o que não devia. Dizem até que sorriu e criticou quem é abusado. É o sinal dos tempos!

O ESCOLHIDO – “Tenho uma certa impressão de uma certeza imprecisa” que, em breve, o grupo azul vai divulgar qual projeto político apoiará para governo do estado. Se mantiverem a escrita, vamos começar a acompanhar as rádios de Bonito também. A menos que estejam Armando uma estratégia para apresentação mais eficiente que não cause polêmica. As conversas de bastidores dizem que é pra ir todo mundo junto, caladinhos e achando bom.

O PREÇO – A internet repercutiu o preço de um voo fretado da Seleção Brasileira como se fosse o absurdo dos absurdos. Nada que a venda de uma dúzia de camisas oficiais da seleção não cubra. Essa galera nem imagina quanto custa água mineral, corte de bolo e o São João da Moda em nossa Santa Felicidade!

“Não me queiram mal. Apenas pensem nisso, enquanto lhes digo que fica o dito para ser rido”

.

As opiniões e informações aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

13
junho

As curtinhas do Romenyck Stiffen

COM QUEM VOU?

DILEMA – O tempo está passando e o prefeito Edson Vieira (PSDB) tem um dilema para resolver: qual candidato apoiar ao Governo do Estado?

OS PREFERIDOS (I) – Edson pode seguir o seu líder político no Estado, Bruno Araújo (PSDB), e apoiar o senador Armando Monteiro (PTB). Contudo, Vieira sabe que no município Armando tem preferência pelo grupo taboquinha, em especial, José Augusto Maia (PTB).

OS PREFERIDOS (II) – O prefeito de Santa Cruz do Capibaribe ainda pode fazer o caminho de volta e apoiar o projeto de reeleição do governador Paulo Câmara (PSB). Contudo, Edson Vieira sabe que no município o governador tem preferência pelo grupo do deputado estadual Diogo Moraes (PSB).

OUTROS NOMES – Lógico que existem outros nomes na disputa do Estado, mas é pouco provável ver o prefeito Edson apoiar Júlio Lóssio (REDE) ou Marília Arraes (PT), por exemplo.

VAI SE POSICIONAR, MAS… – Óbvio que o prefeito Edson Vieira vai se posicionar apoiando Paulo ou Armando, contudo, o mesmo não terá tanto empenho em seu apoio seja qual for sua escolha. Observaremos um Edson dispensando seus comandados no apoio ao Governo do Estado e o veremos empenhado em tentar fazer Alessandra e Bruno como majoritários em sua cidade.

.

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

08
junho

As curtinhas do Romenyck Stiffen

MAIS UMA ESCOLA!

TAMBÉM É BRASIL – Para quem ainda não sabe, Toritama é uma cidade desse mesmo país chamado Brasil onde vários gestores municipais alegam dificuldades de governar por razões da crise que, de fato, assolam nossa nação.

DIFERENTE – Quais os motivos que levam a gestão de Edilson Tavares (MDB) apresentar tantas ações já consolidadas no município de Toritama, enquanto os demais prefeitos de nossa região não conseguem acompanhar o mesmo ritmo? Fica a dica pra você, leitor, refletir.

MAIS UMA ESCOLA – Apesar de não conseguir cumprir o primeiro prazo prometido, que era inaugurar três escolas no início do ano letivo de 2018, Edilson entregará a terceira escola nesse mês de junho.

ALTO PADRÃO – Não é qualquer construção que está sendo entregue a população, mas são escolas de alto padrão, que causam inveja se comparadas a diversas escolas estaduais, particulares e também municipais.

EQUIPAMENTOS – As escolas contam com materiais tecnológicos como tablets e computadores por aluno, salas amplas e climatizadas. A que será entregue no mês corrente, contará com equipamentos para prática de esportes e lazer de forma diferenciada.

ALÉM DA EDUCAÇÃO – Contudo, não é apenas a área de Educação que vem recebendo uma atenção especial. Outras áreas a exemplo da Saúde, com construção de Unidades Básica de Saúde, também são destaques.

SAINDO DO ALUGUEL – As construções de escolas e UBS fazem com que o município economize com alugueis, diferente de outros que só aumentam os custos, principalmente com imóveis que pertencem a aliados políticos.

VEM DIMINUINDO – Outro diferencial de Edilson em relação a muitos prefeitos de nossa região, é a redução de forma constante no gasto com folha de pessoal. Toritama ainda está acima do limite prudencial que é 54%. Está com 58%, mas recebeu bem acima disso. Contudo, bem abaixo de cidades da região que ultrapassam os 60% ou até mesmos os 70%.

REFLEXÃO – Trago mais uma vez a necessidade de reflexão, quais os motivos que levam a gestão de Edilson Tavares (MDB), em Toritama, cidade desse mesmo país chamado Brasil, onde vários gestores municipais alegam dificuldades de governar por razões da crise, apresentar tantas ações já consolidadas e economicidade, enquanto os demais prefeitos de nossa região não conseguem acompanhar o mesmo ritmo?

As informações aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

 

 

 

 

06
junho

Resumório! – A coluna do Professor Tenório

OSTENTAÇÃO – A galera das redes sociais não perde tempo. Com a falta de combustível por conta da paralisação dos caminhoneiros, as fotos de lugares paradisíacos foram substituídas por fotos de painel de carro e moto com o ponteiro marcando que o tanque estava cheio. Parece que o sofrimento nas longas filas eram para resolver mais de um tipo de necessidade.

ACABOU – Agora que a paralisação acabou, já podemos voltar à rotina na Terra das Confecções. Não se falava outro assunto nas rodas de conversas. Vamos voltar a falar de buracos redondos e quadrados, muriçocas, raio X quebrado, calçamento estreito, São João, entrevistas, apoios e adesões. São as peiticas nossas de cada dia.

VIOLÊNCIA – Voltou o combustível e voltou a onda de violência. Alívio de um lado, preocupação do outro. Parece que a turma dos crimes trabalhou dobrado para compensar a semana sem movimento. E a nossa sorte é que nos divertirmos com tudo, até com as nossas próprias desgraças, porque a única coisa que funcionou na semana passada regularmente foi a produção de memes.

A ENTREVISTA – Alessandra Vieira concedeu entrevistas em algumas rádios da cidade e virou o assunto mais badalado da semana na política local. Teve análise de políticos, de lideranças, de correligionários, de cientistas políticos, teve meme, piada e até música. Essa cidade não tem a menor chance de dar certo mesmo. O país parou por uma semana e, na semana seguinte, o destaque foi uma entrevista de uma pré-candidata a deputada estadual.

REVISÃO – Se a entrevista de Alessandra fosse uma prova, ela poderia pedir revisão de nota. Foi dado nota três, quatro, cinco, seis e sete para a mesma entrevista. Teve gente avaliando de forma mentirosa e gente com dificuldade de avaliar. Por outro lado, teve gente com muita sinceridade na avaliação.

REPÚDIO – O vereador Marlos Melo apresentou, esta semana, na Câmara de Vereadores, voto de repúdio aos deputados federais de Pernambuco que votaram a favor da entrega do petróleo do pré-sal às petrolíferas multinacionais. Discussões acaloradas à parte, dois vereadores de oposição votaram favoráveis ao voto de repúdio, mas vão votar e apoiar o deputado federal que repudiaram, o mesmo que já tinha sido criticado em outros momentos. Sou a favor, mas sou contra. Voto e apoio, mas repudio as atitudes dele. Pior seria se melhor não fosse.

SÓ UMA PARTE – Nos últimos dias aconteceram várias entrevistas, principalmente com pré-candidatos a deputado. Na hora de fazer uma avaliação sobre as entrevistas ou opinar sobre um ponto específico, deixando aliados ou amigos em saia justa, a saída mais usada foi: “só ouvi uma parte da entrevista”. Se me questionarem algo sobre o Resumório de hoje, mesmo não sendo possível, já adianto que só li uma parte.

PREPAREM A PIPOCA – Segundo informações de bastidores, a próxima reunião da câmara de vereadores de Santa Cruz promete ser daquelas com discursos bem acalorados, dando continuidade ao que foi dito em programas de rádio. Respostas, insinuações, provocações e denúncias fazem parte do cardápio. Quem gostar desse tipo de discurso, prepare a pipoca, porque vai ser animado.

TITANIC – O ex-vereador, ex-secretário e atual pré-candidato a deputado estadual Luciano Bezerra comparou a gestão municipal com o Titanic em entrevista na Rádio Polo. Disse que a gestão está afundando e os mais pobres é que estão sendo mais prejudicados. Enquanto isso, os mais endinheirados continuam ouvindo a banda tocar, assim como aconteceu na embarcação. Ele foi muito elegante na comparação. No meio da campanha se diz ou se canta assim: “Tá todo mundo vendo que o barco vai afundar, pule você também, pule pro lado de cá”.

DÍVIDA – Em sua entrevista, Luciano disse que o município tem uma dívida consolidada de quase 50 milhões, que está com mais de 60% de comprometimento com a folha de pessoal, que tem gente na prefeitura sem fazer nada. Só faltou dizer: Viva São João! Sejamos sinceros, para quem tem 50 milhões de bronca, dois milhões a mais ou dois milhões a menos não faz tanta diferença assim.

DIRETO DA REDE – “Quem souber quando Temer vai tirar uns dias de férias, por favor indicar uma bela praia para banho aqui em Pernambuco, Piedade, onde fica uma igrejinha. Os melhores banhos são sempre à tarde com maré alta.”

“Não me queiram mal. Apenas pensem nisso, enquanto lhes digo que fica o dito para ser rido.”

.

As opiniões e informações aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

06
junho

As curtinhas do Romenyck Stiffen

PRESSIONADO!

Pressionado – O prefeito de Brejo da Madre de Deus, Hilário Paulo (PSD), hoje é o político da região mais pressionado. A pressão vem de todos os lados e todos os setores.

Funcionários públicos – Hilário não tem descanso em relação às cobranças dos funcionários públicos, principalmente os professores que cobram, constantemente, melhorias no trabalho, reajuste salarial, entrega dos livros didáticos, fardamentos dos alunos e diários de classes.

Oposição – Os vereadores de Oposição vêm sendo um calo no sapato do prefeito em relação à fiscalização e cobranças por informações em relação as ações e contratos do governo, mesmo sem recebê-las na maioria das vezes.

Falando nisso – O vereador da situação Wagner Assunção (PP), o Bolão, soltou o verbo cobrando ações da Secretaria de Saúde, que tem a frente o ex-prefeito Dr. Edson (PTB). Bolão solicitou as mais diversas informações da referida secretaria.

Fogo amigo – Hilário se vê em uma situação muito difícil dentro do próprio grupo. Visivelmente, ele é pressionado pela maior parte de sua bancada, que cobra o rompimento com Dr. Edson em troca de não perder o apoio desses respectivos vereadores. Por outro lado, um possível rompimento com Dr. Edson é saber que a autonomia política o fará perder fortes apoios, eleitorado e também possíveis vereadores na câmara.

Calculado – Informações de bastidores dão conta que o prefeito Hilário já tomou sua decisão e que a mesma será informada em breve. A mesma teria tido como cálculo o menor estrago político, já que em qualquer decisão tomada, às percas são inevitáveis.

As informações e sugestões aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

01
junho

As curtinhas do Romenyck Stiffen

Falou

Expectativa – Havia uma cobrança e expectativa em relação à primeira dama de Santa Cruz do Capibaribe, Alessandra Vieira (PSDB), falar sobre a sua pré-candidatura a deputado estadual. A mesma concedeu entrevista ao programa Rádio Debate, na rádio Polo FM.

Desenvoltura – Se alguém esperava um desastre em relação à desenvoltura da entrevista quebrou a cara, contudo, a mesma tem muito a amadurecer em diversos aspectos, mas só o tempo nos dirá se a mesma conseguirá adquirir essa experiência política. Como professor, daria uma nota 5 no primeiro desafio de Alessandra.

Alfinetou – A primeira dama não deixou de alfinetar o deputado estadual Diogo Mores (PSB), onde afirmou que desde 2015 o mesmo se fez ausente do município, deixando o prefeito só em momentos delicados. Ainda segundo Alessandra, isso ocorreu com outros prefeitos que davam sustentação ao deputado.

Dispensa – Alessandra também alfinetou José Augusto Maia (Avante), afirmando que dispensaria o apoio do mesmo em uma candidatura.

Em conflito – O relacionamento entre o prefeito de Brejo da Madre de Deus, Hilário Paulo (PSD) e os professores piora a cada dia. Após o desconto das paralisações nos vencimentos dos professores, antes de completar os 30 dias habituais para o desconto, a situação azedou de vez.

Não para – A presidente do SINDUPROM-PE, Luciene Cordeiro, fez uma extensa nota em relação aos possíveis abusos do prefeito Hilário contra os professores. Segundo Luciene, o prefeito tenta amedrontar a categoria com suas atitudes, mas a mesma afirma que a luta está só começando.

.

As informações e opiniões aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

01
junho

Artigo – Por Adriano Oliveira

TODOS OS PRESIDENCIÁVEIS SÃO IGUAIS?

 

Pedro é convidado para uma festa de 15 anos. No convite, em letras garrafais está: Traje esporte fino. Pedro, por várias vezes, lê a informação e comenta com a sua namorada a exigência da festa. Contudo, Pedro decide ir com a mesma roupa que costuma frequentar a praia de Porto de Galinhas: camiseta e sunga. Quando Pedro chegou à festa, ocorreu o previsto: todos ficaram olhando para ele. Conclusão: Pedro chamou a atenção dos participantes da festa por está vestido diferente de todos os outros.

Chamar atenção. Esta é uma regra básica do marketing político. Políticos sábios adotam o comportamento de Pedro e conseguem chamar a atenção do eleitor de modo positivo ou negativo. Mas conseguem despertar o eleitor. Na crise dos caminhoneiros, todos os presidenciáveis falaram a mesma coisa. Portanto, nenhum despertou o eleitor.

Os presidenciáveis optaram pelo discurso fácil: apoiaram a greve e defenderam a redução da carga tributária. Nenhum presidenciável propôs o debate sobre o papel da Petrobrás no mercado de combustível brasileiro. Existiam dois argumentos em relação à Petrobrás: 1)Defender intervenção do governo na empresa; 2) Defender a atuação da Petrobrás como empresa privada, sem a interferência do governo. Todos optaram pela alternativa 1.

Fizeram isto em razão de temer a opinião pública. Eles sabem que a maioria da população brasileira é contrária à reforma da Previdência e à privatização. É por isto que o PT conseguiu derrotar o PSDB em várias eleições. Parte da população majoritária brasileira gosta do Estado, defende o Estado e tem medo do liberalismo. Compreensível diante da imensa desigualdade social e carência econômica.

Por outro lado, a redução de tributos tem apelo popular. Porém, mais Estado, mais política social, diante de um ente estatal cheios de privilégios, impossibilita a redução de impostos sem o aumento de outros impostos. E menos imposto gera déficit público e corte de investimentos. Os presidenciáveis poderiam ter aproveitado a greve dos caminhoneiros para defender a reforma da Previdência e o fim dos privilégios no Estado. Mas não fizeram, pois temem a opinião pública e temeram contrariar as categorias que têm privilégios no Estado.

Nenhum presidenciável se destacou na greve. Ressalto, contudo, uma surpresa positiva: Márcio França. Mostrou iniciativa, capacidade para negociar e habilidade com a imprensa. Por ora, os presidenciáveis não optam por ser Pedro. Por consequência, não chamam a atenção do eleitor. E um dado: os presidenciáveis liberais ou anti PT reforçaram o discurso petista entre os eleitores.

;

As opiniões e informações aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

30
maio

As curtinhas do Romenyck Stiffen

Viabilidade!

 

Dificuldades – Desde quando lançou sua pré-candidatura a deputado estadual, José Augusto Maia (Avante) tem dificuldades em convencer a mídia e o eleitorado de Santa Cruz do Capibaribe da viabilidade política de seu projeto.

Explicações – José Augusto Maia tem que dar explicações a todo o momento sobre questionamentos em relação a seus apoios fora da cidade ou sobre sua situação das condenações judiciais.

Vai arrumar – O deputado federal Ricardo Teobaldo (Podemos) afirmou ao radialista Marcondes Moreno que, na possível chapinha do partido Avante, Zé poderá ser eleito com 22 mil a 25 mil votos. Segundo Teobaldo, o mesmo irá tentar repassar para Maia em torno de 6 a 7 mil votos.

Trocando bases – Com Teobaldo arrumando 6 a 7 mil votos para José Augusto Maia, observaremos que não passará de uma troca de bases, pois esse número de votos é a expectativa que Zé poderá, também, arrumar para Teobaldo em Santa Cruz do Capibaribe.

Dobradinha – Teobaldo afirmou que está em contato com um grupo político de uma cidade que lhe apoia para que os mesmos também apoiem Zé, sendo a primeira dobradinha entre ambos fora de Santa Cruz. Segundo Ricardo Teobaldo, esse grupo poderá transferir até 2.500 votos.

O local – Segundo informações de bastidores, o grupo que poderá ser anunciado por Ricardo Teobaldo e José Augusto Maia, em breve, provavelmente são seis vereadores da cidade de Lagoa do Carro.

Necessário – Anunciar apoios fora da cidade de Santa Cruz é necessário para Zé Augusto mostrar viabilidade de voto em seu projeto e Teobaldo mostrar que não só tem dobradinha com Diogo Moraes (PSB) em outros municípios, pois estava ficando estranho.

Suficiente? – Só as urnas dirão se os 22 mil votos ou os sete mil votos prometidos por Teobaldo serão suficiente para José Augusto ser eleito. Contudo, demonstra que existe uma movimentação de Zé, pois o que se observava até então era o mesmo perdendo aliados importantes em seu município e sem mostrar apoios fora.

 

As opiniões e informações aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

28
maio

As curtinhas do Romenyck Stiffen

Encaixando as peças!

 

Cada um com o seu: Com a pausa do programa “Oposição em Ação” na rádio Polo FM, durante o período eleitoral, teremos as peças políticas bem encaixadas nos programas políticos da cidade.

Não participam (I): Já ficou claro que os vereadores da bancada de situação que apoiam o deputado Diogo Moraes (PSB), a exemplo de Toinho do Pará (PSB), Júnior Gomes (PSB), Ronaldo Pacas (PR) e até mesmo Zé Minhoca (PSDB), não participam do programa “A Hora do Povo”, do prefeito Edson Vieira (PSDB).

Não participam (II): Também ficou claro que os vereadores de oposição que apoiam Diogo Moraes, a exemplo de Marlos da COHAB (PODEMOS) e Deomedes Brito (PT) não participarão das edições do “Oposição em Ação” que serão veiculadas na rádio Santa Cruz FM, muito menos do programa “Comando Geral” na São Domingos FM, pois ambos terão a finalidade de alavancar o projeto de José Augusto Maia (AVANTE).

Não cabia mais: Zé, Marlos e Deomedes não cabia mais em um mesmo programa, e as três últimas semanas retrataram muito bem isso. As discussões ao vivo entre os três nomes citados não estavam causando desrespeito apenas entre si, mas também aos ouvintes, seja ele Taboquinha, Boca Preta e muito menos com quem não se identifica com as respectivas agremiações.

Vai ter mais?: Resta saber se as últimas edições do Oposição em Ação, ao sábado, estarão presentes Zé, Deomedes e Marlos, ocasionando, assim, mais roupas sujas lavadas em públicos.

Denúncia: O Oposição em Ação ao domingo começou com tudo, trazendo uma grave denúncia contra o Secretário de Planejamento Público, Gilson Julião. O vereador Carlinhos da COHAB (PTB) utilizou uma entrevista onde um ex-funcionário público contratado, o pedreiro Josival Antônio dos Santos, afirma que durante 14 meses o secretário ficava com R$ 800 do seu salário, argumentando que seria para compra de alguns materiais para Secretaria.

Ministério Público: Segundo o vereador Carlinhos, a denúncia será encaminhada ao ministério público. Gilson é um dos principais nomes do governo Edson Vieira (PSDB), já passou por três secretarias nos mais de cinco anos da gestão Vieira, e pela primeira vez se depara com seu nome envolvido em uma denúncia dos vereadores de oposição.

;

As opiniões e informações aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

23
maio

Resumório – A coluna do Professor Tenório

OPOSIÇÃO EM BRASÍLIA – Integrantes do programa Oposição em Ação, juntamente com Zé Augusto foram para Brasília. Mais assustador do que uma forte turbulência seria uma lavagem de roupa suja em pleno voo, daquelas que eles fizeram no programa.

PASSEIO – A marcha dos prefeitos em Brasília deu mais gente do que o Moda Center em feira de alta temporada. Prefeitos, vereadores, suplente, pré-candidatos, maridos, maridas, familiares e assessores no atacado marcaram presença na Capital. Uns foram a negócios e outros claramente a passeio. Passagem de avião e o custo de vida em Brasília é muito alto, mas como diz alguém que não lembro quem: “dividido para cem mil habitantes, dá quase nada para cada um”.

AQUECIMENTO DA ECONOMIA – A peregrinação dos prefeitos e comitivas em Brasília pode até não render frutos para seus respectivos municípios, mas certamente vai aquecer a economia. Com os preços praticados na Capital Federal, vai ter vereador renovando consignado para arcar com as despesas não cobertas pelas diárias.

PROTESTOS – Os protestos dos caminhoneiros seguem a todo vapor. Na nossa região além de gasolina nos postos está faltando pneu velho para queimar na estrada. Integrantes dos movimentos sociais que foram chamados de vagabundos por caminhoneiros estão de alma lavadas. Cada um sabe onde o calo aperta, meu amigo. 

VÃO FICAR – O protesto dos caminhoneiros deixou o aeroporto do Distrito Federal sem combustível. Será a maior marcha dos prefeitos da história, porque ou ficam em Brasília ou vão marchar até seus estados. Segundo os gaiatos de plantão, só pelo fato de deixar os políticos lá em Brasília, o protesto já cumpriu um grande serviço para o país.

METADE DA VIDA – Existem três tarefas que consomem metade de sua vida. Isso graças ao aumento da expectativa de vida no Brasil que passa dos setenta e cinco anos. Se você precisar resolver algo na agência da Caixa ou Banco do Brasil de Santa Cruz, precisar pagar a sua conta da Celpe e abastecer o carro, saiba que estará perdendo metade de sua vida.

A SECRETARIA VAI PRO BREJO – Com Alê o Dr. fica, com Waldemar o Dr. some. Informações “extrafuxicais” dão conta que depois de oficializar o apoio a pré-candidata a deputada estadual Alessandra Vieira, o prefeito do Brejo da Madre de Deus, Hilário Paulo, até que fim terá coragem de enfrentar o ex-prefeito do Brejo e atual secretário de saúde, Dr. Edson. Estou “sabreno” que já tem até nome para substituir o Dr. na secretaria. Mas não acreditem nessas histórias, são conversas de malas. A verdadeira história será contada por Hilário numa coletiva qualquer dia desses.

O BRASIL QUE NÓS TEMOS – Perguntado a uma adolescente a opinião dela sobre o atual cenário político e as consequências desse protesto dos caminhoneiros, ela disse que não parou para pensar nisso, pois ainda está superando o fim da última novela das nove e o cancelamento da série Lúcifer pela Fox.​

TIRA DILMA – Pessoas empurrando motos, filas quilométricas nos poucos postos que ainda restam gasolina. Cenas de filme do fim do mundo. Mais do que nunca a ciclovia da PE 160 fará falta. Agora só nos resta tirar onda de quem gritava: Tira a Dilma!

AUTOSSUFICIÊNCIA – Se existisse tecnologia capaz de desenvolver um veículo movido à mentira, a roubo e gaiatice, nós seríamos verdadeiramente um país autossuficiente na produção de combustível. E de quebra, com potencial de exportação para todo o planeta.

ENQUETE MENTAL – O que está mais difícil de encontrar, gasolina nos postos ou paneleiros nas ruas?

DIRETO DA REDE – “Brasileiro está abastecendo o carro com uísque Blue Label para economizar.”

“Não me queiram mal. Apenas pensem nisso, enquanto lhes digo que fica o dito para ser rido.”

.

As opiniões e informações aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

23
maio

As curtinhas do Romenyck Stiffen

Cortando os laços?

 

Com Alessandra: O prefeito de Brejo da Madre de Deus, Hilário Paulo (PSD), bateu o martelo e vai apoiar o projeto de pré-candidatura de deputada estadual da primeira d Alessandra Vieira (PSDB).

Separados: O apoio de Hilário a Alessandra o afasta do projeto do Líder politico Dr. Edson (PTB) que irá apoiar a reeleição de Waldemar Borges (PSB).

Sem novidades: Não é a primeira vez que o grupo de situação de Brejo segue projetos distintos. Em 2014, por exemplo, Hilário era vereador e apoiou, com parte da bancada, a candidatura do deputado estadual Diogo Moraes (PSB), enquanto Dr. Edson, prefeito a época, apoiou, com boa parte do grupo, a candidatura de Waldemar Borges.

Foi acirrado: O resultado das urnas em 2014 foi muito acirrado, o candidato de Dr. Edson saiu do município com 313 votos de diferença para o candidato apoiado por Hilário, ou seja, 0,28% de frente apenas.

Credenciou: O resultado das urnas em 2014 fez com que os vereadores gritassem mais altos e credenciou a candidatura de prefeito para Hilário nas eleições municipais de 2016.

Cortando os laços?: Como podemos observar o grupo seguir projetos distintos não é uma novidade, então não podemos afirmar que existe um corte laços nesse momento. O que vai definir um rompimento entre Hilário e Dr. Edson serão os próximos passos que podem ser dados.

Quais passos?: É necessário saber se Hilário tem coragem de fazer uma reforma entre os secretários municipais, tirando os nomes de confiança de Dr. Edson, além do próprio. Esse seria um sinal claro de rompimento e uma demonstração frente ao grupo e a população de quem de fato tem as rédeas do governo.

;

As opiniões e informações aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

21
maio

As curtinhas do Romenyck Stiffen

A Garra do Zé!

A GARRA – O ex-deputado Federal José Augusto Maia (Avante) mostrou, nos últimos dias, sua garra e disposição em uma de suas principais bandeiras: as emancipações.

LIDERANÇA – Zé mostrou seu poder de liderança e prestígio em Brasília e, mais uma vez, sua luta em favor dos projetos pelas emancipações foi reconhecida pelos lideres a favor das emancipações.

TRAZER PRA CAMPANHA – Falta Zé trazer e demonstrar essa garra e disposição em sua pré-campanha de deputado estadual, aquecendo, assim, a mesma.

SEMANA DE TRABALHOS – O prefeito Edson Vieira (PSDB) teve uma semana proveitosa de trabalho, pois as pavimentações asfálticas nas principais ruas do centro da cidade deram uma nova cara à localidade.

COROOU – A semana de trabalho foi coroada pela entrega da revitalização da Avenida Padre Zuzinha. A mesma agradou a população, principalmente a da localidade. A rua saiu do esquecimento para uma movimentação impressionante, perceptível no último final de semana.

ALTOS E BAIXOS – Como a maré do prefeito é sempre de altos e baixos, o mesmo também recebeu a notícia de que uma auditoria especial será realizada pelo Tribunal de Contas do Estado em relação à denúncia feita pelo vereador Carlinhos da Cohab (PTB) sobre a licitação da água mineral.

PAROU – O deputado Diogo Moraes (PSB) criou uma estratégia nas últimas semanas de anunciar nomes que aderiram ao seu projeto de reeleição. Contudo, a última semana passou em branco e a atual inicia sem expectativas de novos nomes.

PERIGOSA – A estratégia do deputado é perigosa, pois o crescimento de adesões toda semana pode, também, dar impressão de cansaço e estancamento de sangria por parte de Edson e Zé, caso demore os anúncios de novos nomes.

.

As opiniões e informações aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

17
maio

Artigo – Por Maurício Romão

O QUE AS PESQUISAS ELEITORAIS PARA PRESIDENTE PERMITEM AFIRMAR

 

Três grandes Institutos realizaram pesquisas nacionais de intenção de votos para presidente da República agora neste mês de maio: Datafolha, Paraná Pesquisas e MDA/CNT.

Todos os três fizeram levantamentos anteriores neste ano de 2018 com o mesmo propósito, de sorte que alguns resultados evolutivos podem ser extraídos preliminarmente, malgrado as distintas metodologias empregadas:

1) o ex-presidente Lula continua liderando a corrida presidencial em intenção de votos em qualquer cenário, mesmo depois de sua prisão;

2) tais intenções de voto ao ex-presidente, entretanto, caíram numericamente de antes da prisão para depois, não se configurando assim o processo de vitimização que muitos esperavam;

3) há uma clara percepção da maioria populacional, inclusive entre os petistas, de que o ex-presidente não conseguirá levar sua candidatura até o pleito, o que sinaliza para uma progressiva diminuição de suas intenções de votos nas pesquisas vindouras, bem como para aumento de pressão por mudança da estratégia levada a cabo pelo seu partido;

4) quando o nome de Lula não aparece entre os pré-candidatos, as intenções de voto que lhe são atribuídas se dispersam entre os demais concorrentes, com Marina Silva e Ciro Gomes sendo os destinatários que mais se beneficiam, proporcionalmente;

5) ainda nos cenários em que Lula não está presente, Jair Bolsonaro lidera em todos eles, sempre seguido por Marina e, logo depois, por um bloco intermediário, onde Ciro Gomes se destaca;

6) a liderança de Bolsonaro, contudo, não avança em intenção de votos, sugerindo que sua postulação tenha atingido um teto;

7) Geraldo Alckmin não consegue decolar, nem com Lula, nem sem Lula. Suas intenções de voto são sofríveis, abaixo de dois dígitos, frustrando o campo de centro-direita e grande parte do mercado;

8) os eventuais pré-candidatos do plano B petista (Haddad, Wagner) decepcionam em intenções de voto e pouco se beneficiam da pulverizada transferência de votos do ex-presidente, o que força o PT a manter a atual estratégia lulodependente;

9) Os pré-candidatos mais à esquerda, Boulos e Manuela, bem como as postulações ditas de novidade, quase não pontuam em intenções de voto, ficando circunscritos ao conjunto de “outros”;

10) os eventuais pré-candidatos do governo (Temer, Meirelles) têm pontuações insignificantes, mostrando que representantes deste campo carregarão pesadamente o fardo do desgaste do governamental.

O quadro político ainda está muito confuso e indefinido, a quatro meses do pleito. O eleitor encontra-se desiludido com a política e com os políticos e não vislumbra ainda uma candidatura que lhe ofereça fundadas esperanças, sentimento que pode vir a reverter-se mais à frente, no curso da campanha propriamente dita.

Pode-se deduzir ainda que o eleitor encontra-se numa encruzilhada: demonstra querer mudança, algo novo, mas ao mesmo tempo receia que a situação do país piore com alguém inexperiente. Rejeita o tradicional, mas sinaliza preferir alguém com tarimba para lidar com a caótica situação brasileira.

Imerso em tantas dúvidas, o eleitor vai postergando sua definição de voto mais para a frente, aguardando o ambiente clarear. Neste contexto, os resultados das atuais pesquisas ainda são bem prematuros, ensejando por enquanto apenas uma certeza: a de que a eleição será plena de extremas emoções!

/

As informações aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

16
maio

Resumório! – A coluna do Professor Tenório

RESUMÓRIO

VAI FICAR PEQUENO – As atrações do São João da Moda 2018 foram divulgadas. Quando o Resumório dizia que era um beco do forró na Avenida 29, muita gente se aborreceu, mas reconheceram que o espaço não comporta o tamanho do evento. Pelo nível das atrações, não estranhem se campo municipal também ficar pequeno. Se continuar nesse nipe, o próximo São João da Moda será no estacionamento do Moda Center. Basta transferir a feira para algum lugar improvisado, afinal sabemos como ninguém o que é prioridade.

RECLAME AQUI – Nosso São João é sem dúvidas a maior festa da cidade. Em todos os aspectos. É a que junta maior público, a mais esperada, a maior estrutura, a mais cara e a que reclamam mais. Se a edição 2018 não for recorde de público, com certeza será de reclamações. Tudo é motivo para reclamações, mesmo sem a festa começar. Umas válidas, outras nem tanto.

AXÉ – Aproveitando o bonde das reclamações, o velho e bom forró tradicional está perdendo espaço nas festas juninas. Já que valor de cachê e gênero musical não são problemas, deveriam ter contratado uma banda de axé. A nova novela das 9h só toca isso. Vai que vira sucesso!

DOIS MEDOS – Com mais uma queda da cobertura do setor azul do calçadão, os vendedores dos outros setores convivem com dois medos, de não descolar para pagar as contas e de o teto deles também despencar.

DOIS SAFADÕES – Da primeira vez que o teto do calçadão caiu foi por causa de um vendaval localizado, que só ocorreu lá. Agora o tempo estava bom e não há registro de fortes ventos. Nesse caso, “Safadão” não é só atração musical, pode ser também “serviço de reparação” de calçadão.

CONCURSO – Quem pediu ressarcimento do valor da inscrição do concurso público de Santa Cruz ainda não recebeu o dinheiro nem pode participar do certame. Mas você que ainda está se preparando para fazer a prova do concurso, não esqueça de estudar sobre a cobertura do calçadão Miguel Arraes de Alencar, afinal de contas ela sempre cai.

LAVANDERIA – O clima esquentou na edição do último sábado do programa Oposição em Ação. Uma verdadeira lavagem de roupa suja. Algumas manchas acabam não sendo removidas, mas espera-se que tenha diminuído a quantidade de sujeiras empurradas para debaixo do tapete. Uma vez me disseram e não acreditei, os vermelhos sabem brigar como ninguém.

ENQUETE MENTAL – Onde o clima estava mais tenso, no Programa Oposição em Ação do último sábado ou na dormida nos bancos do calçadão?

BATALHA RADIOFÔNICA – A busca e disputa por horários e rádios para veicularem os programas políticos estão fora de série. Se brincar, programas de culinária serão suprimidos e não se admirem se chegar proposta até para a rádio web Nova Dimensão, do amigo Melk Leão.

SAI UM PANELEIRO, VOLTA UM COMPANHEIRO – Conforme eu havia dito no Resumório de 25 de abril, os secretários das pastas badaladas duram menos. Assim foi com o SUPER SUPER secretário Luciano Bezerra e está sendo com o secretário EXTRAORDINÁRIO Joab do Oscarzão. Joab entregou a pasta e amanhã já estará presente na reunião da câmara de vereadores. Segundo o grande Vilão, Ernesto Maia, sai um batedor de panelas e volta um companheiro de luta.

ÀS CLARAS OU ÀS ESCURAS? – Perguntado se era verdade a história do corte da energia da Secretaria Extraordinária de Habitação, Joab respondeu que deixou a secretaria do jeito que pegou. Para quem não lembra, a posse de Joab foi naquela quarta-feira dia 21 de março que houve um apagão em várias regiões do país. Parece que de Super e Extraordinário nessas secretarias só a insatisfação de quem assume.

HAJA ASFALTO – É secretário entregando cargo, é adversário mostrando adesão dia sim outro também, é teto de obras despencando, é protesto por conta de buraco. Parece que o negócio “embicou” de vez. Haja asfalto para cobrir tanta pauta negativa para a gestão municipal.

 

Não me queiram mal. Apenas pensem nisso, enquanto lhes digo que fica o dito para ser rido.”

 

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

11
maio

As curtinhas do Romenyck Stiffen

O maior, melhor e mais polêmico São João da história de Santa Cruz do Capibaribe!

 

Lançamento – Na última quinta-feira (11) a prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe realizou o evento de lançamento do São João da Moda 2018.

O maior – Com as atrações divulgadas a exemplo de Aviões, Safadão, Cavaleiros, Márcia Fellipe, Gusttavo Lima, Magníficos, Bruno e Marrone e Dorgival Dantas, podemos observar que o prefeito Edson Vieira (PSDB) realizará, de longe, o maior São João da história de Santa Cruz do Capibaribe.

O melhor – A divulgação das atrações e a estrutura do São João da Moda 2018 apontam que teoricamente, para muitos, será o melhor festejo junino da história da cidade. Está nítido nas redes sociais e nas ruas da cidade que as atrações superaram a satisfação em relação à insatisfação na troca do espaço.

O polêmico – Contudo, o São João da Moda 2018, além de ser a expectativa do maior e melhor, já aponta que será o mais polêmico. Vereadores de oposição, a exemplo de Augusto Maia (Podemos) e Ernesto Maia (PT) iniciaram, nas redes sociais, a contestar os valores e economia dos festejos juninos em relação aos anos anteriores, questionando que estaria responsável pelos custos das atrações, a Empresa ou Prefeitura?

Vamos aguardar – As discussões sobre os valores do São João da Moda 2018, a economicidade do evento em relação aos anos anteriores serão um dos principais pontos discutidos. Contudo, enquanto isso, “é melhor curtir”.

.

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

09
maio

Resumório! – A coluna do Professor Tenório

​RESUMÓRIO

 

E SE FOSSE VOCÊ? – Se você fosse um pré-candidato a deputado, qual você seria? Um que some e aparece nas eleições? Um que não fala e precisa de uma muleta para aparecer? Um que quer ser, mas ninguém acredita que será? Um inteligente, mas que não tem votos? Um que não sabe o que quer? Ou um que tem medo de andar no meio do povo e quer fazer campanha sentado num sofá? 

HEREDITÁRIO – Um já disse que fará campanha virtual, da sala de casa. O outro, mesmo vendo as constantes movimentações dos adversários não bota o bloco na rua. Estratégia de família ou nem os próprios acreditam nas suas futuras candidaturas? 

ADESÕES – O projeto político do deputado estadual Diogo Moraes, que há uns meses estava xoxo na cidade, está ganhando adesões que surpreendem até os aderentes. Um cidadão decidiu seguir com o projeto de pré-candidatura do então deputado e está surpreso consigo mesmo.

NO ATACADO – E ultimamente as adesões estão sendo no atacado. A cada semana um monte de nomes conhecidos são anunciados. Para a tristeza dos adversários, para cada apresentação de apoios, são anunciadas novas adesões. Ele apresenta um e deixa outro encangado. Teve um que disse que está doido pra pular, mas falta coragem.

BRASIL X ALEMANHA – A forma que estão sendo apresentadas as adesões lembra aquele fatídico 7X1. Olhou para o lado é mais um. A diferença é que serão bem mais que sete e está se preparando um gol de placa.

VEM MAIS POR AÍ – Muitos já foram, quem ainda não foi irá, até “Ará”. E tem gente que em outubro de 2018 vota e em 2019 volta. Preparem os nervos e os ouvidos, porque já encomendaram mais fogos para as girândolas.

ONDA AMARELA – Esse fenômeno já foi visto num passado recente. Quando o povo toma gosto, o que começa com um gracejo vira adesivaço e até música. O pula pula pulou, vira vira virou parece que apenas mudou de cor. A onda que era azul, amarelou.

UMA BANDA É MINHA – Para não ficar só contando e lamentando as perdas, o prefeito de Santa Cruz do Capibaribe está articulando uma banda da cidade de Taquaritinga do Norte para apoiar a pré-candidatura de Alessandra Vieira.  

MUDANDO DE RAMO – Após os últimos acontecimentos, o vereador que antes postava vídeos na frente do Ministério Público, agora postou nas redes sociais alguns vídeos em bares e eventos, cantando. Será que está pensando em mudar de ramo? Não vou revelar o nome dele, mas o gênero cantado é sempre brega. 

DUPLICAÇÃO – Começou a operação tapa-buracos e engraçado que era pessoal da empresa tapando os buracos e acontecendo uma reunião na capital pedindo pra taparem. Tudo passa sobre a terra, até as férias dos trabalhadores da empresa que cuida da duplicação da PE-160. Amém!

SÃO JOÃO ITINERANTE – Apesar de grande parte da população não está contente com a ida do São João da Moda para o estádio Arizão, a mudança serviu para agilizar a construção da nova pista de bicicross e ajustes no campo após o evento. Sendo assim, era para cada ano o festejo junino ser realizado num bairro da cidade. Tá igual a vinda do governador, por onde ele passa tudo é devidamente arrumado.

O POVO QUER SABER – Vamos esquecer das duplicações da PE-160 e BR-104 e dos buracos, das coberturas do Calçadão, da Central de Feiras, do teto do Centro de Educação Infantil e Creche Júlia. Da falta de segurança e de abastecimento d´água nos bairros. Muita gente quer saber quem apoiará quem e quem terá mais votos. Enquanto for assim, assim será.

;

Não me queiram mal. Apenas pensem nisso, enquanto lhes digo que fica o dito para ser rido.”

 

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

08
maio

Artigo – Por Maurício Romão

QUEM TEM MUITO VOTO NÃO ENTRA!

 

Nos bastidores eleitorais a rejeição por alguns partidos à filiação de pré-candidatos eleitoralmente fortes ao Parlamento é fato tão corriqueiro que nem chega merecer atenção no dia-a-dia do meio político.

Vez por outra, entretanto, o assunto vem à baila, é explorado pela mídia, e causa estranheza nos eleitores. Foi o que aconteceu quando o deputado estadual Guilherme Uchoa abandonou o PDT porque a sigla vetou a entrada em suas fileiras do empresário Guilherme Uchoa Jr., seu filho, sob o argumento de este teria mais de 50 mil votos para deputado federal.

“Eu nunca vi isso em meus anos de mandato. Um candidato que tem voto ser barrado. Geralmente é ao contrário, quem não tem voto não entra”, disse, como que surpreso, o deputado (JC, março de 2018). Quem é do ramo percebe logo que esta declaração do experiente parlamentar é meramente retórica, endereçada ao meio não político. No burburinho da coxia, entretanto, todo mundo sabe que o fenômeno é trivial, incorporado à paisagem.

“Quer ser deputado? Com a gente, você tem mais chance!” Era esse o headline que encabeçava as peças publicitárias, entre elas vários outdoors, veiculadas por um partido alguns meses antes das eleições de 2010, em Pernambuco.

Em entrevista a jornal da capital (em matéria com sugestivo título: “Liquidação de candidatura a deputado”) o presidente da tal agremiação não tergiversou e foi no âmago da questão: disse que só seriam filiados à legenda candidatos a deputado estadual com expectativa de “15 a 20 mil votos e sem mandato” e decretou: “acima de 20 mil votos não entram. Montamos uma chapa para se eleger com menos votos”.

Num arroubo de sinceridade (DP, março de 2018), o deputado Eduardo da Fonte, dizendo que estava montando uma chapinha para eleger 12 deputados estaduais, foi peremptório: “Ainda tem muito parlamentar querendo entrar, mas já decidi que ninguém mais com mandato vai integrar o grupo para não prejudicar a cauda”.

O eleitor, naturalmente, estranha que nessas filiações não haja uma menção sequer à diretriz partidária, seu ideário, sua estrutura programática, nada! Mas ele se queda perplexo mesmo é com a barreira imposta pelos partidos à entrada de pré-candidatos com muitos votos. Ora, pergunta-se, “mas não são exatamente esses os que têm mais chances de se eleger?”.

É que no sistema eleitoral brasileiro os ocupantes das vagas parlamentares são os candidatos que obtém mais votos no seio do partido ou da coligação, independentemente da votação conseguida por candidatos de outras siglas. O adversário é o companheiro de chapa!

Neste contexto, então, pré-candidatos eleitoralmente fortes enfrentam resistências para ingressar nos partidos. A chegada deles ameaça o conjunto, particularmente aqueles candidatos com possibilidades de se elegerem. Daí o critério seletivo das cúpulas partidárias.

,

As informações aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

08
maio

Artigo – Por Adriano Oliveira

QUAL É A SUA ESCOLHA?

 

A cruzada contra a corrupção realizada pela Lava Jato cria a percepção de que o futuro é promissor. Em parte concordo. Pois a Lava Jato pode possibilitar a mudança dos costumes dos atores políticos. A Lava Jato também poderá servir de espelho para as instituições, incentivando atores institucionais a mudarem as suas visões de mundo.

A Lava Jato não é variável causal perfeita e suficiente para permitir que o Brasil supere os diversos desafios. Ela pode, inclusive, fazer mal ao funcionamento do sistema político brasileiro. Esta afirmação só adquire plausibilidade se, e somente se, você sair da caixa da ilusão política e caminhar no corredor do realismo político.

O sistema produtivo da política foi desvendado meritoriamente pela Lava Jato. Por outro lado, a referida Operação colocou em suspeição o todo da classe política, os mecanismos do presidencialismo de coalizão e as relações entre empresariado e políticos. A ordem política sofreu estresse, desajustes. Mas isto não significa que ela mudou.00

Suspeito de que não seja bom para o Brasil a vitória do “novo”. A vitória de um candidato sem experiência política e não integrante de um grande ou médio partido. É adequado para o Brasil o sucesso de um competidor com capacidade de liderar e agregar forças políticas para a superação dos desafios. Que saiba gerenciar com mérito o presidencialismo de coalizão. E, acima de tudo, que tenha capacidade de dialogar, e isto não significa frear uma ação, com variadas instituições, inclusive a mídia. O diálogo tem o objetivo de trazer para a pauta principal do país as reformas, dentre as quais, a previdenciária e as que tornem o Estado mais eficiente e livre de privilégios.

Se o próximo presidente precisa ter base parlamentar, além das qualidades já expostas, ele, certamente, precisará ser do PSDB, MDB ou PT. Todos estes três partidos, além do PP, PSD e PR, agremiações fortes no jogo parlamentar, foram atingidos pela Lava Jato. E quem garante que não continuarão a ser?

A encruzilhada está posta. O Brasil tem desafios. E precisa de um líder com capacidade e base parlamentar para governar com eficiência. Mas este líder pode ser atingido, junto com a sua bancada, por denúncias. Portanto, existem duas opções: 1) Exigir que a cruzada contra a corrupção continue; ou 2) Torcer para que o equilíbrio institucional entre atores e diversas instituições seja construído. Qual é a sua opção?

 

As opiniões e informações aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

07
maio

As curtinhas do Romenyck Stiffen

“O PLANO B”

SEMANA RUIM (I): O ex-deputado José Augusto Maia (Avante) passou por mais uma semana ruim. Zé perdeu apoio de nomes importantes a exemplos dos vereadores Deomedes (PT), Marlos da Cohab (Podemos) e o ex-vereador Galego de Mourinha (PTB).

SEMANA RUIM (II): Além da perca de apoios, o ex-deputado José Augusto Maia foi derrotado no Superior Tribunal de Justiça (STJ) no julgamento de um recurso que tentava reformar a decisão do Tribunal de Justiça de Pernambuco, que extinguiu uma ação proposta pelo mesmo para anular os efeitos da decisão do Tribunal de Contas de Pernambuco, que julgou irregulares as contas do ano de 2006.

GARANTE: A Defesa jurídica garante que, mesmo com a negativa do STJ, José Augusto Maia conseguirá registrar a candidatura, contudo, será difícil convencer a população sobre essa viabilidade jurídica e política.

PLANO B: As negativas de ordem jurídica e política por sobre José Augusto Maia já fazem seu grupo político pensar em um “Plano B”. Na última quinta-feira (03), um vereador da bancada de sustentação a José Augusto Maia confidenciou que existe um Plano B, mas que hoje o pré-candidato é José Augusto Maia.

FERNANDO: Apuramos informações nos bastidores políticos e o possível Plano B seria o nome do ex-vereador Fernando Aragão (PTB). Contudo, o mesmo não estaria disposto a disputar, pois está em um partido que, para ser eleito, precisaria tem aproximadamente 40 mil votos e não tem mais prazo para mudar de legenda. As bases que queriam lhe dar sustentação na região já têm compromissos e arrumar novas bases hoje, seria inviável.

ELE QUER: Enquanto isso, o vereador Carlinhos da Cohab (PTB), mesmo pesando contra ele os mesmos problemas que Fernando Aragão, estaria disposto a enfrentar uma campanha a nível estadual, visando simplesmente uma estratégia municipal e as eleições de 2020.

DESAFIO: José Augusto Maia tem um grande desafio para as eleições de 2018, que é passar por mais uma eleição com vários problemas políticos jurídicos e manter a liderança do grupo Taboquinha.

.

As opiniões e informações aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

04
maio

As curtinhas do Romenyck Stiffen

ROMPIMENTO SE APROXIMANDO!

ROMPIMENTO – Após o rompimento no grupo de oposição de Brejo da Madre de Deus entre a maioria da bancada de vereadores e o ex-prefeito Roberto Asfora (PSDB), chegou à vez do grupo de situação assistir um rompimento que se aproxima.

O CRITICADO – O ex-prefeito de Brejo da Madre de Deus e atual Secretário de Saúde, Dr. Edson (PTB), vem sendo alvo de críticas, nas últimas semanas, vindas de alguns parlamentares da bancada de seu grupo político.

BATEU COM FORÇA – Desta feita foi à vez do vereador Bolão (PP), que usou a tribuna para afirmar que faltam medicamentos em diversos postos de saúde da cidade e que o laboratório de análises clínicas do município não funciona normalmente.

NÃO FOI O PRIMEIRO – Bolão não foi o primeiro vereador do grupo de situação a fazer críticas ao ex-prefeito e, segundo informações de bastidores, não será o último. Recentemente, o vereador Flávio Diniz (PC do B) fez dois pedidos de informações sobre questões da gestão Dr. Edson. Entre eles está o pedido de Nº 007/2018, que solicita qual valor ficou em caixa no fechamento do exercício de 2016 da gestão municipal do ex-prefeito Dr. José Edson de Sousa.

MOVIMENTO – Informações de bastidores apontam que existe um movimento de escanteio ao secretário Dr. Edson e que, ao aproximar as eleições de 2018, poderá se concretizar o rompimento.

OS APOIOS – Esse escanteio, e o possível rompimento, passarão pelos apoios e a medição de forças nas urnas em 2018. Os bastidores apontam que Hilário e a grande maioria da bancada de vereadores irão apoiar Alessandra Vieira (PSDB) para deputada estadual, enquanto o ‘Doutor’ marchará basicamente só, em apoio ao seu candidato.

DIVISÃO POLÍTICA – O discurso de que Dr. Edson teria deixado mais de R$ 10 milhões nos cofres da prefeitura não teria agradado Hilário e sua fala de que uma auditoria estaria em curso no município não teria agradado o Doutor. Nesse contexto, a divisão política no grupo de Situação estaria muito perto de acontecer.

.

As informações aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

02
maio

Artigo – Por Maurício Romão

ELEIÇÃO EM 2018: TEMPO DE RÁDIO E TV

 

1) Distribuição do tempo: 90% proporcionalmente ao número de representantes na CF e 10% igualitariamente;

2) O tempo igualitário (10%) é dividido entre todos os partidos com candidatos majoritários, com ou sem representação na CF;

3) Esse tempo igualitário é pequeno (já foi 1/3 do total, antes da minirreforma de 2015). Imagine que se tenha 5 candidatos a governador de Pernambuco. Só dá 10,8 segundos para cada um;

4) Os blocos para governador são dois de 09 minutos cada, por dia (veiculados segundas, quartas e sextas), mais 70 minutos de inserções por dia, com duração de 30 segundos a um minuto;

5) As bancadas levadas em conta para cálculo do tempo são aquelas eleitas em 2014. As bancadas atuais não servem de base de cálculo;

6) No caso de criação de novo partido, vale o número de parlamentares que migraram para a nova sigla na data de sua criação;

7) No caso das coligações para governador, conta-se o tempo dos seis maiores partidos componentes, em termos de bancadas;

8) Na prática dos cálculos, cada deputado federal “vale” pouco menos de um segundo: 0,95 segundos. Então, como “regra de bolso”, se um partido tem 15 deputados eleitos, o tempo proporcional do partido será um pouco menor do que 15 segundos (no caso, seria de 14,25 segundos, 95% de 15);

9) Para os candidatos ao Senado, o tempo total de 7 minutos (420 segundos) será dividido da seguinte forma: 42 segundos, igualitariamente e 6 minutos e 18 segundos (= 378 segundos), proporcionalmente;

10) As bancadas dos deputados federais eleitos em 2014 é que serão também a base de cálculo do tempo dos senadores;

11) Por exemplo, um candidato a senador por um partido que tenha 10 deputados federais, terá 7,37 segundos de tempo de rádio e TV;

12) O número de deputados eleitos em 2014, constante da Tabela abaixo, foi obtido no site da Câmara Federal acessado em 20/02/2018;

13) A fonte primária das informações deste texto é a Resolução 23.551 do TSE, aprovada na sessão de Pleno de 18/12/2017.

Exemplo:

Considere o tempo de TV para a campanha de 2018 a governador.

Um bloco de tempo de TV para governador tem 09 minutos.

Como não sabemos ainda quantos e quais partidos disputarão as eleições majoritárias e quantos e quais deles formarão coligações, não poderemos dizer que, por exemplo, a Frente Popular encabeçada pelo PSB em Pernambuco terá tal e qual tempo de TV…

Por isso mesmo, também não temos como calcular o tempo igualitário. O tempo igualitário (10% do tempo total) é dividido entre todos os partidos com candidatos majoritários, com ou sem representação na CF;

Assim, por enquanto, até que saibamos quem coliga com quem e quem tem candidato a governador, só poderemos calcular o tempo proporcional de cada partido. O tempo proporcional corresponde a 90% do tempo total (proporcionalmente ao tamanho da bancada na CF, eleita em 2014).

A tabela acima mostra o tempo proporcional para todos os partidos com representação na CF.

Tomemos o MDB como exemplo.

O partido tem 65 deputados. Qual o tempo proporcional do partido?

Vejamos primeiro o tempo total, que é de 09 minutos. Isso corresponde a 540 segundos (nos cálculos de tempo de rádio e TV tudo é feito em segundos e, ao final, o resultado é apresentado em minutos e segundos)

Como são 513 os deputados da CF, então cada deputado equivale a 0,95 segundos (513 / 540 = 0,94473684).

Logo o MDB tem 65 deputados x 0,95 segundos = 61,41 segundos (vide tabela).

Vamos apresentar agora o resultado em minutos (CUIDADO, muita gente erra nessa transformação).

Para transformar 61,41 segundos em minutos, tem-se: 61,41 / 60 = 1,023 (atenção: este resultado não é um minuto e 23 milésimos de segundo, mas sim 1,023 minuto, quer dizer, está tudo expresso em minutos).

Resta ainda um passo para ir ao resultado final em minutos e segundos: transformar 0,23 em segundos (0,23 x 60 = 13,8)

Portanto, o MDB, isoladamente tem 1 minuto e 13,8 segundos de tempo proporcional de rádio e TV.

;

As informações aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

02
maio

As curtinhas do Romenyck Stiffen

JUNTOS E MISTURADOS!

O ARTICULADOR – O deputado estadual Diogo Moraes (PSB) se mostra como um exímio articulador e, apesar de seu rompimento político com o prefeito Edson Vieira (PSDB), o mesmo vem conseguindo montar um grupo para chamar de seu.

JUNTOS E MISTURADOS – O deputado conseguiu colocar, em um mesmo grupo de apoios, nomes inimagináveis a exemplo dos vereadores Júnior Gomes (PSB), Ronaldo Pacas (PR), Toinho do Pará (PSB), Zé Minhoca (PSDB), Deomedes Brito (PT) e Marlos da Cohab (Podemos).

TEM MAIS – Informações de bastidores apontam que mais um pacote de apoios entre azuis e vermelhos serão anunciados em breve. Entre os apoios estão suplentes que disputaram eleições nos dois principais palanques da cidade, um ex-prefeito e mais vereadores.

VIABILIDADE – Diogo quer mostrar a população a viabilidade em seu projeto de reeleição e que os apoios não estão apenas fora da cidade, mas principalmente em seu município de origem.

DESAFIO – Diogo, e principalmente os vereadores, tem como desafio nas eleições de 2018 mostrar que os referidos apoios vão representar em votação expressiva nas urnas. Pois caso contrário, pode representar no fim político de muitos nomes importantes da cidade.

EM BAIXA – O ex-deputado federal José Augusto Maia (Avante) é uma liderança popular referendada pelas urnas de Santa Cruz. Contudo, seu poder de articulação enfraquece a cada dia, pois apesar da dificuldade em apresentar apoios de peso em outras cidades, perdeu o controle de seu grupo no município. Zé terá dificuldades de mostrar viabilidade de seu projeto político para 2018.

DIFERENTE – Assim como Zé Augusto, Edson também perdeu o controle do seu grupo, mas em relação ao projeto político apresentado para 2018, o de eleger Alessandra Vieira (PSDB), o mesmo consegue apontar apoios de peso, principalmente em outras cidades e regiões.

.

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

02
maio

Resumório! – A coluna do Professor Tenório

MAIS UMA – Nunca antes na história dessa cidade se viu tanto filho da terra querendo disputar um cargo eletivo numa eleição proporcional. Não restam dúvidas que Santa Cruz do Capibaribe vai bater o recorde de pré-candidaturas em 2018. Já são sete até agora. A mais nova já veio com música pronta: ♫ E o federal quem é? É quem o tio não quer ♫.

ENQUETE MENTAL – É mais fácil aparecer alguma cidade com a dobradinha Zé e Ernesto ou nos livrarmos dos buracos na PE 160 e ruas da cidade?

NÃO ESTÁ FÁCIL PRA NINGUÉM – Antes nessa cidade, tudo era culpa do digitador. Resolveram dar uma folga para o rapaz que digitava as coisas erradas e agora estão com as atenções voltadas para os padres. A população mostrou para os sacerdotes que, nessa cidade, “cruz” e “árvores” são coisas que não se pode simplesmente derrubar.

OUTROS TEMPOS – Se tem uma frase que entrega a idade é aquela que começa com “no meu tempo”. Pois bem, sou do tempo em que quando se encontrava um padre se pedia a bênção e dava um beijo na mão. Hoje estão pedindo esclarecimentos e dando multas. Definitivamente, os tempos são outros. Sou do tempo também, que só se criticava um padre publicamente quando ele se candidatava a prefeito. Hoje pedir restauração e deslocamento de cruz ou derrubar cinco árvores já garante um bombardeio.

CONTRADIÇÕES – Contraditório foi Suzane Von Richthofen deixar a prisão para saída temporária de Dia das Mães e alguns vereadores cobrarem abastecimento de água quando os açudes estavam secos e se calarem agora que os mananciais estão com água. Mas é normal, normal, normal um deputado federal que votou favorável à reforma trabalhista vir participar da festa dos trabalhadores. Se conseguiu se livrar de uma sonora vaia, já está no lucro. Tomara que tenha gostado do Bregaribe 2018.

ÉRAMOS SETE – A adesão dos vereadores oposicionistas Marlos Melo e Deomedes Brito ao projeto de reeleição do deputado Diogo Moraes pegou muita gente de surpresa. Uma adesão que já entrou para história da cidade, porque nunca se ouviu uma girândola tão grande após uma entrevista de dois vereadores numa rádio. A bancada de oposição, assim como a de situação, está rachada.

GIRÂNDOLA – Girândola grande em entrevista de rádio é o prenúncio de que a campanha se avizinha. Parece ridículo, mas é quase um patrimônio imaterial dessa terra Santa, assim como a lambadinha. Foram tantos fogos que parecia até a volta dos assaltantes que explodiram as agências da Caixa e Banco do Brasil recentemente. Tantos fogos assim só se escuta em réveillon de capital. Afinal, somos a capital da Moda ou da Sulanca, como queiram.

A PORTEIRA – Quem conhece a história da política de Santa Cruz, sabe que a palavra pode não ser a mais apropriada se tratando dos Moraes, mas parece que abriram a PORTEIRA. Quebraram a tramela e mais adesões estão por vir. Preparem os fogos!

EXAME VENCIDO – Do mesmo jeito que algumas pessoas renovaram o exame de vista de uns meses para cá, certamente aumentará o número de pessoas com o exame vencido. Aqueles que antes enxergavam um monte de problemas e passaram a ver bem menos. Na política eleitoral, quanto mais usarem o coração, mais nossa cidade sofrerá com a falta de atenção e carinho. 

PAZ NOS GRUPOS – Se o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, consegue dialogar com Kim Jong-un e as Coreias do Norte e do Sul também conseguem se entender, não sei por que Taboquinhas e Bocas Pretas não conseguem. É tanta indireta, direta e insultos entre militantes dos grupos nas redes sociais que dói na alma. Vocês podem até desconhecer, mas existe vida além da política partidária. Com esse vale tudo pra ganhar, todo mundo sai perdendo.

“Não me queiram mal. Apenas pensem nisso, enquanto lhes digo que fica o dito para ser rido.”

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

30
abril

As curtinhas do Romenyck Stiffen

SEM DINHEIRO!

FALTA EXPLICAR: Eu havia escrito nas curtinhas da última quarta-feira (25) que era necessário o prefeito de Brejo da Madre de Deus, Hilário Paulo (PSD), dizer qual o real tipo de herança deixada por Dr. Edson (PTB), pois só assim saberemos os motivos verdadeiros da perca de controle das finanças do município.

CONCRETIZANDO: Afirmamos que era utilizado pela prefeitura o “alto” salário dos professores como principal desculpa e estaria, nesse ponto, uma das principais justificativas para o prefeito querer mudar o PCC (Plano de Cargos e Carreiras) da categoria.

CONCRETIZOU: Se ainda o prefeito não mudou o PCC, em relação ao reajuste determinado pelo MEC, de 6,87% em cima dos vencimentos, o mesmo já afirmou que não concederá. Segundo o secretário de governo, Tobias Ramos Barbosa, em oficio 001/2018, afirma que o município não dispõe de receita para conceder o aumento a categoria.

REAÇÃO: Devido à negativa do município, a categoria irá paralisar seus trabalhos por meio expediente durante a semana, até a próxima assembleia que ocorrerá em 07 de maio.  Dependendo da situação, o prefeito Hilário poderá se deparar com algo que não acontecia há anos no município: uma paralisação prolongada dos professores, afetando em cheio a Educação.

REFLEXÃO: Num país em que, no período de eleição, a Educação é o tema mais debatido com promessas de melhorias nas escolas, material didático de qualidade e valorização do professor; como um município irá para frente alegando que um dos problemas de sua folha é o “ALTO SALÁRIO” dos professores?!

As opiniões e informações aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

27
abril

As curtinhas do Romenyck Stiffen!

FOGO NO PARQUINHO!

EMENDAS DA DISCÓRDIA: O vereador Toinho do Pará (PSB) apresentou duas emendas na reunião extraordinária da última quinta-feira (26). As mesmas tratam sobre: A reeleição para mesa diretora da Câmara e que a referida eleição seja realizada em qualquer período.

ARTICULAÇÃO: Informações de bastidores apontam que articulação para apresentação da emenda da reeleição partiu dos vereadores de Oposição Carlinhos da COHAB (PTB) e Ernesto Maia (PT) em conjunto com os vereadores de Situação Zé Minhoca (PSDB) e Toinho do Pará.

NOVE VOTOS – Os bastidores apontam, também, que hoje o projeto da reeleição teria, no mínimo, nove votos a favor, sendo seis de vereadores de oposição e três da situação, acrescentando o nome de Júnior Gomes (PSB). Contudo, o único que teria se colocado radicalmente contra a emenda foi o vereador Capilé (Podemos). Os demais apontaram que a ideia deveria ser discutida e amadurecida.

A FALA – Apesar de Ronaldo Pacas (PR) não se colocar radicalmente contra a exemplo de Capilé, em entrevista ao blogueiro e radialista Marcondes Moreno, o mesmo afirmou que no Brasil está se discutindo o fim da reeleição e não seria interessante a câmara entrar na contramão.

MAL ESTAR – A possível articulação por parte de Zé Minhoca e a emenda colocada por Toinho não era de conhecimento por parte dos demais membros da bancada de Situação. Isso ocasionou um mal-estar entre os parlamentares do referido grupo e também pressão, principalmente, em Toinho. Ele decidiu deixar o cargo de líder da bancada.

SIM E NÃO – Os bastidores estão muito claros: a maioria dos vereadores de oposição se articularam com o presidente Zé Minhoca sobre a emenda da reeleição, contudo, os mesmos não garantem o apoio para reeleição de Zé Minhoca; ou seja: a Oposição, com exceção do vereador Capilé, que colocar ‘fogo no parquinho’ da Situação.

.

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

25
abril

Resumório! – A coluna do Professor Tenório

​RESUMÓRIO

 

CADA UM COM SEUS BURACOS – O prefeito de Santa Cruz cobra uma operação tapa-buracos no perímetro urbano da PE 160, responsabilidade do estado, e esquece de dar conta dos buracos das ruas da cidade. Diz ele e equipe que estão intensificando a solução desse problema, enquanto o deputado Diogo Moraes afirma que em breve será resolvido a questão da PE. Melhor assim, cada um cuidando de seus buracos. A população agradece.

CAPITAL DAS MODAS – Na terra das gameleiras, dos bloqueados, de indefinição de pai de blitz e das contas rejeitadas, a moda agora é fazer vídeo na frente de instituições cobrando ou denunciando o erro nas gestões adversárias. Políticos de todos os grupos estão seguindo a moda e fazendo vídeos. Já prevejo uma briga para saber quem foi o pioneiro na gravação de vídeos sobre denúncias. E tem ainda uma modinha de dizer que a justiça erra, mas só quando condena os meus ou inocenta os adversários.

PINTURAS – Não digo que seja mais uma moda, porém as pinturas sempre são destaques na política de Santa Cruz. No começo, eram apenas pichações nas paredes de prédios públicos e muros da cidade. Depois foi a conhecida pintura do meio fio de um conjunto habitacional. Por fim, pintaram os buracos da PE 160 e até um cidadão que passava de carro e parece que não gostou muito do protesto. Aqui, pra defender seu partido, a galera pinta o sete.

PROMESSA QUEBRADA – Acho que estou convivendo muito com políticos. Prometi pra mim mesmo que passaria no mínimo três colunas sem falar em muriçoca. Diferentemente de alguns, reconheço meu erro e não coloco prazos que não sou capaz de honrar. Dessa vez é para dizer que diminuiu a quantidade de muriçocas, pelo menos aqui no bairro em que moro.

VALORIZAÇÃO – Com a afirmação de que diminuiu a quantidade de muriçocas no bairro em que moro, corro o risco de desagradar moradores de outras localidades, caso a diminuição não seja em toda a cidade. Minha parte eu fiz, que foi reconhecer o “avanço” na redução. Se não foi na cidade inteira, além de dormir sossegado à noite, teremos uma super valorização dos imóveis aqui. Já até vejo a propaganda dos corretores: A casa tem garagem, três quartos, uma suíte e localização privilegiada com a menor incidência de muriçoca da cidade.

AS BADALADAS DURAM MENOS – Com a especulação de que o recém-empossado secretário extraordinário de habitação Joab não estaria muito feliz com a nova função, chegamos à conclusão de que na dinastia da chance, quanto mais pomposa a proposta de secretaria, mais decepcionante. Aconteceu algo parecido com o denominado super secretário Luciano Bezerra, que escolheu voltar para câmara de vereadores. Essa história de “super” e “extraordinário” já não empolga. Quem quiser uma secretaria, opte por uma das simples mesmo.

A RUA DO NÃO ME TOQUE – Tudo que envolve a Avenida Padre Zuzinha é melindroso. Não importa se é um asfaltamento, revitalização de praça, pintura de pista de cooper ou a restauração/transferência de uma Cruz. Uma sugestão para o prefeito, que tem se esforçado para mudar o aspecto daquela importante rua da cidade, e mesmo assim tem sido bastante criticado por moradores de lá e população em geral: Antes de mexer num galho de gameleira ou numa pedra de calçamento, ouça o povo. Caso contrário, vão lhe crucificar, mesmo sem cruz.

PRAZOS – Por falar em cruz, o prazo para a “restauração” e recolocação do cruzeiro da Avenida Padre Zuzinha, de acordo com a nota da equipe de comunicação da prefeitura, é de até quarenta dias. É quase igual ao prazo de quem vendia sulanca a Ciço de Marabá no início da década de noventa. Seguindo a mesma lógica, pelo tamanho da cruz e pelo prazo estipulado, essa demora na restauração da PE 160 já não é assim tão absurda. 

EXAME DE VISTA – Como diz um “Jovem” Canalha amigo meu, de uns três meses para cá umas pessoas renovaram o exame de vista, pois só agora estão conseguindo enxergar um monte de problemas de nossa cidade que existem há anos. Tenham cuidado, porque a paixão política cega mais que a catarata.

 

Não me queiram mal. Apenas pensem nisso, enquanto lhes digo que fica o dito para ser rido.”

 

As informações e opiniões aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

25
abril

As curtinhas do Romenyck Stiffen

SEM DESCANSO!

SEM DESCANSO – Mais de um ano a frente do governo de Brejo, o prefeito Hilário Paulo (PSD) não tem descanso dos problemas que a cidade passa.

A HERANÇA – Sem divulgar os resultados de uma auditoria que disse estar realizando no município, o prefeito deixa na dúvida se o ex-prefeito Dr. Edson (PTB) deixou uma herança benigna que sempre divulgou ou uma herança maldita, como visualmente é notado, mas não confirmado.

RESPONSABILIDADE – Essa falta de divulgação da auditoria realizada ou não por atual gestão faz recair uma grande responsabilidade em cima do prefeito. Se a herança de Dr. Edson foi bondosa, Hilário se mostra como um gestor sem controle financeiro, contudo, se a herança foi maldita, a pergunta é: Qual o motivo de segurar essa possível bomba?

SEM GRANDES OBRAS – O gestor se aproxima de um ano e meio de governo e, tirando ações pontuais a exemplo de reformas nas escolas, não é perceptível uma obra de grande vulto no município ou até mesmo a apresentação do projeto de uma obra de relevância.

PÓS-GUERRA – Após as chuvas, o distrito de São Domingos apresenta os velhos aspectos: buracos, alagamentos e as diversas ruas sem calçamentos e lama, que deixam o local intransitável, ou seja: aspectos de um pós-guerra.

CRUZ E ESPADA – Politicamente, Hilário se encontra entre a ‘cruz e a espada’ em relação às eleições de 2018. Ele ainda não definiu se segue com Alessandra Vieira (PSDB) e agrada o aliado Edson Vieira (PSDB) ou se apoia Waldemar Borges (PSB), nome que será apoiado por Dr. Edson. O mesmo irá se indispor com Edson Vieira ou medirá força com Dr. Edson?

FOLHA – Controlar a folha de pagamento e driblar a Lei de Responsabilidade Fiscal é um dos principais problemas encontrado pelo prefeito que mantém a folha inchada e responsabiliza as ações de enquadramento salarial dos professores.

IMPOPULARIDADE – Hilário aumenta a cada dia sua impopularidade com a categoria dos professores. Além de responsabilizar a Educação como um dos principais motivos do inchaço da folha salarial, o mesmo que mudar o Plano de Cargos e Carreiras (PCC) e não mostra muita disposição para o reajuste determinado pelo MEC, de 6,81% nos vencimentos.

PROBLEMAS FUTUROS – Caso o prefeito não consiga chegar a um acordo com a categoria, poderá enfrentar algumas ações de protestos em relação ao tema, paralisações nas aulas, entre outros.

DIAS DIFÍCEIS – Em contato com vereadores de Oposição, eles afirmam que surpresas desagradáveis serão apresentadas em breve a população; o que poderá ocasionar dias difíceis ao gestor.

NADA FÁCIL – Hilário necessita de uma reviravolta sem tamanho em sua gestão, contudo, as perspectivas são poucas. Tempo existe, mas falta pulso dentro do grupo e é preciso correr atrás do prejuízo.

.

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador

24
abril

Artigo – Por Adriano Oliveira

O QUE AS PESQUISAS REVELAM?

 

Estamos às vésperas da eleição. Não cabe mais improviso e nem especulação. Os candidatos precisam agir estrategicamente. A recente pesquisa Datafolha contribuiu para várias especulações. Confundo, propositadamente, análise com especulação. Sabendo que especulação não é análise e nem cria boa estratégia.

Duas especulações estão na moda. A primeira é que Joaquim Barbosa é um candidato competitivo para a presidência da República. É possível que seja. Entretanto, amplio a análise. A candidatura de Joaquim está acima dos interesses complementares do PSB, PT e PSDB? Observo que a candidatura do ex-ministro do STF prejudica a aliança entre PSB e PT. Ou a aliança informal entre PSDB e PSB no estado de São Paulo.

A segunda especulação é quanto ao nível de competitividade de Marina Silva. Segundo a pesquisa do Datafolha, Marina cresce com a saída de Lula. É fato. E pode até a continuar a crescer. Afinal, a candidata da Rede tem qualidades, é um bom produto. Entretanto, dois questionamentos: Marina Silva terá o apoio do PT na eleição? Quando Lula não é candidato, e certamente não será, o lulismo deixa de existir?

Segundo o Datafolha, em outubro de 2013, 38% votariam em um candidato que Lula indicasse. Em 2013, o lulismo estava no auge. A Lava Jato não existia. Em abril de 2018, 30% afirmam que votam em um candidato que Lula indicar. Sejam sábios. A conjuntura atual é diferente da conjuntura de 2013. Mas mesmo assim, o ex-presidente continua a ser um ator influente entre os eleitores. Tal influência mostra que o lulismo resiste, mesmo que Lula não seja candidato.

Não restam dúvidas que Lula e o lulismo têm rejeição. A última pesquisa do Datafolha mostra que em outubro de 2013, 31% dos eleitores não votariam em um candidato apoiado por Lula. Em abril deste ano, 52% afirmam que não votam. Portanto, o lulismo é rejeitado pela maioria do eleitorado. Mas tal rejeição não impede, neste instante, que o candidato do PT esteja no segundo turno da disputa presidencial.

Pesquisa IPSOS divulgada neste mês revela que 73% dos eleitores concordam com a seguinte afirmação: “Os poderosos querem tirar Lula da eleição”. Este dado sugere o que há muito tempo friso: A prisão de Lula o vitimiza. Este indicador merece ser monitorado. Outro indicador fundamental: Quem será o antilulista na eleição presidencial? Até o instante, ninguém desponta como favorito. E, por fim, uma última indagação: Lula preso tem maior influência eleitoral do que solto? Respondam com pragmatismo e pesquisas.

 

As opiniões e informações aqui expressas são de responsabilidade de seu idealizador
Página 1 de 26123...1020...Última »

Notícias Anteriores